Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Aulas: Sacerdócio - Qual é a origem do celibato sacerdotal? - por Padre Paulo Ricardo

Qual é a origem do celibato sacerdotal?

O celibato sacerdotal é uma disciplina que a Igreja segue desde a sua origem, ou seja, desde a época apostólica. Portanto, não é verdade que tenha se iniciado com o Concílio de Trento ou que seja uma invenção medieval do Concílio de Latrão.

A obra mais indicada para o estudo dessa disciplina da Igreja é o livro "Les origines apostoliques du célibat sacerdotal", do Padre Chistian Cochini, jesuíta francês que estudou profundamente o tema. O grande teólogo e Cardeal Henri de Lubac, renomado estudioso da patrologia afirmou sobre a obra de Cochini que ela é de importância fundamental por ter sido baseada em pesquisas notáveis, longas e metódicas e que na literatura atual sobre o tema nada se pode comparar a ela, nem mesmo de longe. Trata-se de uma obra revolucionária, profunda e inigualável que dificilmente será superada.

Para o Pe. Cochini existe uma diferença entre o celibato sacerdotal e a ordenação de homens solteiros. A Igreja sempre exigiu o celibato de seus clérigos, mas também sempre ordenou homens casados. Isso parece ser uma contradição, mas não é. A partir da ordenação sacerdotal, os homens casados e escolhidos pela Igreja para serem sacerdotes deixavam o uso do matrimônio e passavam a viver em continência. Esta prática foi fartamente confirmada pela documentação reunida pelo Padre Cochini. Apenas como exemplo, pode ser citado o decreto publicado no Sínodo de Elvira, em 25 de outubro de 304:

"Cânon 33: Ficou plenamente decidido impor aos bispos, aos presbíteros e aos diáconos, como a todos os clérigos no exercício do ministério, a seguinte proibição: que se abstenham das suas esposas e não gerem filhos; quem, porém, o fizer deve ser afastado do estado clerical." (DH 117) Interessante também é a Carta "Directa ad decessorem", de Sirício ao bispo Himério de Tarragona, em 10 de fevereiro de 385:

"...Chegou ao nosso conhecimento que muitos sacerdotes de Cristo e levitas, onho tempo depois de sua consagração, geraram prole, quer do próprio matrimônio como também do coito torpe, e se defendem das incriminações com a desculpa de que no Antigo Testamento se lê que aos sacerdotes e aos ministros é concedida a faculdade de gerar.

A essa argumentação o Papa opõe: Por qual motivo se mandava aos sacerdotes no ano do seu ministério que habitassem no templo, longe até de casa? Sem dúvida para que não pudessem ter encontros carnais nem mesmo com as esposas, para oferecer a Deus um dom agradável no esplendor da integridade da consciência.

Por isso também o Senhor Jesus, tendo-nos iluminado com a sua vinda, afirma, no Evangelho, ter vindo para completar a Lei e não para a abolir. Por isso quis que a figura da Igreja, da qual é o Esposo, emane o esplendor da castidade, para que no dia do juízo, quando virá de novo, a pessoa encontrar ‘sem mancha nem ruga’... Todos, os sacerdotes e levitas, estamos ligados pela lei indissolúvel destas disposições, para que, desde dia de nossa ordenação, entreguemos tantos nossos corações como nossos corpos à sobriedade e à pureza, para agradar ao Senhor nosso Deus nos sacrifícios que diariamente oferecemos." (DH 185)

Assim, o que se vê é que a Igreja, desde os seus primórdios, adotou o celibato para os seus sacerdotes. O Catecismo da Igreja Católica explica que: "Todos os ministros ordenados da Igreja latina, com exceção dos diáconos permanentes, normalmente são escolhidos entre os homens fiéis que vivem como celibatários e querem guardar o celibato ‘por causa do Reino dos Céus’. Chamados a consagrar-se com indiviso coração ao Senhor a ‘cuidar das coisas do Senhor’, entregam-se inteiramente a Deus e aos homens. O celibato é um sinal da nova vida da qual o ministro da Igreja é consagrado; aceito com coração alegre, ele anuncia de modo radiante o Reino de Deus. (...) No Oriente como no Ocidente, aquele que recebeu o sacramento da Ordem não pode mais casar-se." (1579-1580)

O livro "Celibato Eclesiástico: História e Fundamentos Teológicos", escrito pelo Cardeal Alfons M. Stickler é uma excelente obra sobre o tema, na qual o seu autor apresenta a fundamentação do celibato sacerdotal com sua origem apostólica sob os pontos de vista canonístico e teológico. De forma clara, ele fundamenta a realidade teológica da disciplina do celibato como algo que está vinculado à própria identidade do sacerdote.

