Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 027 – março 1960

 

Índice dos Livros Proibidos pela Igreja

MORAL

BACHAREL (Rio de Janeiro): «Sou bastante maduro para escolher e criticar as minhas leituras! As proibições da Igreja neste ponto são pouco condizentes com a mentalidade do séc. XX!»

 

A questão do «Índice de livros proibidos» já foi abordada em «P.R.» 6/1957, qu. 10. A ela voltaremos aqui, dada a oportunidade do assunto, procurando desenvolver um ou outro aspecto novo ou mais importante do tema: trataremos, pois, em primeiro lugar, do poder de influência da leitura, para, a seguir, lembrar as normas que consequentemente devem orientar a consciência do leitor católico.

 

1. O poder de influência da leitura

 

1.1. A inteligência humana, feita para apreender a verdade mediante o raciocínio, nutre-se de idéias: adquirindo idéia após idéia, vai ela acumulando um cabedal doutrinário de importância máxima, decisiva do destino temporal e eterno que tocará ao respectivo sujeito.

 

Ora é inegável que as idéias se transmitem mediante a palavra. A palavra, por sua vez, é ou escrita ou oral, apresentando num e noutro caso seu poder de ação próprio, mas sempre muito penetrante.

 

A palavra oral é dotada de vivacidade própria; o tom da voz, a expressão do semblante, os gestos, de quem fala, concorrem para dar à palavra uma força de sugestão característica. Sabemos que o magistério na antiguidade se exercia quase exclusivamente pela palavra oral; a letra parecia aos antigos um veiculo mudo e frio, capaz de depauperar a vida de uma alma que se quisesse comunicar. — Estas observações, inegàvelmente válidas até hoje, levam-nos a afirmar que nunca se poderá extinguir o magistério oral na formação das gerações humanas.

 

Mas. sem desdizer à estima para com a palavra oral, notemos agora a forca de penetração que compete à palavra escrita ou ao livro.

 

O livro é, sim, um mestre ou amigo silencioso a quem espontaneamente tendemos a nos abandonar com toda a confiança, deixando que ele nos vá insinuando não somente as idéias que estamos acostumados a professar, mas até mesmo as que, à primeira vista, seríamos propensos a repudiar.

 

Com efeito, todo indivíduo está psicologicamente predisposto a atribuir autoridade a um autor de livro; ... autoridade, isto é, capacidade para ensinar ou dirigir. Não é vã a assonância que une os termos «autor» (= escritor) e «autoridade» (= poder maior para orientar); o fato de que alguém se torne autor de livro parece conferir a esse escritor soberania e prestígio para insinuar atitudes e incutir doutrinas. É tão espontânea à natureza a tendência a argumentar a partir do que dizem os autores !

 

Quando um pensador apresenta de viva voz a sua doutrina, mais fàcilmente o público exerce sobre ele o devido controle; quando o mestre se ergue diante de um auditório, os ouvintes tendem também a se erguer em sua personalidade; principalmente se o orador propõe algo de contrário às idéias do auditório, o garbo e o amor próprio incitam naturalmente os ouvintes a reagir. O mesmo, porém, não se dá quando a ideologia antagônica é proposta por escrito; então, sem o saber nem querer, o leitor abre-se com mais facilidade; pode tomar a atitude de discípulo muito dócil sem que alguém (nem o próprio leitor) observe que se vai rendendo; o sugestionismo exercido pelo escritor se assemelha muito a uma autosugestão do próprio leitor e, por isto, facilmente passa despercebido a este.

 

Ademais, observe-se que a influência da palavra falada é geralmente rápida; impressiona no momento, mas pode ser sem delongas superada pela influência de outro agente que sobrevenha; ao contrário, a ação da palavra escrita, embora seja menos impressionante e sensível, é mais duradoura e profunda; o livro fica sempre à disposição do leitor, que a ele volta movido por uma simpatia talvez pouco consciente, mas real e, por vezes, corrosiva.

 

Estas considerações nos levam a reconhecer o extraordinário alcance que pode ter a palavra escrita na formação de uma personalidade humana.

 

1.2. Dentre as diversas categorias de livros, os que por si tendem a exercer mais profunda influência, são certamente os livros de doutrina.

 

As idéias constituem sempre as forcas motrizes da atividade, de modo que desatinar uma inteligência é concorrer poderosamente para o desmoronamento de uma ética. Ao contrário, quando apenas os costumes se corrompem, permanecendo incólumes as idéias na mente do homem viciado, a situação é menos grave; desde que tal indivíduo reconheça que procedeu mal, um ato generoso de vontade auxiliada pela graça de Deus, pode reerguê-lo ao plano de vida anterior. Sendo assim, compreende-se que os livros disseminadores de falsa filosofia ou de errôneas concepções da vida sejam extremamente nocivos; obras como as de Rousseau, Augusto Comte, Karl Marx marcam etapas na história...

