Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 009 – setembro 1958

O Rearmamento Moral

MORAL

AGOSTINHO (Barra do Piraí): “Que dizer do movimento chamado 'Rearmamento Moral’ ?”

Para poder apreciar devidamente esta instituição, proporemos, antes do mais, um esboço biográfico e as principais doutrinas do seu fundador,

1. O fundador e a ideologia do Rearmamento Moral

O Rearmamento Moral deve sua origem ao pastor luterano Franz Nathan Daniel Buchman.

Buchman nasceu em 1878 na Pensilvânia (EUA.), de família oriunda da Suíça. Fez-se pastor luterano em 1902, passando a dirigir pequena igreja de seu credo. Após um incidente, viajou para a Inglaterra, onde concebeu a intuição muito nítida da utilidade de que cada homem conheça os próprios pecados, os confesse a outrem, confie em Deus e atenda às inspirações do Espírito Santo. Voltou à pátria, visitou o Oriente, até finalmente estabilizar-se em Oxford, na Inglaterra, onde passou a viver com um grupo de estudantes, discípulos seus, que se tornaram ardorosos pioneiros de novo Movimento.

Buchman ensinava um método de vida baseado sobre quatro grandes valores («standarts of Life»): honestidade absoluta (nos negócios), pureza absoluta (nos costumes), altruísmo absoluto, amor absoluto

... e sobre quatro práticas essenciais:

Sharing: consiste em que cada indivíduo comunique aos outros as próprias experiências religiosas, confessando os pecados, as tentações, etc. (consoante Tg 5,16; Ef 4,25);

Surrender: abandono total ã guia de Deus;

Restitution: reparação do mal cometido;

Listening to God's Guidance: docilidade, para que todos escutem e sigam a direção do Espírito Santo. Para se poder preencher este quarto requisito, Buchman preconiza o Quiet time, ou seja, quinze minutos de recolhimento diário, a fim «de se escutar calmamente no silêncio a voz esquecida da consciência e obedecer-lhe», ou ainda a fim de que cada cidadão «situe a sua existência pessoal num universo que já não é apenas o do espaço e o do tempo, mas um mundo espiritual, que comporta perspectivas totalmente novas».

Com esses elementos Buchman visava restaurar entre os seus discípulos o Cristianismo primitivo e renovar o mundo, renovando as ideias, os homens e as nações.

O movimento buchmaniano tomou sucessivamente as designações de “Group Movement”, “Oxford Group Movement”, por se ter propagado inicialmente entre os estudantes de Oxford, e, a partir de 1939, “Moral Re-Armament”; donde a abreviatura M. R. A.

A data oficial de fundação do Rearmamento Moral é o dia 4 de junho de 1938. Famosa se tornou a grande assembleia rearmamentista realizada em Holywood aos 19 de julho de 1939, à qual compareceram 30,000 pessoas a representar trinta nações congregadas sob o dístico : «Novos homens, novas nações, novo mundo». Cada membro do grupo é essencialmente um Life-changert ou seja, um missionário ardoroso, ávido de converter ou transformar, quanto antes, a vida dos indivíduos e dos povos. Este grande anseio, expresso em discursos por meio de calorosos apelos e descrições ideais de um futuro mundo mergulhado na paz e na prosperidade, explica a vultuosa expansão do Movimento, que em breve se estendeu das Ilhas Britânicas à Escandinávia, à América do Norte, à Austrália e à Nova Zelândia. Em 1945, após a segunda guerra mundial, retomou, de maneira fulminante e com notável êxito, as suas atividades, forçosamente detidas pela catástrofe internacional. Hoje em dia o Rearmamento Moral conta um centro de difusão em Mackinac (Michigan) nos Estados Unidos, e outro em Caux-sur-Montreux na Suíça, achando-se, de resto, implantado em quase todos os países do mundo. O Movimento oficialmente declara não ter caráter religioso, isto é, não professar dogma nem credo particular; aceita, por conseguinte, fiéis de todas as confissões, os quais poderão, como dizem os rearmamentistas, tomar consciência mais viva de sua ideologia religiosa própria.

2. Rearmamento Moral e Moral Católica

Os arautos do novo Movimento enunciam notáveis resultados obtidos na pacificação de conflitos sociais, com satisfação para as partes contendentes. Citam os nomes de chefes comunistas que abandonaram o marxismo para aderir à ideologia rearmamentista, que seria a genuína chave para os problemas sociais.

