Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 004 – abril 1958

 

Vale a Pena Ler a Bíblia?

SAGRADA ESCRITURA

AMIGO DA VERDADE (Rio de Janeiro):

Afinal de contas, convém ou não ler e mandar ler a Sagrada Escritura ? Certas páginas do Antigo Testamento não se poderiam tornar nocivas ?

 

Não há dúvida, a leitura das Sagradas Letras merece ser amplamente fomentada.

E porque ?

 

1) A Sagrada Escritura é, por definição, o Livro inspirado por Deus (isto não quer dizer que Deus tenha revelado aos autores bíblicos verdades novas, mas, sim, que iluminou a mente dos mesmos a fim que, aludindo aos elementos desta mundo segundo o modo de pensar e falar dos orientais antigos, transmitissem fielmente verdades religiosas).

 

A Sagrada Escritura é, por conseguinte, a palavra de Deus tornada palavra do homem, fazendo eco ao mistério da Encarnação, pelo qual Deus se uniu à natureza humana.

 

Tal prerrogativa compete somente à Bíblia, ficando todos os demais escritos, os mais piedosos e eruditos, aquém dessa dignidade; os santos e doutores escreveram bem porque se nutriram copiosamente da Sagrada Escritura. A mencionada prerrogativa faz que a Bíblia seja um sacramental, isto é, objeto sagrado que comunica a graça a quem o usa com fé e amor a Deus. Disto se segue importante conclusão: a leitura do livro sagrado é frutuosa, não exatamente na medida em que o entendemos com nossa capacidade natural, mas na medida da fé e das disposições sobrenaturais com que lemos. Há inegavelmente trechos obscuros na Bíblia: torna-se então oportuno perscrutar o seu significado mediante o uso de comentários e estudos, mas, mesmo que não se possa fazer isto ou não se chegue à plena compreensão, não fica vã a leitura da Bíblia, pois tais passagens santificarão sempre o cristão que as ler com espírito de fé e piedade, procurando entrar em comunhão com a Palavra e a Vida de Deus. É São João Crisóstomo (+407) quem ensina:

 

«Quem se entrega a uma leitura atenta (dos santos Evangelhos) é como que introduzido num templo sagrado, é iniciado nas coisas de Deus; purificado, torna-se melhor, pois Deus lhe fala por aqueles escritos.

 

Que acontecerá, dizem, se não entendemos o que os livros sagrados contêm ? Mesmo que não compreendas o que neles está depositado, lucras grande santificação pela leitura mesma...

 

Se nem pela assiduidade da leitura chegares a compreender o que está escrito, procura alguém mais sábio, vai ter com um mestre... manifesta teu grande desejo. Quando Deus te vir movido por tão ardente anelo, não desprezará tua vigilância e solicitude; e, ainda que não haja homem capaz de te explicar o que procuras, Ele mesmo certamente o revelará a ti. Lembra-te do eunuco da rainha da Etiópia (cf. At 8, 30s)...

 

É impossível, é impossível, digo, que alguém fique sem fruto se se dá zelosamente à leitura atenta e frequente das Escrituras» (De Lázaro, serm. 3,2s).

 

2) A autoridade dos Sumos Pontífices, corroborando estas idéias, tem mais e mais recomendado a leitura da Bíblia. Eis como se exprimia S. S. o Papa Pio XII na encíclica «Divino Afflante Spiritu»:

 

«Surge espontânea a convicção de que os fiéis e particularmente os sacerdotes têm o grave dever de aproveitar larga e santamente aquele tesouro (da exegese católica) acumulado durante tantos séculos pelos maiores talentos. Deus não deu aos homens os Livros Santos para satisfazer a sua curiosidade ou para lhes fornecer matéria de estudo e investigação, mas... para que estes divinos oráculos nos pudessem ‘instruir para a salvação pela fé em Jesus Cristo’ (cf. 2 Tim 3,15). Portanto os sacerdotes, que por ofício devem procurar a eterna salvação dos fiéis, depois de terem estudado diligentemente as sagradas páginas e as terem assimilado com oração e meditação, distribuam com o devido zelo nos sermões, homilias e práticas as celestes riquezas da Divina Palavra; confirmem a doutrina cristã com sentenças dos Livros Santos, ilustrem-na com os preclaros exemplos da história sagrada, nomeadamente do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo; e tudo isto — evitando diligente e escrupulosamente as acomodações arbitrárias e estiradas, verdadeiro abuso e não uso da Divina Palavra; exponham-na com tal facúndia e clareza, que os fiéis não só se movam e afervorem a melhorar a própria vida, mas concebam suma veneração para com a Sagrada Escritura».

 

Já Bento XV recomendava em 1920:

 

«Quanto a Nós, conforme o exemplo de São Jerônimo, nunca deixaremos de exortar todos os fiéis cristãos a que, em leitura diária, revolvam principalmente os sacrossantos Evangelhos de Nosso Senhor, os Atos dos Apóstolos e as Epístolas, e a que os procurem assimilar ao seu próprio sangue» (enc. «Spiritus Paraclitus»).