 

Note-se, porém, que essas grandes sínteses doutrinárias não costumam ser de fácil acesso ao público; parecem enfadonhas ou obscuras à grande massa; por isto na vida cotidiana não constituem o tipo de leitura que mais prejudica o público. Há outra modalidade de livros que, na realidade, maiores males produzem; são os chamados «romances ideológicos» ou «romances de tese», aos quais vamos aqui dedicar breve reflexão.

 

O romance ideológico se caracteriza por apresentar uma doutrina, não, porém, de forma abstrata, mas bem concretizada num caso insinuante, que, sensível ou insensivelmente, tende a se impor como modelo ao leitor. A Psicologia ensina que toda idéia humana é sempre acompanhada de uma imagem mental; não há idéia dissociada da respectiva figura concreta que a excita e sustenta diante da inteligência humana (basta lembrar, por exemplo, a origem do alfabeto: os sinais que hoje indicam sons universais — A, B, C... — a principio indicavam os objetos concretos que, na mente dos homens, excitavam a reminiscência de tais sons). Pois bem; o romance ideológico atende de maneira particular a esse processo do conhecimento humano : descreve episódios e reproduz diálogos empolgantes, que entram pela alma do leitor, apoderando-se de todas as suas faculdades, despertando profundas ressonâncias; essas cenas excitam naturalmente no leitor o senso de imitação, o desejo sensacionalista (ora mais, ora menos consciente) de reviver a aventura do herói da peça. É por isto que a literatura de ficção inspirada por um fundo doutrinário se torna, junto ao grande público, muito mais influente do que os volumes de filosofia especulativa; estes, para ser assimilados, exigem mais esforço do que os romances de tese; tem-se dito mesmo que o poder sugestivo do romance é comparável ao de um hipnotizador; o mau romance pode ser assemelhado também a uma toxina ou a um câncer que vai minando a estrutura intelectual e moral do leitor.

 

2. «Estou acima das influências...»

 

Ao percorrerem estas linhas, talvez digam o homem culto, na base de sua formação científica, e o jovem movido por seu entusiasmo: «Sei perfeitamente subtrair-me às influências do livro. O mal que me possa ser sugerido, não me afeta». Ora, sem receio de errar nem de ser mesquinho, o homem realmente sábio lhes poderá replicar:

 

«Engana-se quem assim pensa. Às leis da natureza não nos conseguimos subtrair com facilidade. Pode acontecer que no momento da leitura evoquemos conscientemente idéias contrárias às do livro mórbido que vamos lendo; recalcaremos assim a força sugestiva do mal, mas nem por isto a teremos debelado por completo. Como já dizia Voltaire, alguma coisa da mentira ou do erro sempre fica... O que lemos passa a fazer parte do nosso psiquismo, desce à subconsciência e mais tarde dai subirá como estímulo ao mal, como tentação perigosa; é um soldado inimigo que se introduziu na praça forte...» (paráfrase do texto de L. Franca, A formação da personalidade 376).

 

Não há dúvida, todo homem tende naturalmente a confiar no seu espírito crítico, que o leva a discernir do bem o mal e a aceitar aquele com exclusão deste. Em geral, porém, ensinam os doutos experimentados que tal confiança decepciona amargamente, pois, na verdade, é muito raro neste mundo um espírito capaz de analisar objetivamente uma doutrina, distinguindo nela do provável o certo. O espírito autenticamente crítico supõe amplo conjunto de qualidades naturais: perspicácia, dom de análise, inteligência penetrante, bom traquejo da lógica, hábito de demonstrações rigorosas, além de filosofia sólida e cultura geral segura. Ora não pode deixar de ser muito exíguo o número daqueles que de fato dispõem de tal cabedal; dentre mil pessoas que o julgam ter, talvez uma só realmente o possua. Entende-se, porém, que a vaidade leve todo indivíduo a se identificar com esse único tal e a crer que são os demais homens que, por motivo de sua fraqueza, necessitam de se precaver de antemão contra os assaltos do mal.

