Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 040 - abril 1961

 

HÁ PECADOS IRREMISÍVEIS?

DOGMÁTICA

TIBI (Rio de Janeiro): «Que dizer dos textos da epístola aos Hebreus (6,4-6; 10,26-31; 12,16s) que parecem denegar todo perdão a certos pecadores? Não haverá realmente culpas tão graves que Deus não as queira mais perdoar?»

 

Antes do mais, eis os trechos de que se trata no cabeça- lho acima:

HEBR 6:4 «Aqueles que foram uma vez iluminados, provaram o dom celestial, se tornaram participantes do Espírito Santo, 5 saborearam também a bela palavra de Deus e as maravilhas do mundo vindouro, 6 e, não obstante, caíram, é impossível renová-los outra vez para a penitência, pois crucificam por sua conta o Filho de Deus e O expõem publicamente à ignomínia».

 

HEBR 10:26 «Se, depois de ter recebido e conhecido a verdade, a abandonarmos voluntariamente, já não nos restará sacrifício para expiar este pecado; 27 só teremos que esperar um juízo tremendo e o fogo ardente que deve devorar os rebeldes. 28 Se alguém transgride a lei de Moisés — e isto é provado com duas ou três testemunhas —, deve ser morto sem misericórdia (cf. Num 35, 30). 29 Quanto pior castigo então não julgais deverá merecer quem calcar aos pés o Filho de Deus, e tiver profanado o sangue da aliança em que foi santificado, e ultrajar o Espírito Santo, autor da graça ?! 30 Pois conhecemos aquele que disse: 'Minha é a vingança; eu a exercerei' (Dt 32,35), e outra vez: 'O Senhor julgará o seu povo' (SI 134, 14). É horrendo cair nas mãos de Deus vivo».

 

HEBR 12:16 «Não haja entre vós algum sensual ou profanador como Esaú, que, por um prato de lentilhas, vendeu o seu direito de primogenitura. 17 Sabeis que, desejando ele em seguida receber a bênção de herdeiro, foi rejeitado e não pôde obter mudança de sentimentos, se bem que a tivesse procurado com lágrimas».

 

Os três textos acima, por sua aparente dureza, muito chamaram a atenção de leitores e comentadores cristãos, principalmente na antiguidade. No séc. III montanistas e novacianos abusavam de tais dizeres para negar pudessem ser perdoados alguns pecados graves, mormente os de apostasia, adultério e homicídio. A fim de evitar esta tese, certos cristãos tinham a epístola aos Hebreus na conta de não canônica ou não inspirada por Deus; em certas regiões, nem era lida em público. Dentre mesmo aqueles que admitiam a autoridade canônica de Hebr, houve exegetas que deram aos textos acima citados interpretações artificiais, pouco condizentes com as regras da sadia hermenêutica.

 

Nenhuma dessas atitudes pode ser sustentada... Visto que a epístola aos Hebreus pertence realmente ao patrimônio da Sagrada Escritura, ela tem o valor de autêntica Palavra de Deus e há de ser portadora de ensinamentos profundos e construtivos. Estes, porém, só se apreenderão devidamente caso se analise o texto sagrado à luz tanto da linguística antiga como dos demais escritos do Novo Testamento. É o que nos esforçaremos por fazer nas páginas seguintes, considerando sucessivamente cada uma das três passagens citadas.

 

HEBR 6, 4-6

1.               Tenha-se em vista a categoria de leitores aos quais se dirige o hagiógrafo: eram judeus convertidos à fé cristã que atravessavam uma crise religiosa. No início de Hebr c. 6 (vv. 1-3), o Apóstolo diz que não voltará a ensinar os rudimentos da catequese, pois a iniciação na fé e na vida cristã deve ser algo de definitivo, algo que cada fiel percorre uma vez por todas e não repete. E, para provar que não se repete a iniciação, o autor nos vv. 4-6 considera o caso daqueles que apostataram da fé e, por conseguinte, parecem precisar de nova catequese: estes, diz ele, de modo nenhum se beneficiariam de mais uma catequese, pois a sua situação é irremediável !...

2.               É justamente aqui que surge o problema: porque irremediável? Será por que o Senhor não perdoa, não dá aos apóstatas a graça de voltarem à fé e ao amor de Deus? Ou será talvez porque os próprios apóstatas estão de todo insensíveis à graça do Senhor? Ademais, será a situação irremediável de maneira absoluta ou admitirá exceções?

 

Eis como se delineia a resposta do hagiógrafo:

 

a) nos vv. 4-5 ele focaliza cristãos que receberam grandes graças e fizeram uma experiência consciente e profunda do que é o Cristianismo.

