Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 005  — Maio 1958

 

Distinção entre Espírito e Matéria

CIÊNCIA E RELIGIÃO

RAUL SANTOS (Piauí): “Hoje em dia fala-se muito em energia. A matéria, dizem, é energia e a própria alma humana não vem a ser senão matéria ou energia aperfeiçoada. Que pensar disso?

S. O. S. (Rio): “Não são os pensamentos e afetos produtos do cérebro? Qual a relação vigente entre a alma e o cérebro?

 

O problema se põe brevemente nos termos seguintes: MATÉRIA = ENERGIA = ALMA (HUMANA)

 

Em virtude desta equação, desaparece a distinção essencial entre matéria e alma humana (que também dizem «espírito»). Esta se dissolve naquela, e vã é qualquer esperança de imortalidade pessoal para o indivíduo.

 

Na equação acima, o termo «energia» é evidentemente o ponto nevrálgico. Vejamos, pois, primeiramente que sentido lhe atribuem os físicos quando a equiparam à matéria; a seguir, examinaremos o que se entende por alma humana. Feito isto, estaremos habilitados a julgar se de fato a equação é concludente.

 

1. A energia na Física

 

Em Física, dá-se o nome de «energia» a um potencial capaz de se converter em trabalho; é medido pela quantidade de trabalho a que equivale. Todo corpo que possa produzir trabalho, possui, por conseguinte, energia ; assim uma mola comprimida, um combustível, um veículo... Distinguem-se diversas formas de energia, as quais propriamente não são mais que manifestações de um único potencial: a energia mecânica, a eletromagnética, a térmica, a química, a cinética, etc.

 

A teoria da relatividade concorreu para precisar um pouco mais o conceito de energia. Já no fim do século passado, havia-se observado que, quando os elétrons e os íons positivos estão em movimento, para se lhes comunicar aceleração, é necessária uma força tanto maior quanto mais veloz é o seu movimento ou, equivalentemente, quanto maior é a sua energia cinética; isto insinuava que o aumento de energia cinética implicava em aumento de massa. Ora Einstein confirmou a conclusão de que o aumento da velocidade de um corpo significa aumento da massa do mesmo, e calculou que este incremento se verifica segundo a fórmula M=E/c2 ; que quer dizer:

 

o aumento da massa corresponde ao incremento da energia cinética dividido pelo quadrado da velocidade da luz no vácuo. Em consequência de suas observações, Einstein propunha a questão: já que.a energia cinética tem massa (ou é correspondente à massa), não se deverá admitir que toda a massa de um corpo é energia? A matéria então seria uma imensa concentração de energia, segundo a fórmula: E = mc2, Nem todos os cientistas respondem afirmativamente a Einstein; há quem só aceite a identificação da energia cinética com a sua respectiva massa, não com a massa total do corpo. A teoria de Einstein é de modo geral comprovada pelas reações nucleares; nestas a energia que entra em jogo corresponde às variações da massa dos corpos reagentes, conforme a fórmula de Einstein.

 

Para o estudo do problema proposto, estes dados de Física nos bastam, permitindo-nos concluir o seguinte: embora os físicos não possam determinar com muita precisão o que é a energia, uma coisa é certa a todos: a energia em Física é um valor quantitativo, exprimível em cifras, comensurável de acordo com as leis da matemática e da geometria.

 

2. A alma humana na Filosofia

Passemos agora à consideração da alma humana.

 

1. Esta é chamada pelo filósofo grego Aristóteles (+322 a.C.) energéia, ato. A semelhança de vocábulos, porém, encobre conceitos assaz diversos na Física e na Metafísica (ou na Filosofia).

 

A alma humana é, sem dúvida, princípio de trabalho (como a energia), mas nem o trabalho da alma nem a própria alma podem ser enquadrados dentro de fórmulas matemáticas; em outros termos: o pensamento, os afetos não são dados quantitativos, suscetíveis de expressão numérica. Por conseguinte, a alma é de índole diversa da índole da energia e da matéria de que falam os físicos; e — diga-se — de índole tão diversa que não pode haver transição entre matéria ou energia material e alma humana.

 

Como se provaria isto com exatidão?

 

A natureza da alma humana se manifesta por seu modo de agir; pois, como reza o princípio universalmente reconhecido, tal modo de agir supõe tal modo de ser, como tal efeito supõe tal causa, tal movimente supõe tal força.

