Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PAULO VI: ANO DA FÉ E O CREDO

 

O Papa Paulo VI e a proclamação do Ano da Fé, em 1967, por ocasião dos 1900 anos do martírio de São Pedro e São Paulo em Roma. Um ano decisivo que se concluirá com o Credo do Povo de Deus para “testemunhar a nossa vontade inquebrantável de fidelidade ao Depósito da Fé”. “Não podemos minimamente ignorar que os nossos tempos requerem isso com força”.

 

Paulo VI olhou para a Igreja, que, como testemunha a sua primeira encíclica, sabia bem que era de um Outro, isto é, de Cristo (Ecclesiam suam), olhou através de todas as boas intuições, as ingênuas esperas, as ilusões e as conversas que naqueles anos a tinham transtornado, e viu. Viu o fim do cristianismo. Não das estruturas, das reuniões, do Vaticano, dos planos pastorais, dos encontros de multidões, que poderiam continuar como coreografias para uso de quem procura papéis eclesiásticos e consolações religiosas com as quais preencher a vida (e talvez fazer em cima disso até carreira). O que ele via apagar-se era a fé. O nosso tempo como um longo sábado santo, como o tempo da ausência de Deus, quando também os últimos discípulos preparam-se tristes e com o coração apagado, para voltar, cada um para sua casa.

 

Paulo VI viu tudo isso e, na tragédia em que a Igreja estava, voltou a recordar-lhe e a repetir-lhe quais eram os seus únicos tesouros: a fé dos apóstolos, guardada pela Tradição (Credo do Povo de Deus), e os pobres, os povos da fome (Populorum progressio) chamados por primeiro para gozar da graça da fé. Repetir as coisas de sempre, um Papa não pode e não deve fazer outra coisa.

 

Era o dia 22 de fevereiro de 1967, quando Papa Montini, com a exortação apostólica Petrum et Paulum apóstolos, determinou um ano jubilar particular: o Ano da Fé. Mil e novecentos anos antes, os dois apóstolos Pedro e Paulo tinham sido martirizados em Roma. No final do ano da fé, Paulo VI, pronunciou na Praça São Pedro uma solene profissão de fé, o Credo do Povo de Deus, onde pretendia “testemunhar a nossa vontade inquebrantável de fidelidade ao Depósito da Fé”.

 

No dia 11 de julho de 1966, falando a um grupo de teólogos e cientistas reunidos para atualizar a modalidade de apresentação do dogma do pecado original, Paulo VI os adverte sobre a aquiescência a formulações do pecado original que sejam subordinadas à teoria do evolucionismo. Mas é na audiência geral de 30 de novembro daquele ano que Paulo VI descrevendo, “o triste fenômeno que perturba a renovação conciliar e desconcerta o diálogo ecumênico”, esclarece detalhadamente quais sejam as coisas essenciais do cristianismo que se tenta esvaziar: “A ressurreição de Cristo, a realidade da sua verdadeira presença na eucaristia e também a virgindade de Nossa Senhora, e conseqüentemente o mistério augusto da encarnação”. Em outubro de 1966 foi publicado o novo Catecismo holandês, determinado pelo episcopado da Holanda, o protótipo daqueles catecismos pós-conciliares que pensam tornar o cristianismo interessante para o homem moderno substituindo as tradicionais fórmulas de fé por discursos complicados e, em algumas partes, ambíguos e lacônicos. No dia 7 de abril do ano seguinte, falando à assembléia dos bispos italianos, Paulo VI reafirma qual seja a prioridade: “A primeira questão, questão capital, é a da fé, que nós bispos devemos considerar na sua iminente gravidade. Algo muito estranho e doloroso está acontecendo... mesmo entre os que conhecem e estudam a palavra de Deus: falta a certeza na verdade objetiva e na capacidade do pensamento humano de alcançá-la; altera-se o sentido da fé única e genuína; admitem-se as agressões mais radicais às verdades sacrossantas de nossa doutrina, desde sempre acreditadas e professadas pelo povo...”.

 

A fé, disse Paulo VI, É “a adesão do espírito, intelecto e vontade a uma verdade” que se justifica “pela autoridade transcendente de um testemunho ao qual não apenas é razoável aderir, mas intimamente lógico, por uma estranha e vital força persuasiva, que torna o ato de fé extremamente pessoal e satisfatório”. Portanto, a fé é “uma virtude que tem as suas raízes na psicologia humana, mas que recebe a sua validade de uma ação misteriosa, sobrenatural, do Espírito Santo, da graça penetrada em nós, em via normal, pelo batismo”. É “aquela capacidade espiritual que nos faz acolher, como correspondentes à realidade, as verdades que a palavra de Deus nos revelou. Portanto a fé é um ato que se fundamenta no crédito que nós damos a Deus vivo”.