 

Além disto, faz-se mister frisar que ao cristão jamais será lícito presumir algo de suas próprias forças; a natureza humana, deficiente como é, jamais pode pretender haver atingido a impecabilidade. Toda a ascese cristã visa, antes, avivar no discípulo de Cristo a consciência daquela palavra incisiva de Jesus: «Sem Mim nada podeis fazer» (Jo 15,5). A criatura humana, por mais sábia ou santa que seja, só não peca, porque o Salvador gratuita e benevolamente a preserva disto; ora, já que ninguém pode assegurar a si mesmo que de fato o Redentor lhe concederá tal graça, torna-se ilícito ao homem (mesmo ao que presuma ser douto ou virtuoso) expor-se voluntáriamente aos assaltos do mal; expor-se sem motivo ao mal seria tentar a Deus, isto é, presumir da parte do Senhor um auxílio gratuito para satisfazer ao capricho humano (tal presunção é pecaminosa). Em outros termos ainda: expor-se sem motivo ao mal viria a ser o mesmo que aceitar o risco de cometer o mal; e aceitar o risco do mal já seria, de certo modo, aceitar o próprio mal.

 

3. Os ditames da Igreja

 

3.1. São os princípios até aqui explanados que inspiram a posição da Igreja em relação à leitura de livros. Ela sustenta, sem dúvida, que não é licito a qualquer homem ler qualquer livro; a Santa Igreja, porém, frisa bem que tal restrição, antes de ser imposta por alguma lei eclesiástica, já é ditada pela própria lei natural. Sim, se a palavra é o alimento da alma, a palavra do erro ou da maldade é alimento venenoso para a alma; ora, assim como no plano corpóreo a lei natural, anteriormente a qualquer norma do médico, veda ao indivíduo tomar veneno conscientemente, assim também no plano espiritual a lei natural proíbe a comunhão com a palavra venenosa ou com a má leitura. E ninguém, ao ingerir veneno, alegue ter saúde bastante forte para se imunizar contra todo e qualquer efeito do tóxico... A alegação seria tida como temerária e inconsistente.

 

Por conseguinte, na matéria de que vimos tratando, a função da Santa Igreja consiste em lembrar a injunção da natureza e em explicitá-la, a fim de garantir os frutos da mesma. A Igreja é Mãe a quem o Senhor confiou a palavra da Vida ou o depósito da Verdade para ser transmitido aos homens. Consciente disto, a Esposa de Cristo julgou, e julga sabiamente, ser sua missão ir indicando e vedando aos seus filhos no decorrer dos séculos os livros nocivos à vida da alma; não há pai nem mãe que não detenham seus filhos de brincar com o fogo ou de manusear uma arma perigosa. Como se compreende, as leis da Igreja, neste setor, têm que ser universais, abrangendo os fiéis de toda e qualquer camada social; vão seria legislar apenas para os fiéis que «não tenham maturidade de pensamento ou formação sólida», pois a fraqueza humana é inerente aos próprios santos e doutos até o fim desta vida.

 

3.2. Os. livros explicitamente proibidos pelo Direito Eclesiástico se acham mencionados em um catálogo próprio dito «índice». Além desses, há livros proscritos por cláusulas gerais do Código de Direito Canônico, independentemente de qualquer declaração da autoridade eclesiástica (cf. cân. 1399) ; tais outros livros já foram especificados em «P.R.» 6/1957, qu. 10.

 

Quanto ao critério seguro para se afirmar que um livro é proibido pela própria lei natural, os moralistas ensinam o seguinte: desde que alguém verifique que um livro, pelas idéias que propaga, pelos sentimentos que sugere ou pela impressão geral que deixa na alma, constitui incitação ao pecado e ameaça ao equilíbrio interior, a consciência já o proíbe; há então obrigação de suspender a respectiva leitura. Está claro que todo livro obsceno ou lascivo por sua natureza é de antemão vedado a qualquer leitor.

 

Sem dúvida, a Santa Igreja, ao explicitar o direito natural referente à leitura de livros, não quer de modo algum entravar o progresso da ciência. Por isto os fiéis que realmente necessitam de ler obras errôneas para poderem propugnar a verdade ou o bem com maior conhecimento de causa, estão habilitados a fazer nesse sentido um requerimento à autoridade eclesiástica, a qual lhes concederá tudo que for oportuno (para encaminhar devidamente tal petição, é conveniente que se dirijam ao respectivo pároco ou confessor).

 

3.3. Uma reflexão serena sobre o assunto ainda contribuirá para evidenciar quão sábia é a insistência da Santa Igreja em legislar sobre as leituras de seus filhos...

