Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 006 - Junho 1958

 

O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes

SAGRADA ESCRITURA

O.H.: “Por que é que o Pai Nosso rezado pelos católicos não inclui a fórmula final: ‘Porque teu é o reino e o poder e a glória para sempre. Amém’, fórmula encontrada na Bíblia dos protestantes (cf. Mt 6,13)?”

Também quisera saber por que os católicos interpelam a Deus na segunda pessoa do plural (Vós), quando Jesus no Pai Nosso usou a segunda pessoa do singular (Tu)? Não se distanciam da Bíblia?

 

1. Em primeiro lugar, deve-se observar que a fórmula é “Porque teu é o reino e o poder e a glória para sempre. Amém” evidentemente não pertence ao teor original de Mt 6,13 ou do Santo Evangelho, mas é acréscimo que os copistas fizeram ao texto sagrado. Tal conclusão se deduz do exame dos códices e manuscritos mais antigos dos Santos Evangelhos: os testemunhos mais fidedignos não contêm a citada fórmula. Em consequência, os exegetas contemporâneos, tanto católicos como protestantes, são unânimes em não a admitir nas edições gregas do texto de São Mateus; para não citar outros nomes, lembramos aqui a edição do autor protestante Eberhard Nestle («Novum testamentum graece et latine». Stuttgart, Privilegierte Wuerttembergische Bibelanstalt), edição grega geralmente reproduzida pela «British and Foreign Society» de Londres: neste texto-padrão, verifica-se que é deixada de parte a cláusula hóti sou estin he basiléia kai he dynamis kai he doxa eis tous aioõnas, amen. A tradução portuguesa de Ferreira de Almeida ainda hoje reproduz a fórmula acima, pois, tendo Almeida trabalhado no séc. XVII, quando os recursos de crítica do texto ainda eram assaz exíguos, o tradutor julgava simplesmente que tais palavras faziam parte do texto sagrado; hoje Ferreira de Almeida, desejoso como era de reproduzir fielmente os dizeres do texto original, já não incluiria a cláusula na sua tradução.

 

O acréscimo se explica pelo uso da oração dominical na Liturgia: as preces públicas costumavam (e ainda costumam) terminar por uma doxologia ou fórmula de louvor, à semelhança do que se vê no epistolário de São Paulo, (por exemplo, em Ef 3,20s; Rom 9,5; 11, 33-36; 2 Cor 9,15); também as homílias e os sermões dos bispos e presbíteros na antiguidade se encerravam geralmente mediante tais fórmulas. O acréscimo era plenamente justificado na Liturgia, pois inculcava a finalidade suprema do culto sagrado, que é dar glória a Deus (ainda hoje todos os salmos da oração oficial da Igreja se terminam por um «Glória ao Pai»). O uso litúrgico, porém, induziu (erroneamente) alguns copistas a inserir no próprio texto da Bíblia a fórmula de doxologia.

 

Tendo-se em vista estes precedentes, não se hesitará em cancelar das edições, tanto gregas como vernáculas, do Novo Testamento a mencionada cláusula.

 

2. Quanto ao tratamento atribuído ao Pai do céu na oração dominical, observar-se-á o seguinte: o texto grego dessa prece usa a segunda pessoa do singular, porque tal era a única fórmula para interpelar alguém (mesmo a Divindade) na linguagem grega. Em português a situação é outra ; há escolha entre Tu e Vós, sendo que o pronome Tu significa tratamento familiar, muito íntimo, enquanto Vós representa tratamento mais solene e majestoso. Pois bem; a tradição cristã entre nós (ao menos no Pai Nosso) habituou-se a interpelar a Deus mediante o Vós, entendendo com isso exprimir em grau máximo o respeito e a dedicação devidos ao Pai do céu, respeito e dedicação que o Tu grego expressava claramente, mas que o Tu português talvez desfigurasse um pouco. Ao lado desta razão em favor de Vós, poder-se-ia também indicar uma justificativa para o tratamento Tu: seria o desejo de professar, com toda a nitidez, intimidade e sentimentos filiais para com o Pai do Céu, sentimentos filiais que o Tu melhor reproduz do que o Vós.

 

Em última análise, vê-se que uma e outra fórmula são plenamente legítimas; pelo que os católicos não teriam dificuldade em dizer Tu a Deus onde hoje se costuma dizer Vós, desde que a mudança se tornasse conveniente.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8490232)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.17
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista16.41
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.66
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.22
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.66
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.18
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.06
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.95
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.53
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns10.35
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.55
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.47
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.19
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.88
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.50
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.47
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.41
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.10
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.03
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.83
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.63
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.43
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.40
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.36
A Bíblia é filha da Igreja e não sua mãe.
Carlos Ramalhete

Católicos Online