Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 011 — Novembro de 1958

 

Que é o Privilégio Paulino?

Estudante (Rio de Janeiro): “Em que consiste o chamado 'privilégio paulino' evocado na separação de alguns casais?

 

1. Na sua 1ª epístola aos Coríntios 7,12-16, São Paulo considera o caso de dois pagãos unidos matrimonialmente, dos quais um se converte à fé cristã e recebe o batismo; diz então o Apóstolo que, se a comparte pagã daí por diante já não aceita viver pacificamente no lar, o fiel batizado tem o direito de considerar dissolvido o seu matrimônio.

 

«Se algum irmão(=cristão) tem uma esposa que não possuí a (esposa pagã) e esta consinta em habitar com ele, não a repudie. E, se uma esposa tem marido que não possui a fé, e este consinta em habitar com ela, não abandone o seu marido... Se, porém, o que não tem fé se afasta, afaste-se; o irmão ou a irmã (cristãos) não estarão sujeitos à servidão em tal caso; Deus nos chamou para a paz» (1 Cor 7,12s. 15).

 

Estes dizeres permitem a ruptura do vínculo com a consequente possibilidade de se contrair novo casamento, como se deduz do contexto: nos versículos precedentes (10-11), o Apóstolo, falando da separação do esposos cristãos, manda que a mulher separada não se case de novo. Nos vv. 12-15, porem, São Paulo, admitindo a separação, não acrescenta restrição alguma; não entende, pois, proibir novo matrimônio, como o proibiu no caso anterior. Esta interpretação é confirmada pelas palavras seguintes: «Em tal caso, o irmão ou a irmã não estarão sujeitos à servidão»; o que quer dizer:... não estarão sujeitos ao vinculo matrimonial que os prendia a um consorte pagão disseminador de discórdia e perigo para a fé no lar.

 

Esta determinação de São Paulo deu inicio a uma praxe constante na Igreja, praxe que apenas de meados do séc. XVII até a Revolução Francesa (1789) foi controvertida por escritores franceses e alemães, imbuídos de jansenismo. Ainda hoje a norma do Apóstolo se aplica não somente em territórios de missão, mas até nos grandes centros urbanos da Europa e da América, onde infelizmente não são raras as pessoas que, sem ter sido batizadas, se casam no foro meramente civil. Cf. Código de Direito Canônico, cân. 1120-1127.

 

2. E como se justifica esse «privilégio paulino»?

 

Há de ser entendido à luz dos seguintes princípios:

Para que um matrimônio se tome indissolúvel, duas condições devem ser preenchidas:

a) sejam os cônjuges validamente batizados (o que se pode dar ou no Catolicismo ou em alguma denominação protestante que confira validamente o batismo);

b) haja consumação carnal do contrato matrimonial.

 

Considerando agora o matrimônio entre pagãos, verifica-se que não satisfaz à primeira dessas condições. Não é sacramento; por conseguinte, pode ser dissolvido em vista de um bem maior. Ora tal bem maior é certamente a conservação da fé numa das compartes que venha a receber o batismo; dado, pois, que está entre em perigo o próprio direito natural, confirmado pela legislação positiva cristã, confere ao neófito o direito, e às vezes o dever, de se separar para que não se arrisque a perder o dom da fé.

 

Naturalmente, a fim de que se possa reconhecer este direito ao consorte convertido, requer-se haja, da parte do cônjuge pagão , indisposição ou animosidade que torne difícil ou impossível a harmoniosa convivência de ambos; segundo o vocabulário paulino, dir-se-ia: requer-se que o não batizado se afaste, física ou ao menos moralmente. Moralmente, isto é, causando rixas em casa ou procurando seduzir o cônjuge batizado para a apostasia, o adultério, a educação pagã da prole ou ainda negando a liberdade religiosa à comparte, desejando viver em poligamia, etc. O direito não será reconhecido ao cônjuge batizado desde que o consorte pagão se decida a receber, também ele, o sacramento do batismo ou a aceitar ao menos uma coabitação pacífica no lar.

 

Para se verificar quais os propósitos da comparte pagã, manda o Direito Canônico seja esta formalmente interrogada a tal respeito. O interrogatório explicito é necessário para a validade da dissolução do vinculo, mesmo que já se saiba que o cônjuge não batizado não se quer converter nem deseja conviver pacificamente com o católico. Sendo o matrimônio, segundo a legislação eclesiástica, um ato público, faz-se mister que tudo que lhe diz respeito seja devidamente atestado e comprovado perante as autoridades competentes. Se não se conseguir demonstrar plenamente que a parte não batizada se afastou (nos termos acima expostos), a Igreja não poderá considerar dissolvido o matrimônio em questão.

 

Contudo acontece por vezes que não é exequível o mencionado interrogatório ou por se ignorar onde está o consorte pagão ou por se temerem penosas consequências da interpelação; em tais casos a autoridade eclesiástica dispensa da sindicância e reconhece a dissolução do vínculo, desde que não haja dúvida sobre as intenções do não batizado. É propriamente no ato em que a parte batizada contrai novo matrimônio que se dá a ruptura do vinculo anterior (cân. 1126).

 

Nota ainda o Código que o privilégio paulino evidentemente não se aplica ao caso de um católico que se case com pessoa não batizada, após haver obtido para isto a devida dispensa eclesiástica (cf. cân. 1120 § 2), Caso tal pessoa se faça batizar, não pode pleitear dissolução do vínculo por privilégio paulino, ainda que a sua situação conjugal se lhe torne muito penosa.

 

A título de complemento, seja acrescentada a seguinte observação: o fato de que o matrimônio só é indissolúvel quando preenchidas as duas condições clássicas (batismo válido dos consortes e consumação carnal) explica que a Igreja tenha reconhecido a dissolução de casamento contraído por uma pessoa batizada fora do Catolicismo (ou seja, no protestantismo) com uma comparte não batizada. Tendo-se um dos dois consortes convertido à verdadeira religião, a autoridade eclesiástica, em vista do bem da fé e em circunstancias excepcionais, reconheceu a ruptura do vínculo anteriormente contraído. É o que atestam duas decisões relativamente recentes do Sto. Ofício (10 de julho e 5 de novembro de 1924).

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9852887)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?87.67
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns28.14
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.04
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.61
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.07
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.70
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.48
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.64
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes10.05
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.00
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.67
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.40
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.21
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.83
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.61
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.46
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.87
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.69
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.51
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha6.47
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.45
O verdadeiro discípulo não serve a si próprio ou ao público, mas sim, serve ao seu Senhor.
Papa Bento XVI

Católicos Online