Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -002 / novembro 1957

 

Pai, Filho e Espírito Santo

DOGMÁTICA

MARIA CLAUDIA (Rio de Janeiro): "Como entender a geração do Filho enquanto Deus? As Pessoas da Santíssima Trindade não são incriadas?"

 

A Sagrada Escritura, ao falar de Deus, aplica-Lhe os conceitos de paternidade, filiação, geração. Estas noções, porém, não convém ao Altíssimo do mesmo modo que a nós homens.

 

Em Deus todos os atributos se acham na escala do infinito (o que quer dizer propriamente: acima de qualquer escala), ao passo que em nós tudo é finito. Em termos técnicos: há analogia, e não univocidade, entre Deus e nós.

Feita esta observação, dir-se-á:

 

1) Em Deus há geração, isto é, comunicação da natureza divina (como entre os homens, por geração, há comunicação da natureza humana), e comunicação tal que dela resulta uma Pessoa em tudo igual à Pessoa que comunica. Note-se que geração não é o mesmo que criação; esta significa origem a partir do nada, por conseguinte, diversidade de natureza entre o Criador e a criatura. O pai, porém, não tira do nada, mas produz da sua natureza.

 

Logo depois de afirmar isto, é-nos necessário negar em Deus algumas notas que caracterizam o processo generativo entre os homens.

 

2) A comunicação da natureza em Deus não implica temporalidade, começo, progresso, fim; é ato único, sempre presente e perfeito, ato inseparável do ser ou da vida de Deus; desde que Deus é Deus, ou seja, sem começo e sem fim, o Pai gera o Filho, ou a essência divina se comunica do Pai ao Filho.

 

3) Tal comunicação não acarreta imperfeição na pessoa gerada nem subordinação perante o Pai (era com referência à sua ssma. humanidade que Jesus dizia em Jo 14,28: "O Pai é maior do que eu").

 

4) Também não significa divisão da substância divina. Esta é espiritual; por isto não tem partes, é indivisível. Pela geração a mesma natureza divina, com sua infinita perfeição, subsiste no Filho como ela subsiste infinita no Pai. Entre Pai e Filho há a distinção proveniente apenas do que se chama "oposição relativa": o Pai é a natureza divina enquanto gera, o Filho é a natureza divina enquanto gerada.

 

A geração do Filho é tão alheia ao plano da corporeidade que se pode comparar ao nosso ato de conceber uma idéia ou uma palavra mental. Com efeito, o Filho na Sagrada Escritura também é chamado Logos (em grego, Palavra mental ou vocal, não pròpriamente Verbo) e Imagem (expressão) do Pai (cf. Jo 1,1-3; Col 1,15). Entende-se bem a sinonímia: no plano do espírito, a função de conceber uma idéia corresponde à de conceber e gerar um filho no plano da corporeidade; tanto o filho como a idéia são manifestações, imagens, da natureza de quem concebe. Não é em vão que repetindo o mesmo vocábulo, falamos de "conceber uma idéia" e "conceber um filho"; estas funções, que em nós são distintas por constarmos de espírito e matéria, em Deus, Puro Espírito, constituem uma só, a saber: o ato em que a primeira Pessoa divina conhece total e perfeitamente a sua infinita perfeição e profere este seu conhecimento numa Palavra ou Imagem que subsiste como Pessoa igual à Pessoa que proferiu, ou como um Filho perante seu Pai.

 

A título de complemento, diremos que o ato de contemplar o Filho não pode deixar de suscitar no Pai o Deleite, o Amor, Amor que é recíproco do Filho ao Pai. Este Amor constitui outra manifestação perfeita da vida de Deus; não é senão a natureza divina mesma que se afirma como Amor subsistente, pessoal. À terceira Pessoa a Sagrada Escritura dá o nome de "Espírito Santo", que é o ósculo sagrado a unir o Pai e o Filho numa felicidade sem princípio e sem fim.

 

Jamais se poderia conceber a vida divina sem estas duas afirmações características do ser espiritual: a do conhecimento, donde procede a Palavra mental ou o Filho do Pai Eterno, e a do Amor, donde procede o Espírito Santo, a Complacência, o Deleite, do Pai no Filho e do Filho no Pai.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8742058)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.09
Orações  Santos e Místicos  4148 A Sagrada Face19.28
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.91
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns13.40
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.40
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.81
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.75
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.08
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.07
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.74
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.35
Diversos  Doutrina  4147 Senhor, quantos serão salvos?8.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.97
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.82
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.78
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.54
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.41
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.14
Vídeos  Testemunhos  4146 A Eucaristia na Igreja7.12
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.08
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.02
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.87
Vídeos  Liturgia  4145 Missas de Cura e Libertação6.87
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.65
Os sacramentos não são senão água, pão, vinho, óleo, gestos e palavras que Cristo hoje em dia administra por meio da sua Igreja (ou do seu Corpo prolongado) a fim de comunicar aos homens a filiação divina.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online