Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -002 / novembro 1957

 

Pai, Filho e Espírito Santo

DOGMÁTICA

MARIA CLAUDIA (Rio de Janeiro): "Como entender a geração do Filho enquanto Deus? As Pessoas da Santíssima Trindade não são incriadas?"

 

A Sagrada Escritura, ao falar de Deus, aplica-Lhe os conceitos de paternidade, filiação, geração. Estas noções, porém, não convém ao Altíssimo do mesmo modo que a nós homens.

 

Em Deus todos os atributos se acham na escala do infinito (o que quer dizer propriamente: acima de qualquer escala), ao passo que em nós tudo é finito. Em termos técnicos: há analogia, e não univocidade, entre Deus e nós.

Feita esta observação, dir-se-á:

 

1) Em Deus há geração, isto é, comunicação da natureza divina (como entre os homens, por geração, há comunicação da natureza humana), e comunicação tal que dela resulta uma Pessoa em tudo igual à Pessoa que comunica. Note-se que geração não é o mesmo que criação; esta significa origem a partir do nada, por conseguinte, diversidade de natureza entre o Criador e a criatura. O pai, porém, não tira do nada, mas produz da sua natureza.

 

Logo depois de afirmar isto, é-nos necessário negar em Deus algumas notas que caracterizam o processo generativo entre os homens.

 

2) A comunicação da natureza em Deus não implica temporalidade, começo, progresso, fim; é ato único, sempre presente e perfeito, ato inseparável do ser ou da vida de Deus; desde que Deus é Deus, ou seja, sem começo e sem fim, o Pai gera o Filho, ou a essência divina se comunica do Pai ao Filho.

 

3) Tal comunicação não acarreta imperfeição na pessoa gerada nem subordinação perante o Pai (era com referência à sua ssma. humanidade que Jesus dizia em Jo 14,28: "O Pai é maior do que eu").

 

4) Também não significa divisão da substância divina. Esta é espiritual; por isto não tem partes, é indivisível. Pela geração a mesma natureza divina, com sua infinita perfeição, subsiste no Filho como ela subsiste infinita no Pai. Entre Pai e Filho há a distinção proveniente apenas do que se chama "oposição relativa": o Pai é a natureza divina enquanto gera, o Filho é a natureza divina enquanto gerada.

 

A geração do Filho é tão alheia ao plano da corporeidade que se pode comparar ao nosso ato de conceber uma idéia ou uma palavra mental. Com efeito, o Filho na Sagrada Escritura também é chamado Logos (em grego, Palavra mental ou vocal, não pròpriamente Verbo) e Imagem (expressão) do Pai (cf. Jo 1,1-3; Col 1,15). Entende-se bem a sinonímia: no plano do espírito, a função de conceber uma idéia corresponde à de conceber e gerar um filho no plano da corporeidade; tanto o filho como a idéia são manifestações, imagens, da natureza de quem concebe. Não é em vão que repetindo o mesmo vocábulo, falamos de "conceber uma idéia" e "conceber um filho"; estas funções, que em nós são distintas por constarmos de espírito e matéria, em Deus, Puro Espírito, constituem uma só, a saber: o ato em que a primeira Pessoa divina conhece total e perfeitamente a sua infinita perfeição e profere este seu conhecimento numa Palavra ou Imagem que subsiste como Pessoa igual à Pessoa que proferiu, ou como um Filho perante seu Pai.

 

A título de complemento, diremos que o ato de contemplar o Filho não pode deixar de suscitar no Pai o Deleite, o Amor, Amor que é recíproco do Filho ao Pai. Este Amor constitui outra manifestação perfeita da vida de Deus; não é senão a natureza divina mesma que se afirma como Amor subsistente, pessoal. À terceira Pessoa a Sagrada Escritura dá o nome de "Espírito Santo", que é o ósculo sagrado a unir o Pai e o Filho numa felicidade sem princípio e sem fim.

 

Jamais se poderia conceber a vida divina sem estas duas afirmações características do ser espiritual: a do conhecimento, donde procede a Palavra mental ou o Filho do Pai Eterno, e a do Amor, donde procede o Espírito Santo, a Complacência, o Deleite, do Pai no Filho e do Filho no Pai.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9831667)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?87.73
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns27.67
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.01
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.50
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.06
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.93
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.64
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.46
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.65
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.95
Vídeos  Testemunhos  4175 Professor de Harvard se converte9.20
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.98
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.67
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.38
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.21
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.01
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.82
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.60
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.48
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.87
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.66
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.50
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.45
Quem despreza a Igreja está-se afastando de Cristo e vai-se privando dos tesouros de santificação e Redenção que o Salvador nela depositou.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online