Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Fazer frutificar os dons recebidos

 

Evangelho segundo São Mateus (Mt), capítulo 25

 

14

Será também como um homem que, tendo de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens.

15

A um deu cinco talentos, a outro, dois, e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu.

16

Logo em seguida, o que recebeu cinco talentos negociou com eles, fê-los produzir, e ganhou outros cinco.

17

Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois.

18

Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor.

19

Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes contas.

20

O que recebeu cinco talentos, aproximou-se e apresentou outros cinco: - Senhor, disse-lhe, confiaste-me cinco talentos, eis aqui outros cinco que ganhei.'

21

Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel, já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.

22

O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: - Senhor, confiaste-me dois talentos, eis aqui os dois outros que lucrei.

23

Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel, já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.

24

Veio, por fim, o que recebeu só um talento: - Senhor, disse-lhe, sabia que és um homem duro, que colhes onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste.

25

Por isso, tive medo e fui esconder teu talento na terra. Eis aqui, toma o que te pertence.

26

Respondeu-lhe seu senhor: - Servo mau e preguiçoso! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei.

27

Devias, pois, levar meu dinheiro ao banco e, à minha volta, eu receberia com os juros o que é meu.

28

Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez.

29

Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á mesmo aquilo que julga ter.

30

E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores, ali haverá choro e ranger de dentes.

 

A parábola dos talentos diz respeito a todos os homens que, em lugar de ajudarem os seus irmãos com os seus bens, os seus conselhos e outros meios, só vivem para si próprios. [...] Nesta parábola, Jesus quer revelar-nos a enorme paciência de Nosso Senhor, mas, quanto a mim, penso que também faz alusão à ressurreição geral. [...] Antes de mais, os servos que prestam contas da sua gestão reconhecem, sem hesitações, o que era dom do seu senhor e o que era fruto da sua gestão. O primeiro diz: «Senhor, confiaste-me cinco talentos» e o segundo: «Senhor, confiaste-me dois talentos»; reconhecem assim que foi graças à bondade do seu senhor que obtiveram o capital que puseram a render em seu proveito. O seu reconhecimento vai ao ponto de atribuírem todo o mérito e toda a glória do seu sucesso à confiança do seu senhor. E que responde o senhor? «Muito bem, servo bom e fiel.» E não é realmente ser bom aplicar-se a fazer o bem aos seus irmãos? [...] «Entra no gozo do teu senhor»: trata-se da bem-aventurança da vida eterna.

 

Mas não foi assim com o mau servo. [...] Qual foi, pois, a resposta do senhor? «Servo mau e preguiçoso! [...] Devias ter levado o meu dinheiro aos banqueiros» quer dizer, devias ter falado, exortado, aconselhado os teus irmãos. Mas, replica talvez o servo, as pessoas poderiam não me escutar. Ao que o senhor responde: Isso não te diz respeito. [...] Podias, pelo menos ter depositado esse dinheiro para que eu o recebesse com juros quando regressasse. Esses juros designam as boas obras que procedem da escuta da Palavra que devemos anunciar. Devias ter feito a parte mais fácil do trabalho, deixando a mais difícil a meu cargo. [...] Que significa isto? Aquele que recebeu, a bem dos outros, a graça da palavra e do ensinamento e não fez uso deles verá essa graça ser-lhe tirada. Mas aquele que oferece a graça que recebeu com zelo e sabedoria receberá uma graça ainda mais abundante.

 

Comentário ao Evangelho de Mateus 25,14-30 feito por São João Crisóstomo (c. 345-407), presbítero de Antioquia, bispo de Constantinopla, Doutor da Igreja.

Homilias sobre o Evangelho de Mateus, nº 78, 2-3; PG 58, 713-714


São João Crisóstomo


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 7805553)/DIA
Diversos  Espiritualidade  4121 O Espírito Santo entre nós35.76
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?29.54
Vídeos  Testemunhos  4122 A conversão de Peter Kreeft28.51
Diversos  Igreja  4111 9 coisas que afastam as pessoas da Igreja19.61
Vídeos  História  4117 O nascimento da Igreja Católica18.87
Diversos  Aparições  4119 Nossos tempos são os últimos?16.81
Diversos  Doutrina  4120 A importância do catecismo15.14
Diversos  Apologética  4109 A virgindade perpétua de Maria na Bíblia14.69
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.27
Diversos  Testemunhos  4118 Como a Igreja mudou minha vida12.53
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?11.66
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.25
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.97
Diversos  Apologética  4102 Somente a Bíblia? Mentira!10.95
Diversos  Mundo Atual  4113 É o fim do cristianismo e da religião?10.72
Pregações  Doutrina  4091 O discurso do pobre10.59
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.53
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo10.10
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas9.81
Diversos  Igreja  4114 Unidade e Contradição9.40
Diversos  Sociedade  4116 O controle do povo9.27
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista8.64
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma8.62
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.58
A maior prova da instituição divina da Igreja é ela ter sobrevivido, e sobreviver, aos seus hierarcas.
Carlos Ramalhete

Católicos Online