Na verdade, o Rearmamento Moral pode ter concorrido decisivamente para despertar a consciência de muitos homens indiferentes ou imbuídos de puro materialismo. Isto, porém, não basta para que mereça aprovação e seja tido como solução dos males contemporâneos. Justamente por distinguir entre Moral e Religião (daí chamar-se Rearmamento Moral sem explícita crença religiosa), por querer reerguer o homem no plano da moralidade, fazendo abstração de qualquer confissão precisa de Deus, o Rearmamento toma posição falsa, embora aparentemente honesta. Deus — e, note-se bem, o Deus único, que se revelou por Cristo e pela Igreja — não é mero complemento, de caráter particular, que se possa dar a um programa humanitário concebido independentemente de Cristo e da Igreja. Qualquer tentativa autêntica de reerguimento da sociedade tem que ser iluminada desde o inicio não somente pela idéia de Deus, mas também pela realidade de Cristo e da Igreja, que é inseparável daquela idéia. Em caso contrário, o homem de certo modo se opõe aos desígnios de Deus : «Quem não é por Mim, é contra Mim, e quem não recolhe comigo, dispersa» (Lc 11,23).

Além disto, apontam-se no Rearmamento Moral falhas particulares, como sejam a comunicação (Sharing) de experiências interiores, abertura de consciência feita a qualquer pessoa, mesmo entre rapazes e moças; o perigo de se tomarem por inspirações do Espírito Santo as manifestações da fantasia ou das inclinações pessoais concebidas durante o Quiet time, tempo cotidiano em que «se escuta a palavra de Deus». Em suma, o subjetivismo impregna profundamente as práticas do Rearmamento.

Durante anos as autoridades da Igreja não tomaram posição definida perante o Rearmamento Moral; a muitos católicos seduziam os termos nobres do respectivo programa... Aos poucos, porém, foi-se verificando que o Movimento não pode deixar de insuflar certo relativismo e indiferença em matéria de religião; como há rearmamentistas que conscientemente se querem imunizar contra este mal, há também muitos que se tornam vitimas dessa mentalidade. Em consequência, a Santa Sé houve por bem baixar normas restritivas ao Rearmamento Moral.

Tal é a instrução do Santo Oficio publicada em 1955:

“O Santo Oficio se admira por ver. católicos e mesmo eclesiásticos procurarem a obtenção de fins morais e sociais, ainda que louváveis, no seio de um movimento que está bem longe de possuir o patrimônio de doutrina, de vida espiritual e de meios sobrenaturais de graça próprio da Igreja Católica. Notou-se ainda, com o maior assombro, o modo como certos indivíduos, defendendo com entusiasmo exagerado os métodos e os meios propostos pelo Rearmamento Moral, parecem pensar — conforme a impressão que fazem — que estes são mais eficazes no seio daquele movimento do que no seio da própria Igreja Católica. Além disto, muitos veem no Rearmamento Moral um perigo de sincretismo e indiferentismo religioso. Por este motivo o Santo Ofício repete as diretivas seguintes:

1º) Não ê conveniente que sacerdotes seculares ou Religiosos, e muito menos Religiosas, participem dos encontros do Rearmamento Moral.

2º) Se em casos ou circunstâncias excepcionais se torne oportuna uma tal participação, a permissão do Santo Ofício deve ser pedida antecipadamente. Esta permissão não será concedida senão a sacerdotes doutos e particularmente prudentes, especialmente do ponto de vista doutrinal e teológico.

3º) Enfim não é conveniente que leigos católicos aceitem postos de direção no Rearmamento Moral.”

 

Em 1957 o «Osservatore Romano» lembrava que permaneciam válidas as normas acima: aos sacerdotes não explicitamente autorizados pela Sta. Sé fica proibida a participação nas reuniões do Rearmamento Moral; quanto aos fiéis leigos, não lhes é lícito aceitar funções e cargos dentro desse Movimento. Justificando a admoestação, o jornal observava que o Rearmamento “de tal modo obscureceu os princípios elementares da Religião que tornou manifestos e sérios os perigos da indiferença” em matéria religiosa.

 

Sobre o humanitarismo leigo, cf. P, R. 7/1957, qu. 16; sobre a Moral leiga, cf. P. R. 7/1958, qu. 5.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8537220)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.30
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.71
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.26
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.74
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.14
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.11
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns11.06
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo10.86
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.57
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista9.52
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.67
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.25
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.13
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.86
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.54
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.44
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.29
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.04
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.01
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.90
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.61
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.45
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.41
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.19
Aquelas bem-aventuradas virgens, que se consagraram a Jesus Cristo, podem estar certas de que não encontrarão, nem no céu nem na terra, um esposo tão belo, tão nobre, tão rico, tão amável como Aquele que lhes foi dado, Jesus Cristo.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online