Para ele, é a atual crise de identidade sacerdotal que tem como consequência a crise no celibato e não o contrário. Infelizmente, os detratores do celibato creem que a crise sacerdotal se resolverá com a liberação da disciplina do celibato, mas isto não é verdade.

O Padre Thomas Mcgovern, em seu estudo "Priestly Celibacy Today", afirma que no período de 1964 até 1992, deixaram o ministério sacerdotal 54.432 padres, o que corresponde a duas vezes e meia o número de sacerdotes do Brasil hoje ou 13% dos padres do mundo. Para ele, esse número se explica pela crise de identidade sacerdotal pois, antes, o sacerdote era compreendido como um homem que oferecia o sacrifício oferecendo-se também em sacrifício. Porém, quando passou a ser visto como um funcionário da Igreja, uma espécie de professor, de assessor, de facilitador, um sujeito que ensina o caminho para uma engenharia social e a transformação da realidade, o celibato perdeu o sentido, pois não exige o sacrifício. É isto que o sacerdote representa na visão dos teólogos modernos.

O celibato sacerdotal não é exigido pela natureza do sacerdócio, ou seja, a pessoa pode ser sacerdote e não ser celibatário, no entanto, duas realidades devem ser levadas em conta:

1) historicamente, sacerdócio e celibato sempre andaram juntos, desde o tempo dos apóstolos;

2) teologicamente, a concepção de padre enquanto homem do sagrado que se oferece e sacrifício e celibato, complementam-se. E é a consciência da Igreja desde sempre.

Os teólogos liberais trabalham para dissociar o sacerdócio católico do celibato dizendo que o sacerdócio católico é diferente no Novo Testamento e que ele nada tem a ver com o do Antigo Testamento, pois agora o padre é apenas um ministro da palavra. Essa é uma visão protestante e herética (marcionita, pois quer evitar qualquer ligação com o AT). No entanto, o Antigo Testamento sempre iluminou a realidade do sacerdote católico. Na carta aos Hebreus, Jesus é apresentado como o Sumo e Eterno Sacerdote, que realizou as profecias contidas e todas as prescrições sacerdotais do Antigo Testamento e as realizou até a plenitude, oferecendo-se a si mesmo em sacrifício.

Quando Jesus escolhe os seus apóstolos e pede que deixem casa, campo, pai, mãe, mulher e filhos por amor ao Reino dos Céus, Ele está imprimindo no coração, na identidade do ministro da Igreja não somente a missão de pregar a palavra, mas um estilo de vida. Ainda hoje a Igreja pede que os seus sacerdotes deixem tudo porque, ao fazê-lo, estarão se sacrificando e o sacrifício é a primeira pregação que o sacerdote - Homem da Palavra - deve realizar.

Referência: http://www.presbiteros.com.br/site/celibato-eclesiastico-historia-fundamentos-teologicos/

Padre Paulo Ricardo
Fonte: site Christo Nihil Praeponere

Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL
#0•A2528•C213   2013-01-14 19:06:55 - Convidado/[email protected]
O celibato sacerdotal é uma disciplina que a Igreja segue desde a sua origem, ou seja, desde a época apostólica. Portanto, não é verdade que tenha se iniciado com o Concílio de Trento ou que seja uma invenção medieval do Concílio de Latrão.
o texto acima, do padre Ricardo já começa com uma mentira, e isso já inviabiliza a leitura do restante, pois fica notável a incredibilidade nele.
Os apóstolos não praticaram celibato algum, e Paulo, se o fez, reconheceu que os bispos só não deveriam se casar com duas mulheres. Paulo também assevera que se o bispo não se casar não terá condição de......

Ler mais...  -  Responder
#1•R213•C214   2013-01-15 11:21:17 - Convidado/Claudio Maria
O vídeo do Pe. Paulo Ricardo respondeu exatamente a essas acusações.
E o "irmão" só faz repeti-las...
Ou seja, aposto como o "irmão" nem assistiu o vídeo. Só leu o cabeçalho, viu do que se tratava e saiu vomitando as mentiras de sempre para acusar, acusar, acusar.
Que horror.
Leu os livros mencionados pra ter direito a essa soberba acusatória?
Óbvio que não.
Qual a sua qualificação para acusar de mentirosas tantas pessoas de bem, estudiosos sérios?
Nenhuma.

Há evangélicos que são tudo, menos cristãos. Só querem acusar e confundem repetidamente peca......

