Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 006 - Junho 1958

 

O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes

SAGRADA ESCRITURA

O.H.: “Por que é que o Pai Nosso rezado pelos católicos não inclui a fórmula final: ‘Porque teu é o reino e o poder e a glória para sempre. Amém’, fórmula encontrada na Bíblia dos protestantes (cf. Mt 6,13)?”

Também quisera saber por que os católicos interpelam a Deus na segunda pessoa do plural (Vós), quando Jesus no Pai Nosso usou a segunda pessoa do singular (Tu)? Não se distanciam da Bíblia?

 

1. Em primeiro lugar, deve-se observar que a fórmula é “Porque teu é o reino e o poder e a glória para sempre. Amém” evidentemente não pertence ao teor original de Mt 6,13 ou do Santo Evangelho, mas é acréscimo que os copistas fizeram ao texto sagrado. Tal conclusão se deduz do exame dos códices e manuscritos mais antigos dos Santos Evangelhos: os testemunhos mais fidedignos não contêm a citada fórmula. Em consequência, os exegetas contemporâneos, tanto católicos como protestantes, são unânimes em não a admitir nas edições gregas do texto de São Mateus; para não citar outros nomes, lembramos aqui a edição do autor protestante Eberhard Nestle («Novum testamentum graece et latine». Stuttgart, Privilegierte Wuerttembergische Bibelanstalt), edição grega geralmente reproduzida pela «British and Foreign Society» de Londres: neste texto-padrão, verifica-se que é deixada de parte a cláusula hóti sou estin he basiléia kai he dynamis kai he doxa eis tous aioõnas, amen. A tradução portuguesa de Ferreira de Almeida ainda hoje reproduz a fórmula acima, pois, tendo Almeida trabalhado no séc. XVII, quando os recursos de crítica do texto ainda eram assaz exíguos, o tradutor julgava simplesmente que tais palavras faziam parte do texto sagrado; hoje Ferreira de Almeida, desejoso como era de reproduzir fielmente os dizeres do texto original, já não incluiria a cláusula na sua tradução.

 

O acréscimo se explica pelo uso da oração dominical na Liturgia: as preces públicas costumavam (e ainda costumam) terminar por uma doxologia ou fórmula de louvor, à semelhança do que se vê no epistolário de São Paulo, (por exemplo, em Ef 3,20s; Rom 9,5; 11, 33-36; 2 Cor 9,15); também as homílias e os sermões dos bispos e presbíteros na antiguidade se encerravam geralmente mediante tais fórmulas. O acréscimo era plenamente justificado na Liturgia, pois inculcava a finalidade suprema do culto sagrado, que é dar glória a Deus (ainda hoje todos os salmos da oração oficial da Igreja se terminam por um «Glória ao Pai»). O uso litúrgico, porém, induziu (erroneamente) alguns copistas a inserir no próprio texto da Bíblia a fórmula de doxologia.

 

Tendo-se em vista estes precedentes, não se hesitará em cancelar das edições, tanto gregas como vernáculas, do Novo Testamento a mencionada cláusula.

 

2. Quanto ao tratamento atribuído ao Pai do céu na oração dominical, observar-se-á o seguinte: o texto grego dessa prece usa a segunda pessoa do singular, porque tal era a única fórmula para interpelar alguém (mesmo a Divindade) na linguagem grega. Em português a situação é outra ; há escolha entre Tu e Vós, sendo que o pronome Tu significa tratamento familiar, muito íntimo, enquanto Vós representa tratamento mais solene e majestoso. Pois bem; a tradição cristã entre nós (ao menos no Pai Nosso) habituou-se a interpelar a Deus mediante o Vós, entendendo com isso exprimir em grau máximo o respeito e a dedicação devidos ao Pai do céu, respeito e dedicação que o Tu grego expressava claramente, mas que o Tu português talvez desfigurasse um pouco. Ao lado desta razão em favor de Vós, poder-se-ia também indicar uma justificativa para o tratamento Tu: seria o desejo de professar, com toda a nitidez, intimidade e sentimentos filiais para com o Pai do Céu, sentimentos filiais que o Tu melhor reproduz do que o Vós.

 

Em última análise, vê-se que uma e outra fórmula são plenamente legítimas; pelo que os católicos não teriam dificuldade em dizer Tu a Deus onde hoje se costuma dizer Vós, desde que a mudança se tornasse conveniente.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8910845)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.20
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado26.90
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.06
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!13.27
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.87
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.32
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.94
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.75
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.90
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.46
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.39
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.22
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.09
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.06
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
Nós estamos substituindo a ética pela estética, mais preocupados com a nossa própria imagem do que com o bem de nosso irmão.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online