Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -002 / novembro 1957

 

Por que a Igreja aprova a pena de morte?

EDYK (Rio de Janeiro): "Não compreendo que a Igreja aprove a pena de morte, se só Deus tem o direito de tirar a vida".

 

É verdade que só o Criador possui domínio absoluto sobre a vida e a morte. Esse domínio, porém, Ele o pode exercer ou diretamente ou por agentes criados. No que diz respeito à condenação à morte, em particular, o Criador quis confiar direitos à autoridade civil legitimamente constituída. É o que se depreende das seguintes considerações:

1) A autoridade legítima é lugar-tenente de Deus, como ensina São Paulo em Rom 13, 1s: "Não há autoridade que não venha de Deus, e as que existem são constituídas por Deus, de tal modo que quem resiste à autoridade se rebela contra a ordem estabelecida por Deus".

2) À autoridade civil o Criador atribuiu a tarefa e os poderes de promover o bem comum. Ora este é ás vezes de tal modo ameaçado por indivíduos turbulentos que a existência dos mesmos se torna inconciliável com a ordem pública.

3) Em tais casos, dado que não haja esperança de êxito por outra via, a autoridade civil deve possuir o direito (e eventualmente a obrigação) de eliminar os maus elementos; entre o bem comum e o bem particular não há que hesitar, desde que se tornem incompatíveis entre si. O agressor injusto, ameaçando a ordem pública, pela sua atitude mesma perde o direito de existir, torna-se naturalmente réu de morte. Ademais pode acontecer que, em povos de mentalidade rude, o recurso à pena máxima em certos casos seja o único eficaz para reprimir o crime e impedir o surto dc novos delinquentes.

 

Por isto o próprio Deus, já na legislação do Antigo Testamento, reconhecia a pena de morte que os israelitas praticavam, continuando as tradições dos povos ancestrais. Por conseguinte, em nome do Senhor, Moisés estipulou casos em que se devia infligir a sentença capital a um réu: idolatria (Lev 20,2-5); maldição proferida contra pai ou mãe (Lev 20,9); adultério (Lev 20,10); outros delitos incestuosos (Lev 20,11-16), etc. (note-se que os réus de morte, num povo primitivo não hão de ser os mesmos que num povo de elevada cultura).

 

Entre os cristãos, sempre se julgou, na base dos motivos acima expostos, que à autoridade civil toca o direito de impor a pena de morte. Do séc. 13 até o séc. 18 aproximadamente, em algumas nações condenavam-se à morte não somente os que se opunham ao bem temporal da sociedade, mas também os que contradiziam aos seus interesses religiosos, corrompendo a verdadeira fé pela heresia; tinha-se consciência de que a vida sobrenatural, baseada sobre a sã doutrina, ainda vale mais do que a vida natural, que os tribunais antigos costumavam defender infligindo a morte aos assassinos.

 

Em tese, pois, não resta dúvida de que será licito ainda hoje a aplicação criteriosa da pena capital. É preciso, porém, considerar que, na prática, a oportunidade e eficácia desta sanção depende da mentalidade do povo em que ela vigora. Pode muito bem dar-se que determinada população já se não deixe impressionar pela condenação à morte; os "aventureiros" seriam tais que pouco se importariam (ao contrário, muito apreciariam o sensacionalismo) de correr o risco de morte por causa de seus delitos. Nessas circunstâncias, a pena capital já não preenche o seu papel tutelar do bem comum; torna-se castigo de talião, meramente vingativo, não medicinal, em si odioso ("dente por dente, olho por olho, vida por vida").

 

Pois bem; é isto que se alega em não poucas nações modernas, onde a pena de morte esteve em vigor até nossos dias. Em consequência, a Inglaterra em 1956 aboliu a sentença capital (naquele país se ponderou também o perigo de proferir injustas condenações à morte); uma estatística inglesa deu a saber que, dentre 250 réus executados, 170 haviam previamente assistido a uma ou mais execuções capitais, sem ter colhido algum fruto para o seu próprio procedimento. Na Europa ocidental somente a França e a Espanha conservam a pena de morte, enquanto obras cientificas, romances e filmes cinematográficos desenvolvem intensa campanha contra ela. As autoridades dos países que a aboliram, afirmam que nem por isto se aumentou em suas terras a porcentagem dos morticínios delituosos.

 

Todavia, contra a onda abolicionista, alguns autores observam que no mundo moderno os homens ainda cometem oficialmente, sob a tutela mesma da lei, muitos atos de selvageria e barbárie, de tal sorte que uma judiciosa aplicação de morte (destinada a ser defesa do bem comum) não se poderia tachar de anacrônica ou retrógrada.

 

Em última análise, a questão de saber se hoje em dia é oportuna ou não a pena capital não depende da estipulação de princípios teóricos (estes são suficientemente claros). Depende de um fator contingente, a saber: da mentalidade das gerações modernas, que talvez se tenham tornado indiferentes à ameaça capital !

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)

 


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 2
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7982334)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.65
Vídeos  Mundo Atual  4128 A 'Humanae Vitae' e a apostasia dos cristãos26.39
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.33
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.85
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.17
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.62
Diversos  Prática Cristã  4123 Sete coisas que eu aprendi com a pornografia10.34
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.31
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.97
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo9.38
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja8.75
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.45
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia8.18
Vídeos  Prática Cristã  4127 Como controlar a irritação?8.16
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.04
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.94
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma7.73
Diversos  Espiritualidade  4126 Evitar a mente perturbada7.68
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns7.63
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.63
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica7.41
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.40
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós7.37
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.14
Um cristão não é dono de si mesmo, e sim que está entregue ao serviço de Deus.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online