 

Ora a atividade característica da alma humana é o raciocínio ou a vida intelectual. Esta transcende a matéria, a quantidade, as dimensões. Donde se segue que a própria alma humana deve transcender a matéria, a quantidade, ou deve ser imaterial, espiritual (já que o espírito não cai sob os sentidos e todo conhecimento humano começa pelos sentidos, ninguém saberia definir diretamente o que é um espírito; pode-se apenas assegurar que é um ser real, ontologicamente mais perfeito do que a matéria, porque emancipado das imperfeições desta — dimensões, lugar no espaço, desgaste — ; brevemente: é um ser real não material).

 

Importa, porém, tomar consciência exata de que a atividade da inteligência transcende, como acima foi dito, a matéria.

 

Comparemo-la com a atividade dos sentidos (olhos, ouvidos, talo...): estes só podem conhecer tal indivíduo, dotado de tais dimensões, tal cor, tal odor, tal sabor, etc.; as suas possibilidades de conhecer estão sempre presas à matéria e por esta limitadas. O mesmo não se dá com a inteligência: é verdade que esta necessita dos dados que os sentidos lhe fornecem, para começar a raciocinar; ela elabora, porém, estes dados, fazendo abstração do que têm de material e contingente; assim a inteligência chega a conhecer as essências abstratas, emancipadas da matéria; conhece a idéia da Beleza, ao passo que os sentidos só conhecem este ou aquele objeto belo; conhece a idéia do Dever como tal, independentemente desta ou daquela situação concreta; apreende a essência do Homem — animal racional — emancipada das características contingentes e materiais de tamanho, idade, raça, únicas características que os sentidos conseguem apreender. Destas observações é que se deduz a conclusão: já que a alma humana é capaz de agir ultrapassando a matéria, é imaterial, não podendo ser expressa por fórmulas matemáticas, como é expressa a energia de que fala a Física.

 

E note-se que não há transição entre o material e o imaterial ou espiritual; em outros termos: o modo de agir do espírito não pode estar implicitamente contido no modo de agir da matéria. Com efeito, a matéria é, por definição, o que está limitado pela extensão, pela quantidade; desde que se lhe tire esta característica, a matéria se destrói em vez de se aperfeiçoar (matéria sem extensão ou sem contornos é algo de contraditório). De outro lado, o espírito, exercendo uma atividade que transcende os limites da matéria (como foi acima dito), não pode provir desta, pois o que é menos não pode por si ser fonte do que é mais (ninguém dá o que não tem). A inteligência apreende o ser como tal, sem restrições, em sua infinitude (tudo que ela conhece, ela começa a conhecê-lo como ser; o conceito de ser recobre tudo, tanto o Criador como as criaturas); os sentidos, ao contrário, só apreendem este determinado ser. Ora entre este determinado ser e o ser como tal não há transição possível como entre o finito e o infinito não há passagem possível (o infinito não é um finito aumentado).

 

A Psicologia experimenta], por sua vez, demonstra que o conhecimento intelectual não pode ser reduzido ao conhecimento sensitivo.

Eis um dos casos mais significativos dentre os que se tem observado:

 

Disponha-se uma série de vasilhas fechadas, na primeira das quais se coloca o alimento de um macaco; faça-se ver a este que é no primeiro recipiente que ele encontra o que lhe interessa. Repita-se a experiência, encerrando o alimento na segunda, e não na primeira vasilha; o animal, se não é advertido, vai procurar o alimento na primeira, porque retém os dados concretos da experiência anterior. Num terceiro ensaio, coloque-se o alimento fechado no terceiro recipiente; guiado pelas impressões sensíveis do ensaio precedente, o macaco se dirige para o segundo vaso. Caso se multiplicam os ensaios, verifica-se que o animal procura de cada vez o recipiente em que na experiência anterior encontrou o que queria. Nunca chega a abstrair dessas diversas experiências a lei de progresso que as rege, nunca se desvencilha das notas concretas da vasilha em que por último encontrou a presa, deduzindo que não é o fato de ser a segunda, a terceira ou a quarta vasilha que interessa, mas é o fato de ser a vasilha n+ 1 (fórmula em que n designa o número da experiência anterior). Ora uma criança sujeita a tal teste, depois de três ou cinco experiências, consegue abstrair a lei n+1 do fenômeno. Destes ensaios se conclui que

1) o animal, por mais semelhante que seja ao homem, jamais se desembaraça do material; não possui, portanto, princípio de ação imaterial, ao passo que o indivíduo humano, desde os seus primeiros anos, possui uma atividade e, por conseguinte, um princípio de atividade (uma alma) imateriais;

2) não há transição entre o material e o Imaterial (ou espiritual).