 

Vê-se neste trecho como o Sumo Pontífice insinua um paralelo entre a comunhão eucarística e a comunhão com a Palavra de Deus; assimilando as verdades contidas na Bíblia, o cristão fiel assimila, sim, a Vida Eterna.

 

A leitura da Bíblia foi mesmo enriquecida de indulgências:

 

«Aos fiéis que, ao menos durante um quarto de hora, lerem como leitura espiritual os livros da Sagrada Escritura com a suma veneração que se deve à Palavra de Deus, é concedida a indulgência de 300 dias» (S. Penitenciaria Apost., 22 de março de 1932).

 

Mas dir-se-á: a Bíblia contém narrativas que obviamente são pouco edificantes, podendo tornar-se mesmo nocivas a pessoas simples.

 

— Não se afirmará que a Bíblia só contém histórias de homens virtuosos, à semelhança de certas «Vidas de Santos» modernas; nem foi para nos dar um repertório de casos edificantes que o Espírito Santo se dignou inspirá-la. Não será, pois, com a preocupação de ler exemplos de virtude humana que abordaremos o texto sagrado. Outra deverá ser a nossa atitude, a qual decorrerá das seguintes considerações:

 

A Bíblia quer narrar a história das relações dos homens com Deus, fazendo tudo convergir para a idéia do Messias ou Redentor. Ora os homens com os quais o Senhor quis entrar em intercâmbio mais íntimo (isto é, o povo de Israel, destinado a guardar a fé monoteísta em meio ao politeísmo), se comportaram sempre como homens, filhos de Adão ou do pecador, inclinados ao mal, à infidelidade mais ou menos grosseira. Deus não quis corrigir instantaneamente essa natureza desregrada dos homens, por mais elevadas que fossem as tarefas a eles (Abrão, Isaque, Jacó, Davi, Salomão. . .) confiadas; permitiu simplesmente que o homem «reagisse» aos dons de Deus como podia, isto é, sem evitar as falhas e os escândalos decorrentes da miséria humana. Contudo, permitindo isto, Deus quis sempre mostrar-se “maior do que o mesquinho coração humano” (cf. 1 Jo 3, 20); onde a miséria abundava, a misericórdia superabundava (cf. Rom 5,20); assim a Bíblia nos apresenta a história do homem que destrói e de Deus que reconstrói pacientemente a sua obra. Não é, pois, no aspecto sinistro, humano, das narrativas bíblicas que devemos fixar a nossa atenção; tal aspecto constitui apenas o fundo sobre o qual mais deve sobressair a Bondade magnânima do Criador; e é a esta que o cristão deve considerar e admirar em qualquer das páginas «escandalosas» do Antigo Testamento. — O Espírito Santo, não encobrindo tais episódios, tinha unicamente em mim mostrar-nos mais o contraste entre a grandeza de Deus e a pequenez do homem que o Redentor veio salvar, A indignidade da parte das criaturas (mesmo das que são chamadas às mais elevadas funções no Reino de Deus) não nos deve surpreender, mas o que surpreende 6, sem dúvida, a condescendência, a caridade inesgotável do Senhor para com a sua criatura. Entendidas desta forma (que é a única autêntica), também as passagens aparentemente mais escabrosas da Escritura dão seus frutos de edificação e união com Deus. Saiba, pois, o cristão colocar-se nesta perspectiva e já não hesitará em ler o Livro sagrado; olhe para Deus e a obra da misericórdia mais do que para o homem e o seu pecado. E esteja sempre lembrado de que não terá sido por pouca coisa que Deus se quis «abalar», inspirando as páginas da Bíblia.

 

Do que foi dito se depreende que não seria consentâneo com o Espírito de Deus querer restringir a leitura da Sagrada Escritura ao Novo Testamento apenas; também as páginas do Antigo Testamento foram inspiradas para proveito e consolo dos cristãos que as leiam à luz das idéias acima indicadas (cf. Rom 15,4). De resto, não há quem leia com entendimento os Evangelhos ou São Paulo e não se sinta impelido a procurar conhecer no Antigo Testamento o fundo doutrinário e histórico do qual depende qualquer página do Cristianismo.

 

Esclarecimentos mais pormenorizados sobre textos difíceis do Antigo Testamento podem-se encontrar no livro de E. Bettencourt, «Para entender o Antigo Testamento». Editora AGIR 1956.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9003177)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.30
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns18.10
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.04
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.48
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.02
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.94
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.47
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.03
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.02
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.94
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.97
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.95
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.81
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.65
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.57
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.55
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.53
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.24
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.20
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.98
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.97
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.82
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.66
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.43
Tem cuidado pela unidade, pois nada há de melhor.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online