Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 011 — Novembro de 1958

 

A Igreja Proibiu a Leitura da Bíblia?

SAGRADA ESCRITURA

SÍLVIO (Rio de Janeiro) : «A Igreja terá alguma vez proibido a leitura da Bíblia?»

 

1) A Igreja sempre estimou a Sagrada Escritura, juntamente com a Tradição divino-apostólica, como fonte de fé. Ela atribui à Bíblia o valor de um sacramental, isto é, de objeto apto a comunicar a graça a quem o use com fé e devoção. Um dos sinais mais evidentes dessa estima é o fato de que a leitura pública da Bíblia sempre foi associada à celebração do Sacramento por excelência, ou seja, da S. Eucaristia; a comunhão com o pão da Palavra de Deus nas Escrituras deve preparar as almas para a comunhão com o Pão da Vida na Missa. Testemunho muito vivo dessa concepção é dado pela «Imitação de Cristo», «o único livro religioso que (fora a Bíblia) seja comum a católicos e protestantes», como se exprime o autor protestante C. Hilty, em «Lesen und Reden». Leipzig 1899, pág. 45, Eis, com efeito, o que lemos no citado opúsculo, l. IV c. 11, n. 4:

 

«Sinto que nesta vida me são absolutamente necessárias duas coisas, sem as quais se me tornaria insuportável esta mísera existência ...

A mim, enfermo, deste o teu corpo sagrado para a restauração da mente e do corpo; e concedeste a tua palavra como lanterna para os meus passos.

Sem essas duas coisas não poderia viver retamente, pois a Palavra de Deus é a luz de minha alma, e o teu sacramento é o Pão da Vida».

 

2) Aconteceu, porém, que circunstâncias contingentes da história levaram algumas vezes as autoridades eclesiásticas a exercer vigilância sobre o uso das Escrituras. Tais foram na Idade Média:

a) a heresia dos Cátaros ou Albigenses, que, abusando dos livros sagrados, induziu os Padres dos concílios regionais de Tolosa (1229) e Tarragona (1234) a vedar provisòriamente aos cristãos leigos a leitura da Bíblia;

b) os erros de J. Wicleff, em vista dos quais o sino do regional de Oxford (1408) proscreveu as edições da S. Escritura que não tivessem aprovação eclesiástica (os hereges facilmente deturpavam o texto sagrado).

 

Estas medidas, contingentes como eram, não visavam impedir a propagação habitual do código sagrado. Para só falarmos da Alemanha, lembremos que o primeiro grande livro impresso por Gutenberg foi a Bíblia em dois volumes (1453-1456). Até 1477 saíram do prelo cinco edições da Escritura em alemão; de 1477 a 1522, vieram a lume nove edições novas (sete em Augsburgo, uma em Nürenberg e uma em Estrasburgo); de 1470 a 1520 apareceram cem edições de «Plenários», isto é, livros que continham as epístolas e os evangelhos de cada domingo. Isto bem mostra como a Igreja estava longe de querer, em circunstâncias normais da vida cristã, restringir o estudo da Bíblia.

 

No séc. XVI, porém, Lutero e os seus discípulos, fazendo da Escritura a única fonte de fé, donde hauriam suas inovações doutrinárias, inspiraram aos pastores da Sta. Igreja medidas correspondentes, que tinham em mira preservar da sutileza exegética dos inovadores o povo cristão. Assim o Papa Pio IV aos 24 de março de 1564, na bula «Dominici gregis» (regra 4a), determinou que o uso de traduções vernáculas da Sagrada Escritura ficava reservado aos fiéis que, a juízo do respectivo bispo ou de algum oficial da Igreja, pudessem ler a Escritura sem risco, antes com proveito, para a sua fé e piedade. De resto, em Portugal o senso religioso dos reis fidelíssimos já havia antecipado essa determinação pontifícia, adotando medidas análogas, válidas para o território nacional. Note-se que as restrições caiam apenas sobre as traduções vernáculas, ficando o texto latino da Vulgata acessível a todos os fiéis. Não há dúvida, no séc. XVI, período de confusão religiosa e de inovações mais ou menos subjetivas, a leitura da Bíblia podia constituir perigo para os fiéis não familiarizados com as regras objetivas da hermenêutica.

 

Apôs a Paz da Vestfália (1648), que, pondo fim à Guerra dos Trinta Anos, estabilizou de certo modo a situação religiosa na Europa, foram perdendo sua atualidade as determinações que no séc. XVI controlavam o uso da S. Escritura e os Papas voltaram então a estimular a leitura da Bíblia. Eis como, por exemplo, escrevia Pio VI (1775-1799) ao arcebispo A. Martini, editor de uma tradução italiana do texto bíblico numa época em que os fiéis católicos ainda hesitavam sobre a oportunidade de tal obra: «Vossa Excelência procede muito bem recomendando vivamente aos fiéis a leitura dos Livros Sagrados, pois são fontes particularmente ricas, às quais cada um deve ter acesso».

 

S. Pio X (1903-1914) em carta ao Cardeal Cassetta declarava:

«Nós, que tudo queremos instaurar em Cristo, desejamos com o máximo ardor que nossos filhos tomem o costume de ler os Evangelhos, não dizemos frequentemente, mas todos os dias, pois é principalmente por este livro que se aprende como tudo pode e deve ser instaurado no Cristo... O desejo universalmente esparso de ler o Evangelho, provocado por vosso zelo, deve ser secundado por vós, na medida em que se aumentar o número dos respectivos exemplares. E oxalá jamais sejam propalados sem sucesso! Tudo isso será útil para dissipar a opinião de que a Igreja se opõe à leitura da Escritura Sagrada em língua vernácula ou lhe suscita alguma dificuldade».

 

Os Pontífices subsequentes, principalmente Bento XV e S. Santidade Pio XII, muito têm incentivado tanto o estudo cientifico da Bíblia como o uso da mesma na vida de piedade; vejam-se os testemunhos respectivos em «P.R.» 4/1958, qu. 5.

 

Em conclusão, tenha-se por certo que a Santa Igreja, hoje como em seus primórdios, estima a leitura da Bíblia como um sacramental. Acontece, porém, que nem para todo organismo o alimento mais nutritivo é sempre o mais adequado; períodos de doença exigem dieta... Foi o que se deu com o Pão da Palavra bíblica: em virtude de situações anormais nas quais se achava o povo de Deus, a Sta. Igreja, em determinadas épocas ou regiões, teve que controlar o uso da Sagrada Escritura, a fim de impedir abusos contaminadores da fé (não faltava entrementes aos fiéis à Palavra viva da Tradição divino-apostólica). Caso não tivesse assim procedido, a Igreja não haveria sido Mãe...

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9430981)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.37
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns22.92
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.27
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?14.11
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.76
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.62
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.20
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.08
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.21
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.85
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.64
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...10.03
Pregações  Mundo Atual  4170 A Ditadura do Relativismo9.85
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.68
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.37
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.71
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.52
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.40
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Pregações  Apologética  4171 Há cristianismo sem Igreja?6.84
Cada um, mesmo quem se encontra afastado, traz consigo a marca de Deus e, portanto, evidentemente, tem sempre uma sede de infinito, do belo e do bom.
Papa Bento XVI

Católicos Online