 

Quatro são os favores divinos que o autor sagrado se compraz em enunciar, de antemão visando chamar a atenção dos leitores para a gravidade da apostasia:

 

«Iluminados». O verbo «iluminar», photizein, no Novo Testamento refere-se geralmente à luz da verdade e da salvação que Jesus veio trazer ao mundo mergulhado nas trevas do erro (cf. Ef 1,18; 2,9; 2 Tim 5,10; Jo 1,9). Dessa luz os homens participam mediante a fé. A fé, por sua vez, está intimamente associada ao sacramento do batismo, que, por isto, na antiga Igreja era chamado phottsmós ou «iluminação». Em Hebr 6,4, o hagiógrafo parece ter em vista simultaneamente as graças da fé e do batismo.

 

«Provaram o dom celestial». À metáfora da luz sucede-se a do alimento. Alguns comentadores julgam tratar-se aqui da S. Eucaristia. Outros, mais acertadamente, entendem o conjunto dos benefícios messiânicos, ou seja, a vida de filhos de Deus que Cristo trouxe aos homens e da qual um dos mais ricos elementos é, sem dúvida, a S. Eucaristia.

 

«Tornaram-se participantes do Espírito Santo». É assim designada não somente a graça dos sacramentos, mas também a multiplicidade de carismas ou dons extraordinários (profecias, línguas, curas...) com que frequentemente eram agraciados os cristãos antigos (cf. 1 Cor 12-14).

 

«Saborearam a bela palavra de Deus e as maravilhas do mundo vindouro». A «bela palavra» é a Boa Nova do Evangelho, que desperta nos fiéis o sabor da vida eterna (cf. Zac 1,13: a Palavra de Deus é Palavra boa e consoladora). «As maravilhas (literalmente: as potências) do mundo vindouro» não equivalem propriamente à vida póstuma celeste, mas, por já serem saboreadas na terra, são as energias sobrenaturais que inauguram o Reino de Deus em cada alma justa, Reino que vai desabrochando lentamente dentro do cristão e estará consumado na vida futura.

 

b)                Após descrever tão eloquentemente a riqueza sobrenatural que Deus outorga a seus amigos, no início do v. 6 o autor sagrado admite uma hipótese muito misteriosa, mas bem comprovada pela realidade: imaginemos que um desses amigos do Senhor, apesar das suaves experiências anteriores, venha a cair para o lado ou para fora... (o texto grego não diz apenas piptein, cair, mas parapiptein, cair para o lado ou para fora), isto é, venha a sair da trilha da fé e da vida cristã, abandonando tudo de maneira consciente e voluntária..., voltando-se diretamente, face a face, contra Deus Pai, contra Cristo e contra o Espírito Santo. Trata-se, sem dúvida, de uma falta muito grave, comparável ao pecado contra o Espírito Santo, que é o pecado de endurecimento, de obstinação deliberada no erro, com desprezo formal das graças e dos apelos de Deus para a conversão (cf. Mt 12,31s e «P. R.» 12/1958t qu. 2).

 

c)                Pois bem; a esses tais (prossegue o autor sagrado no v. 6) é impossível renová-los de novo para a penitência... Esta expressão (redundante, sem dúvida) significa a volta à fé e ao amor de Deus. A conversão para tais apóstatas vem a ser impossível, a menos que Deus queira intervir de maneira extraordinária (coisa que não se pode supor nem prever de antemão); humanamente falando, a reconciliação de tais pecadores não é viável, porque se fecham numa atitude radicalmente contraditória ao chamado e à graça de Deus. Note-se bem que o que o escritor sagrado declara impossível não é o perdão da parte de Deus, mas o arrependimento da parte do pecador; caso este quisesse voltar ao Senhor, seria, por certo, recebido e agraciado, como o filho pródigo (cf. Lc 15,20-24); nas relações de Deus com o homem, portanto, Deus jamais se nega ou se fecha; é, antes, o homem quem se subtrai, com detrimento para si mesmo.

 

d) Corroborando a sua afirmação, o escritor sagrado, na terceira parte do v. 6, salienta dois aspectos da revolta ou da ingratidão do pecador: aos quatro grandes dons de Deus, este responde «crucificando por sua iniciativa o Filho de Deus e expondo-o à burla pública».

Que querem dizer tais expressões ?

 

«Crucificam o Filho de Deus»... O apóstata imita os judeus infiéis: rejeita Cristo, declara-O impostor, falso Messias, condena-O à cruz e como que aí O prega com suas próprias mãos; o escritor sagrado realça bem essa iniciativa pessoal do pecador ou esses seus sentimentos contrários a Cristo: «... por sua conta, na medida em que está em seu poder», diz ele. — Assim (mencione-se de passagem) vê-se que a Paixão do Senhor não constitui mero acontecimento passado, mas é um drama que se vai desdobrando no decorrer dos séculos, pois todo homem, em última análise, ou se coloca do lado de Cristo e é crucificado com Ele (cf. Gál 2,19; 4,19) ou toma posição do lado oposto, com os carrascos, reproduzindo então a atitude de quem crucifica o Cristo.