 

Os filósofos nos lembram que a vida presente é breve e que só no fim da vida a maioria dos homens descobre coisas que lhes teriam sido úteis já em sua juventude, coisas entre as quais certamente se deve enumerar o método de estudo e trabalho... Sendo assim, vê-se que, para evitar desperdiço de tempo e energia, convém a todo indivíduo recorrer a um magistério ou a uma autoridade que o preserve de dar passos inúteis e tentar caminhos vãos na pesquisa da verdade e do bem.

 

Ora tal magistério é, por excelência, o da Santa Igreja, a quem Cristo confiou o depósito da Verdade e da Vida. Requer-se, portanto, de todo cristão, seja humilde e aceite a sua condição de discípulo; fazendo isto, aproveitará melhor os breves dias desta peregrinação terrestre e mais certeiramente atingirá o seu ideal. São estas as idéias que nos sugere uma bela passagem de Jean Guitton no seu livro «Apprendre à vivre et à penser» (pág. 11):

 

«Entre os aforismos de Nietzsche, seria preciso gravar com caracteres de fogo... o seguinte: ‘As verdades mais preciosas são aquelas que por último descobrimos; as verdades mais preciosas, porém, são os métodos’. Muitas vezes interroguei os homens e as mulheres que eu via serem metódicos, isto é, que me pareciam obter belos resultados com esforços limitados. Na maioria dos casos, eram pessoas que haviam sido, em certa fase de sua vida, detidas pela doença ou por uma sensação persistente de esgotamento e de cansaço, ou ainda que estavam sobrecarregadas de tarefas e haviam sido obrigadas a avaliar o preço do tempo. Chama a atenção o fato de que aqueles que nunca foram doentes e gozam de saúde quase excessiva, não são metódicos e perdem seu tempo, bem insubstituível. Lembro-me de Darwin, que escreveu e descobriu tanta coisa e que só podia trabalhar duas horas na parte da manhã; depois de haver ditado durante dez minutos, dizia ele a seu filho : 'Basta'. É bom, seja breve o tempo que nos é deixado para produzirmos; é bom, seja ele tão precioso quanto essa existência sublime e tão precária que só nos é dada uma vez».

 

Consciente destas verdades, o cristão compreenderá melhor que não interessa ler toda e qualquer obra que lhe caia em mãos (para satisfazer à curiosidade ou para afirmar uma liberdade vã), mas interessa ler com método... com o método comprovado pela experiência dos séculos no seio da Santa Igreja !

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 2
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL
#0•A2584•C238   2013-02-12 13:20:37 - Convidado/[email protected]
Ninguém é obrigado a ser católico ou protestante ou islamita ou taoista ou lá que religião queira professar. Se a Igreja proibe o livro, proibe aos católicos. Se V. não quer ser católico, que não seja e leia o que quiser, quando quiser, seja no século que desejar. A mentalidade de qualquer século jamais irá desviar o cristianismo daquilo para o qual foi criado por Cristo. Não concorda? Azar o seu, pois o catolicismo está aí a vinte séculos, todos com as suas mentalidades e provavelmente irá durar mais outros vinte séculos com outras mentalidades, se Deus ou Cristo assim desejar.

Responder

#0•A2584•C231   2013-02-06 10:44:18 - Convidado/Leonardo
Sinto-me confortável em seguir os preceitos da Igreja. Como Teólogo, católico, sinto o dever de lembrar aqueles que não seguem ou questionam os ensinamentos da Santa Igreja. Jesus disse: "O que ligardes na terra será ligado no céu". Apenas isso basta, não convém a ninguém julgar-se maduro a fim de escolher seus próprios caminhos. A experiência bi milenar deve servir pra alguma coisa, não é ? Quão fácil é acreditar em doutrinas seculares e quão impossível é seguir o Evangelho ...

Responder

#1•R231•C234   2013-02-10 21:05:18 - Convidado/[email protected]
Confortável e saudável é um bem enorme seguir os preceitos da Santa Igreja Católica.

Responder


Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7966669)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.65
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.33
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.80
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.17
Diversos  Prática Cristã  4123 Sete coisas que eu aprendi com a pornografia10.89
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.61
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.28
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.96
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo9.41
Vídeos  Prática Cristã  4127 Como controlar a irritação?9.07
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja9.07
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.46
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia8.43
Diversos  Espiritualidade  4126 Evitar a mente perturbada8.26
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.07
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.94
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma7.79
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica7.72
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós7.71
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.63
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns7.58
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.42
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.13
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.08
A maior prova da instituição divina da Igreja é ela ter sobrevivido, e sobreviver, aos seus hierarcas.
Carlos Ramalhete

Católicos Online