 

São estas as considerações que levam a negar a identidade entre espírito (alma humana) e matéria. A energia da Física moderna, que serviria de ponte entre os dois termos, está toda e exclusivamente do lado da matéria, e não atinge a transcendência do espírito.

 

2. Mas, replica-se, é fato inegável que nossas idéias dependem das imagens concretas adquiridas pelos sentidos. Não será isto um argumento contra a apregoada transcendência do conhecimento intelectivo?

 

Não. Enquanto a alma humana está unida ao corpo, depende deste (em particular, do cérebro) para começar a exercer a sua atividade intelectiva (não foi em vão que o Criador uniu alma e corpo para constituírem um só vivente). Ela recebe dos sentidos externos (que funcionam em correlação com o cérebro, sede do senso comum) o material que ela passa a elaborar; elabora-o, porém, transcendendo as limitações dos sentidos, ou seja, discernindo o que há de acidental e o que há de essencial num determinado objeto percebido (a inteligência, raciocinando, por exemplo, percebe que o que faz Pedro ser homem, não é a sua estatura, nem a cor de seus cabelos nem o timbre de sua voz, dados estes apreendidos pelos sentidos, mas é o fato de ser animal racional, característica que os sentidos por si não apreendem).

 

Há, sem dúvida, certa correspondência entre cérebro e pensamento (é para o cérebro que conflui toda a vida sensitiva, da qual depende o pensamento). Esta correlação, porém, não é tão rigorosa que permita estabelecer a equação «cérebro = pensamento»; ela se explica pelo simples fato de que é dos sentidos ou dos órgãos que recebemos o material a ser elaborado (espiritualizado) na inteligência. Com efeito, a experiência desmente o axioma «a grandes cabeças, grandes espíritos»: homens notavelmente inteligentes, como Cícero, Rafael, Descartes, Voltaire, Napoleão, tiveram crânio relativamente pequeno. Além disto, os cientistas propõem hoje a seguinte escala de capacidade craniana: homens pré-históricos (Neandertal. ...), 1660 cm3; esquimós, 1546 cm3; holandeses, 1530 cm3; chineses, 1518 cm3; neozelandeses, 1497 cm3; japoneses, 1486 cm3; italianos, 1467 cm5; negros do Dahomey, 1452 cm5; anglo-saxões, 1412 cm3; ora esta escala está longe de corresponder às manifestações de inteligência dadas pelos mencionados povos no decorrer dos séculos.

 

Nem o peso absoluto do cérebro é critério dirimente para se avaliar a capacidade intelectual: a baleia tem 4500 g de cérebro; o elefante, 3000 g; o delfim, 1800 g, ao passo que o homem médio, conforme certos antropologistas, apenas 1360 g, (Broca assinala 1157 g para a média dos varões, 995 g para a média das mulheres). Será que por isto a baleia é inteligente, e mais inteligente do que o homem? Mesmo entre os homens, grandes vultos intelectuais tiveram peso cerebral inferior ao normal.

 

Também a chamada «massa cinzenta», que constitui a camada cortical do cérebro, não é estritamente correlativa à inteligência. Em caso afirmativo, quanto mais circunvoluções, pregas e sulcos houvesse no cérebro, tanto mais superfície e massa cinzenta nele se encontrariam e, em consequência, maior inteligência no indivíduo. — Ora não é o que se verifica: o elefante, o carneiro e o jumento têm cérebro mais enrugado do que o homem, ao passo que o do castor é liso; muitos idiotas e loucos apresentam um cérebro de face muito complexa.

 

Em consequência, também por estas observações se chega à conclusão de que não se pode tachar o pensamento de «secreção do cérebro» ou de «energia cerebral aperfeiçoada». Repitamo-lo: o cérebro, como um dos principais órgãos da vida sensitiva, condiciona de certo modo a vida intelectiva do homem, pois esta se acha arquitetada sobre aquela; a atividade da inteligência, porém, é especificamente diversa da do cérebro, como o infinito é intrinsecamente diverso do finito. A diferença entre atividade cerebral e atividade intelectual não é simplesmente quantitativa, mas é qualitativa.

 

Sobre as relações entre inteligência e cérebro nos mentecaptos, veja-se «Pergunte e Responderemos» no 1/1957, qu. 10. Sobre as operações de Orage Nielson e Puech, «P. R.» no 3/1957, qu. 4.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8918930)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.21
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.18
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.73
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.88
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.36
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado11.11
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
Diversos  Documentos  4161 Dos escritos de Charles de Foucauld7.96
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.94
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.45
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.24
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.11
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.07
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
A Bíblia é filha da Igreja e não sua mãe.
Carlos Ramalhete

Católicos Online