 

«Expõem o Filho de Deus à burla pública»... Renegar abertamente a Cristo, abandonar a fé são atitudes que o hagiógrafo compara com a dos soldados que escarneceram o Senhor (cf. Mt 26,67 ; 27,38-43); o apóstata é alguém que despreza a Deus.

 

Os comentadores observam significativa particularidade do texto grego: os verbos «crucificar» e «expor à burla» estão no particípio presente, ao passo que «cair para o lado» se acha no particípio «aoristo» (com significado de pretérito). A mudança de tempos indica bem que a queda ou o ato de apostasia é algo de transitório (aoristo), transitório, porém, que dá origem a um estado de crime ou de revolta permanente (sempre presente) no coração do pecador.

 

Deve-se notar outrossim a construção da sentença grega que constitui os versículos 6, 4-6 de Hebr: é dominada por duas expressões: adynaton, «impossível», logo no limiar da frase, e purapésontas, «tendo Caído», no meio da mesma. «Do ponto de vista literário, todos os comentadores, desde S. João Crisóstomo (+407), chamam a atenção para o caráter particularmente enérgico de adynaton colocado no início da frase» (Spicq, L/Epitre aux Héhreux II. Paris 1953, 149). Quanto ao particípio «tendo caído», ele se segue à enumeração de quatro dons de Deus; é uma expressão breve que interrompe bruscamente o ritmo da frase solene e harmoniosa; dá assim a impressão de um choque brutal, de uma queda, que significa, no caso, a apostasia ou o abandono total da fé. Toda a passagem é destarte enfática: ela afirma a impossibilidade — existente da parte do homem, não da parte de Deus — de que um pecador deliberadamente obstinado no vício se converta ao Senhor. Seja lícito, porém, repetir: mesmo neste último caso, de acordo com a mensagem geral do Novo Testamento, resta a possibilidade de que Deus tome diretamente a iniciativa de modificar o estado de espírito do apóstata, dando-lhe luz e força especiais para que se salve. A Deus é possível mesmo aquilo que, do ponto de vista humano, é impossível, lembra Jesus no Evangelho (cf. Mt 19,26; Mc 10,27; Lc 1827).

 

HEBR 10, 26-31

 

Esta passagem enuncia as mesmas verdades que as do c. 6,4-6. Acrescenta apenas uma comparação com o regime de salvação do Antigo Testamento, a fim de corroborar a admoestação aos leitores. Aqui procuraremos sublinhar um ou outro tópico da secção 10,26-31 que comprove quanto acabamos de dizer.

 

No v. 26 o hagiógrafo acentua fortemente o caráter voluntário e plenamente deliberado das faltas que ele focaliza; logo no início do v. 26 está o advérbio «voluntariamente» (ekousioos). Trata-se de faltas contra a luz ou contra a evidência da verdade, contra a Palavra de Vida que cada cristão abraça quando é «iluminado» ou chamado à vida cristã. O hagiógrafo supõe que tais faltas cometidas com toda a advertência sejam pertinazmente reafirmadas pelo pecador; este se fecha então numa atitude de resistência habitual à graça de modo nenhum quer mudar de disposições e render-se à luz (é o que sugere o particípio presente amartanontoon, em vez do aoristo amartontoon).

 

As consequências práticas desse estado são logo enunciadas pelo autor sagrado: o sacrifício de Cristo, que por si é apto a expiar toda e qualquer culpa, não pode ser aplicado a tal pecador, justamente pelo fato de que este não o quer; não é a gravidade das faltas materialmente consideradas (assassínio, furto, adultério...) que fecha a via à reconciliação, mas é unicamente a atitude negativa em que se obstina a alma; Deus não lhe força a liberdade de arbítrio; não obriga criatura alguma a se converter.

 

Endurecendo-se no mal, acrescenta o hagiógrafo no v. 27, o pecador vai experimentando já aqui na terra o terrível tormento de ter abandonado a Deus, tormento que chegará ao auge na vida póstuma ou no inferno, onde não haverá os paliativos ilusórios que as criaturas oferecem neste mundo.

