Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -001 / dezembro 1957

 

Gravidez Tubária e Aborto

JUCISTA (Ribeirão Preto): "Em casos de prenhez tubária, proíbe a Igreja o aborto antes da ruptura da trompa? Será então que ela nutre esperanças de milagre?"

 

A prenhez tubária se dá quando o feto humano se localiza e desenvolve fora do lugar normal, ou seja, na trompa (donde o nome de "prenhez ectópica" em sentido largo, que também lhe é dado).

 

Em tais casos, muito precárias se tornam as probabilidades de sobrevivência tanto da mãe como da criança: as vilosidades da placenta, em vista de captar o sangue necessário à existência do feto, vão corroendo as paredes da trompa, tendendo a provocar graves hemorragias e ruptura da trompa, fatais para a vida materna.

 

Verifica-se, porém, não ser impossível o desenvolvimento do feto assim localizado até o sexto mês de gestação; isto dependerá da posição precisa do embrião (quanto mais próximo estiver do útero, tanto menos provável será a sua subsistência). Está claro que, se a prole crescer até atingir o seu sexto mês, poderá ser extraída mediante intervenção cirúrgica, salvando-se então tanto a vida materna quanto a do pequenino. O médico Dr. Clement no seu estudo "Derecho dei nino a nascer", pág. 61 nota 41, refere os seguintes dados estatísticos colhidos entre especialistas: Orillard registrou 61 casos de embaraços ectópicos em que o feto chegou a bom termo; Brown, alguns mais; Lecene, uma centena; Werder, 148.

 

Diante disto, a Moral cristã costuma hoje recomendar o seguinte procedimento:

 

Quando o médico verifica um caso de gravidez tubária tal que não se preveja perigo próximo para a gestante, proporcione a esta vigilância módica sem operação cirúrgica imediata, a fim de tentar, de um lado. salvar o feto, e, de outro lado, poder intervir imediatamente em caso de ruptura da trompa, garantindo assim a sobrevivência da gestante.

 

Caso, porém, o feto não se apresente de modo algum viável ou não haja possibilidade de colocar a mãe sob inspeção médica, não é ilícita a intervenção cirúrgica: o operador poderá extrair a trompa como extrai um órgão doente a fim de salvar a vida da paciente (não negligenciando, porém, a obrigação de batizar o feto), A intervenção em tais casos não visa diretamente eliminar o embrião (como nos casos de aborto), mas visa remover um órgão que, por estar mórbido, se tornou pernicioso ou fatal. Não há dúvida, tal órgão é portador de um feto que. em consequência da intervenção, perecerá; a morte do pequenino, porém, não é o objetivo intencionado pelo cirurgião, mas apenas efeito permitido ou tolerado. Equipara-se assim o caso ao de um útero canceroso, que é sempre lícito extrair a fim de preservar a vida materna.

 

Com efeito, a trompa sujeita a hemorragias e ruptura por corrosão de suas paredes pode muito bem ser considerada um órgão doente. É este o ponto preciso sobre o qual se apoia a declaração de que a operação em tais casos é lícita. Tal ponto não era tão nitidamente ponderado em fins do século passado ou no início do presente, de sorte que muitos moralistas equiparavam a intervenção cirúrgica em casos de gravidez tubária a um aborto — o que não é exato: ao passo que no aborto não há propriamente órgão doente a ameaçar a vida da mulher (cf. "Pergunte e Responderemos" 6/1957, qu. 9, onde se trata do chamado "aborto terapêutico"), no caso da prenhez tubária existe tal elemento. Esta distinção foi nos últimos decênios propugnada com aprovação eclesiástica por obra principalmente do Pe. Lincoln Buscaren S, J, cujo tratado "Ethics of Ectopic Operation" saiu em segunda edição no ano de 1944 (Editora "The Bruce Publishing Company", Milwaukee Wisconsin, U. S. A.).

 

Observe-se, porém, que, para extrair a trompa doente, o médico deverá ter razões sérias que o levem a julgar grave o perigo de morte para a gestante em caso de não intervenção cirúrgica...

 

Bibliografia: S Navarro. Problemas médico-morales, Madrid 1954, 358-36S. P. Tiberghler. Médecine et Morale. Paris 1952, 172-174. A. Bonnar The Catholic Doctor, em tradução castelhana "El medico catolico" Buenos Aires 90-32.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8469364)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.10
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista22.52
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.63
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.19
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.64
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.20
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.14
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.93
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.51
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns10.07
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.50
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.50
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.21
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.87
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.49
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.48
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.43
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.12
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.03
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.81
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.64
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.46
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.43
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.34
Esforçai-vos por ficar firmes na doutrina do Senhor e dos apóstolos, para que tudo quanto fizerdes tenha bom êxito na carne e no espírito, pela fé e pela caridade, no Filho, no Pai e no Espírito, no princípio e no fim, com vosso digno bispo e a bem entretecida coroa espiritual de vosso presbitério, juntamente com os diáconos agradáveis a Deus. Sede submissos ao bispo e uns aos outros como, em sua humanidade, Jesus Cristo ao Pai, e os apóstolos a Cristo e ao Pai e ao Espírito, para que a união seja corporal e espiritual.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online