Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS -004 / setembro 1957

 

Por que a Igreja nega assistência aos suicidas?

"Não se sabendo o que se passou no último instante entre a alma e Deus, porque nega a Igreja assistência religiosa (enterro, Missa solene, etc.) aos suicidas?"

 

A legislação da Igreja, no assunto, se pode circunscrever nos seguintes termos:

a) visa apenas aqueles que recorrem "de maneira deliberada, deliberato consílio" (cf. cân. 1240 § 1 n. 3) ao suicídio; o que, na interpretação comum dos canonistas, significa "aqueles que se suicidam sem estar em reconhecidas condições de amência ou neurastenia crônica, aguda", pois tais já não são responsáveis por seus atos. Embora não se possa dizer que todo suicida carece do uso de suas faculdades mentais, muitas vezes é difícil averiguar se alguém se suicidou "de maneira deliberada", como diz o Direito Eclesiástico; somente Deus vê a consciência e os fatores que em grau maior ou menor a inibem. Desde, porém, que conste que o suicídio não foi premeditado nem voluntário, não se aplica a sanção eclesiástica;

b) supõe-se que tais suicidas não tenham dado sinal de retratação e penitência antes de expirar. O Papa Gregório XVI em sua carta "Officium" de 16 de Fevereiro de 1842 declarou não ser lícito admitir, sem mais, que todo suicida nos últimos instantes se arrepende de suas faltas. Para se afirmar isto em determinado caso, requerem-se indícios explícitos, como o ósculo do crucifixo, o desejo de estar com um sacerdote ou alguma atitude semelhante. Caso se tenha verificado algum destes sinais, é preciso torná-lo notório, a fim de evitar o escândalo público;

c) têm-se em vista unicamente os suicidas reconhecidos como tais. Por conseguinte, para tratar alguém como suicida, não basta encontrar um cadáver enforcado, afogado, morto por uma arma, ainda que esta se ache junto aos despojos do defunto.

Pois bem; a quem morra nas circunstâncias de delito acima enunciadas, a Igreja de modo nenhum atribui a condenação eterna. Somente Deus sabe o que se dá no foro interno da alma, quais as suas últimas disposições depois de desferir o golpe mortal; um suicida que se tenha sinceramente arrependido, embora não haja podido manifestar-se como tal, recebe de Deus o pleno perdão.

 

Contudo, abstração feita do foro interno, a Igreja, a,bom direito, julga que não pode dar aos seus filhos que morrem em aberta contradição a Deus e à natureza o mesmo tratamento que aos demais; a ação má (na medida em que ela aparece ao público) deve ser denunciada e repudiada. Por isto é que os cânones eclesiásticos privam de certas honras os ditos delituosos, negando-lhes o ritual da sepultura eclesiástica e a celebração pública, solene, da Santa Missa em sua intenção; não lhes recusam, porém, a aplicação do S. Sacrifício em caráter particular ou privado. Ora os católicos sabem que os frutos do Sacrifício Eucarístico de modo nenhum dependem da solenidade externa que se dá ao rito; sendo assim, o suicida não é destituído dos sufrágios que se costumam fazer na Santa Igreja em prol dos defuntos; caso esteja no purgatório, pode ser beneficiado como as demais almas aí existentes.

 

Vê-se, pois. que a legislação eclesiástica não implica algum juízo sobre o destino eterno da alma do suicida.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 3
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8489356)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.17
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista16.65
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.65
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.22
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.66
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.18
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.06
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.95
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.54
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns10.34
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.55
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.47
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.20
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.88
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.49
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.47
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.42
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.10
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.03
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.83
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.63
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.43
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.40
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.36
Procurando tornar o Evangelho presente no ambiente digital, podemos convidar as pessoas a viverem encontros de oração ou celebrações litúrgicas em lugares concretos como igrejas ou capelas. Não deveria haver falta de coerência ou unidade entre a expressão da nossa fé e o nosso testemunho do Evangelho na realidade onde somos chamados a viver, seja ela física ou digital... Somos chamados a dar a conhecer o amor de Deus até aos confins da terra.
Papa Bento XVI

Católicos Online