Ler mais...  -  Responder
#2•R214•C216   2013-01-15 16:53:31 - Convidado/[email protected]
Claudio Maria,quanto à Reforma que vc mencionou, não se reforma nada que está funcionando a mil maravilhas. A Reforma se deu para que os descontentes com a altíssima corrupção do clero católico por inteiro, principalmente do Papa, o chefe da Inquisição da morte pudessem se livrar do domínio mundano dos papas reis. Se a Igreja tivesse permanecida pura como a de Antioquia,a do perdão, do amor, da pobreza verdadeira, do amor atá aos inimigos, principalmente da misericórdia, como ocorreu por 313 anos antes de Constantino) NÃO TERIA HAVIDO SEPARAÇÃO ALGUMA, mas como o papado romano fez tudo ao cont......

Ler mais...  -  Responder
#3•R216•C217   2013-01-16 09:38:25 - 14/Claudio Maria
E continua tudo igual. Só sabe acusar, acusar, xingar ...
Acho que o administrador deste site deveria remover esse tipo de acusação arbitrária, pois ofende e insulta a inteligência das pessoas.

A incoerência é gritante: os protestantes/evangélicos refutam uma fé que desconhecem. Não conhecem os dois lados da moeda, só um e preferem, QUEREM, acusar, acusar, acusar... para justificar a si mesmos e sua FALTA DE FÉ. Quem tem realmente FÉ em Nosso Senhor Jesus Cristo crê na sua promessa de que as portas do inferno não prevalecerão contra sua Igreja (S. Mateus). O resto é xilique de ......

Ler mais...  -  Responder
#4•R217•C218   2013-01-19 06:13:33 - Convidado/waldemar
Não precisa nem discutir com quem adora uma Bíblia mas só decorou Êxodo 20 e outros poucos capítulos sobre idolatria.
Nós percebemos que ele não continuou vendo o vídeo ou ia aprender que:
O celibato está na igreja desde os tempos dos apóstolos
O próprio Cristo em Mt 19, 12 exalta o celibato:"Pois há homens incapazes para o casamento porque assim nasceram do ventre da mãe; há outros que assim foram feitos pelos homens, e há aqueles que assim se fizeram por amor do reino dos céus. Quem puder entender, que entenda".
Quem puder entender, entenda...!
Mas Cristo continua: "......

Ler mais...  -  Responder
#2•R214•C215   2013-01-15 16:36:52 - Convidado/[email protected]
o padre já começa com uma grossa mentira que só engana trouxas, por isso não há como ver um vídeo que só engrossa sua mentira deslavada.

Ele trocou as bolas, pois o celibato não veio dos apóstolos, mas dos papas reis que dois séculos depois se dariam licença para matar, para torturar e para saquear os bens dos acusados.
Depois do século X, quando o papa Gregório inventou o celibato, os padres, bispos e cardeais não deixaram de viver com mulheres, mas como os filhos que nasciam dessas uniões eram considerados bastardos (nomeação católica) não podiam participar de heranças da Igr......

Ler mais...  -  Responder

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7076416)/DIA
Diversos  Mundo Atual  4037 Nossa Senhora e Buda no mesmo altar?134.25
Diversos  Igreja  4035 O plano maçônico para destruição da Igreja130.71
Diversos  Apologética  4036 O batismo de crianças na Igreja75.96
Diversos  Igreja  4032 Onde estava a Igreja de Cristo antes de Lutero?55.85
Diversos  História  4034 Jesus não existiu, foi casado e teve filhos?27.59
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?27.02
Pregações  Doutrina  4033 Facebook e castidade, a armadilha24.97
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma17.95
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo14.53
Diversos  Protestantismo  4025 Lutero e o orgulho de se salvar sozinho14.42
Diversos  Apologética  4030 Base bíblica para o culto aos santos13.94
Vídeos  Mundo Atual  4015 O Caos instalado no Brasil13.68
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação13.64
Diversos  Apologética  4019 Reforma não, revolução!13.05
Diversos  O Que É?  4031 Religião e Ideologia12.73
Diversos  Doutrina  4026 Nulidade Matrimonial12.70
Diversos  Protestantismo  4018 Morreu crendo que a oração o salvaria11.99
Diversos  Testemunhos  4020 Eu não rezava!11.62
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.53
Diversos  Apologética  4029 Requisitos necessários à salvação11.40
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.08
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista11.06
Diversos  O Que É?  4024 Halloween10.71
Diversos  Ética e Moral  3999 O silêncio da CNBB9.79
Eu desejaria ser triturado como o trigo para Vos ser oferecido como hóstia pura!
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online