 

A inauguração oficial do Ano da Fé foi celebrada solenemente no adro da Basílica vaticana na noite de 29 de junho de 1967, festa dos santos Pedro e Paulo. Na homilia, o Santo Padre reafirma que “o Concílio Ecumênico, recém-celebrado, exortou-nos para que voltássemos às fontes da Igreja e a reconhecer na fé o seu princípio constitutivo, a condição primeira de cada seu incremento, a base da sua segurança interior e a força da sua exterior vitalidade”.

 

CRÍTICAS E SANTIDADE

 

Para teólogos e intelectuais trata-se de “atos pietistas”. No início do Ano da Fé, o teólogo holandês Edward Schillebeeckx comentando a iniciativa de Paulo VI, afirma que a crise atravessada pela fé cristã é “uma crise de crescimento”. O seu colega alemão Karl Rahner ironiza a própria possibilidade de ter depois de “um ano da geofísica o ano da fé” e conclui: “Tudo depende de uma reflexão profunda para tornar esta concepção (a cristã) acreditável aos espíritos contemporâneos”.

 

O patriarca de Veneza, Albino Luciani na sua homilia pronunciada dia 18 de setembro de 1977 no Congresso Eucarístico Nacional italiano de Pescara é uma apaixonada a escolha de campo, uma explícita declaração de comunhão para com o grande Papa de tempos tão difíceis: “O Pedro que ouvimos no Evangelho vive hoje na pessoa de Paulo VI seu sucessor. Mas há dois Paulo VI: aquele que vimos ontem à noite aqui em Pescara, que se vê e se ouve nas audiências gerais e privadas e aquele que descrevem, a seu modo, inventando e distorcendo, certos livros e jornais. Verdadeiro, autêntico é somente o primeiro: um grande papa, ao qual coube desenvolver a importante missão em tempos difíceis...”.

 

Em 07/12/1975, Paulo VI recebia em Roma a delegação da Igreja Oriental, para comemorarem juntos o décimo aniversário da retirada das excomunhões. O Papa beijou os pés do patriarca Meliton da Calcedônia, que chefiava a delegação. E um jornalista de Atenas, muito impressionado, disse: “Só um grande homem pode humilhar-se assim”! Ao que acrescentou o patriarca: “Só um santo, só um santo pode agir desta maneira”! Papa Paulo VI, “grande santo”.

 

Escreve o Papa Bento XVI: “Não foi sem razão que, nos primeiros séculos, os cristãos eram obrigados a aprender de memória o Credo. É que este servia-lhes de oração diária, para não esquecerem o compromisso assumido com o Batismo. Recorda-o, com palavras densas de significado, Santo Agostinho quando afirma numa homilia sobre a redditio symboli (a entrega do Credo): O símbolo do santo mistério, que recebestes todos juntos e que hoje proferistes um a um, reúne as palavras sobre as quais está edificada com solidez a fé da Igreja, nossa Mãe, apoiada no alicerce seguro que é Cristo Senhor. E vós o recebestes e o proferistes, mas deveis tê-lo sempre presente na mente e no coração, deveis repeti-lo nos vossos leitos, pensar nele nas praças e não o esquecer durante as refeições; e, mesmo quando o corpo dorme, o vosso coração continue de vigília por ele. [Santo Agostinho, Sermão 215,1] (Porta Fidei, nº 9)”.

 

“Ainda hoje temos necessidade que o Credo seja melhor conhecido, compreendido e pregado”, exorta o amado Papa Bento XVI.

 

O nosso Pastor Universal Bento XVI nos convida ainda a refletir sobre o ato de acreditarmos e o de assumir o compromisso que devemos. Uma vez que existe uma unidade profunda entre o ato de crer e os conteúdos a que damos o nosso assentimento: “Acredita-se com o coração e, com a boca, faz-se a profissão de fé” (Rm 10, 10). Sem esquecer que embora sendo um ato de liberdade, a fé exige também assumir uma responsabilidade social daquilo que se acredita. Sendo a fé um dom de Deus (Ef 2,8) e um ato da inteligência humana, ela é o nosso grande tesouro do amor ao Senhor Deus, ao próximo e a posse da nossa eternidade.

 

Pe. Inácio José do Vale

Professor de História da Igreja - Instituto Teológico Bento XVI - Sociólogo em Ciência da Religião

E-mail: [email protected]

 

Fontes:

30 Dias, nº 9, 1997, pp. 51 e 52.

Porta Fidei, São Paulo. Paulinas, 2012, pp. 12 e 13.

L’osservatore Romano, 20/10/10012, p. 3.

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8919017)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.21
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.18
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.70
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.89
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.36
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado11.04
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.94
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
Diversos  Documentos  4161 Dos escritos de Charles de Foucauld7.78
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.45
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.24
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.11
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.07
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
O dia em que Maria for uma mulher qualquer, então todas as mulheres estarão gerando Deus no seu ventre, no seu seio!
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online