 

O texto sagrado menciona «fogo ardente que deve devorar os rebeldes». Não se entenda tal fogo estritamente à semelhança do que se vê sobre a terra; já em «P.R.» 3/1957, qu. 5 dissemos que a pena primária do inferno é a «pena de condenação», ou seja, a tremenda dilaceração que as almas dos réprobos experimentam por se perceberem inelutavelmente feitas para Deus, mas, não obstante, incompatibilizadas com esse Supremo Bem por livre alvitre da sua vontade. À pena de condenação sobrevém a chamada «pena dos sentidos», ou seja, a ação de um agente corpóreo, dito «fogo», sobre os réprobos, os quais, pecando, abusaram das criaturas corpóreas. Ulteriores explicações se encontram no citado artigo de «P. R.».

 

Os vv 28-31 se referem a textos do Antigo Testamento que inculcam, em termos aparentemente indignos de Deus («vingança, sem misericórdia, coisa horrenda»...), a intervenção do Senhor na punição do pecado. O teor veemente desses dizeres não deve surpreender o leitor: a Bíblia e, no nosso caso, o autor da epístola aos Hebreus, utilizam a linguagem rude dos judeus antigos para dizer verdades grandiosas e perenes. Deus é perfeitíssimo; por isto é justo e, como tal, reprime a injustiça ou o pecado; nunca, porém, deixa de ser Pai bondoso, mesmo quando inflige a devida sanção ao pecado; diante dos juízos do Altíssimo compete à mente humana, limitada como é, uma atitude de entrega confiante, e não de arrogância crítica e de suspeita. Estejamos certos de que, se a criatura tem o senso da justiça, o Criador o tem infinitamente mais apurado.

 

Consequentemente, dir-se-á que, mesmo nos casos de endurecimento do pecador no mal, a Onipotência Divina possui recursos para o abalar. Já, porém, que tais recursos são extraordinários, ficando fora das vias normais da Providência, a ninguém é licito contar certeiramente com tais meios, pois isto equivaleria ao que se chama «tentar a Deus».

 

HEBR 12, 16s

 

No v. 16 o autor sagrado, desejando dissuadir os leitores de toda mancha de pecado, cita o caso de Esaú, o qual vendeu por um prato de lentilhas seus direitos de primogênito ou de herdeiro das bênçãos messiânicas; destarte tornou-se desprezador dos preciosos dons que Deus lhe outorgara.

 

A consequência deste gesto vem exposta no v. 17, texto cujo significado é controvertido pelos exegetas.

Uma corrente numerosa de autores antigos, medievais e modernos julga que o escritor sagrado aludia à penitência de Esaú; este não terá podido conceber verdadeira penitência apesar das suas lágrimas, pois os seus sentimentos não terão sido puros.

 

Outra sentença, porém, afirma que o hagiógrafo tem em vista a retratação de Isaque. Esaú, arrependido de sua venda interesseira, terá pedido a seu pai, Isaque, retratasse a maldição que merecera, e lhe desse a bênção. Não obteve, porém, retratação, ficando consequentemente excluído da plenitude das bênçãos messiânicas. Este modo de entender o texto é preferível ao anterior, pois respeita melhor a oposição, certamente intencionada pelo hagiógrafo, entre «desejar» e «não conseguir»; parece necessário deixar a estes dois verbos o mesmo objetivo : Esaú desejou, mas não obteve, a retratação da maldição que seu pai lhe infligira.

 

Contudo, qualquer que seja a interpretação dada ao texto bíblico, seu ensinamento para os cristãos fica sendo sempre o mesmo, a saber: caso os discípulos de Cristo renunciem, como Esaú, aos seus títulos de herdeiros do Pai Celeste e do reino messiânico, arriscam-se a cair numa situação irreparável. Irreparável, sim, no sentido que expusemos ao analisar Hebr 6,4-6 e 10, 26-31: a situação será, humanamente falando, insolúvel; não será, porém, desesperada aos olhos da Onipotência Divina.

 

Eis o que se pode apurar sobre a pretensa irremissibilidade de pecados na epístola aos Hebreus. Como se vê, só há um obstáculo real ao perdão das culpas humanas: é a recusa que o pecador possa opor à Misericórdia de Deus; desde, porém, que a criatura a deseje com sinceridade, passa a usufruir da Liberalidade das graças do Salvador. É, aliás, neste mesmo sentido que se devem compreender as passagens sobre o pecado contra o Espírito Santo e sobre o pecado para a morte (cf. 1 Jo 5,16s).

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 10269306)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?85.88
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns30.89
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.15
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo15.07
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.43
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.38
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino13.19
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?12.36
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.82
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes11.33
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.37
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.39
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.80
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra8.33
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.28
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.20
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.77
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.43
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha7.27
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.85
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.79
Diversos  Mundo Atual  3795 O que há de vir?6.72
Tem cuidado pela unidade, pois nada há de melhor.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online