Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 017 – maio 1959

 

Se Deus é Imutável, Adianta Rezar?

DOGMÁTICA

BARRETO (São Paulo) pergunta:

“Se a vontade de Deus é imutável, adianta rezar? Oremos ou não, acontecerá aquilo que Deus já determinou”.


1) A dificuldade procede de imperfeito conceito de oração: fàcilmente se julga que esta é uma força da qual dispomos para persuadir a Deus..., para tentar mesmo incutir-Lhe violência e inclinar a sua .vontade a fazer a nossa vontade... Está claro que tal noção não resiste a um exame ponderado: quem não rejeitaria a ideia de que a vontade de Deus se possa mudar? Toda mudança supõe imperfeição.


A S. Escritura mesma afirma:

«Deus não é como os filhos dos homens; Ele não muda» (Núm 23,19).

«Eu sou o Senhor, e não mudo» (Mal 3,6).


Explorando a imutabilidade da vontade de Deus, os deístas do séc. XVIII rejeitavam a oração e apregoavam um tipo de religião em que as relações do homem com Deus tinham que ser naturalmente muito pálidas e frias. Fatalismo e desespero apoderam-se então das almas, com facilidade.


2) Será, porém, que o conceito de súplica acima proposto corresponde realmente à mentalidade cristã? Ter-se-á Cristo enganado ou haverá falado linguagem vã, quando dizia: «Pedi, e recebereis; procurai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á» (Mt 7,7) ?


Na verdade, o cristão professa outra noção de súplica: sabe muito bem que a vontade de Deus é imutável e que, por conseguinte, o Senhor dará ou deixará de dar aos homens aquilo que desde toda a eternidade Ele escolheu; o cristão, porém, sabe outrossim que Deus determinou não somente os objetos que Ele quer dar, mas também os instrumentos e as circunstâncias mediante os quais Ele quer dar; em outros termos: o modo como Deus concede suas graças, as causas segundas que Ele utiliza para dispensá-las, foram também desde toda a eternidade intencionadas pelo Altíssimo. Ora entre os meios que o Criador houve por bem associar à distribuição de seus dons, está a oração das criaturas. Donde se vê que esta em absoluto não é vã, mas, ao contrário, tem lugar imprescindível no plano de Deus.


3) Aprofundemos estas idéias, perguntando-nos porque terá o Onipotente determinado dar mediante a prece dos mortais.

O motivo é grandioso.


Todas as criaturas subsistem exclusivamente por dom de Deus. Os irracionais, porém, recebem sem ter consciência disto; desconhecem a munificência do Criador. — O mesmo não se dá com o homem. Este, dotado de inteligência, é capaz de reconhecer o contínuo influxo de Deus sobre a sua vida; por conseguinte, o Criador determinou que o homem receba as dádivas do Céu não à semelhança de um autômato, mas na qualidade de ser racional, consciente e sequioso do que recebe; ora a súplica é justamente a expressão da consciência e do desejo que o homem tem, de ser agraciado. A criatura que é capaz de reconhecer que ela só vive das esmolas de Deus, tem de pedir esmolas; a própria harmonia das coisas já por si nos sugere isto. Ademais sabemos que, desejando e, na medida do seu desejo, recebendo, o homem não pode deixar de valorizar mais o dom do Pai celeste; excitando e nutrindo santas aspirações, evita a rotina e a tepidez do espírito.


S. Tomaz expõe semelhantes ideias nos seguintes termos:

«Deus em sua liberdade nos concede muitas dádivas, sem mesmo que as peçamos. Em certos casos, porém, Ele quer dar mediante a nossa oração, porque isto nos é útil. Destarte, sim, adquirimos a confiança de recorrer a Ele e reconhecemos Deus como autor de nossos bens. Por isto diz S. João Crisóstomo: 'Considera quão grande ventura te é concedida, quanta glória outorgada: eis que podes conversar com Deus pela prece, entrar em colóquio com Cristo, exprimir os teus desejes e aspirações’» (Suma Teol. II/II 83, a. 2, ad 3).


4) À luz destas idéias, vê-se que a oração cristã não pretende, em absoluto, dobrar ou violentar a vontade de Deus (por vezes ouvem-se estas expressões mesmo entre cristãos piedosos; elas só se justificam, se tomadas em sentido impróprio ou metafórico). Na verdade, a oração, em vez de fazer que Deus desça às categorias por vezes mesquinhas dos planos do homem, faz que este se eleve aos desígnios de Deus, colaborando e identificando-se com eles. Mais brevemente: a oração tende a elevar nossa vontade à altura da vontade de Deus, a fim de que queiramos no tempo o que o Pai desde toda a eternidade decretou conceder-nos.


Por isto também, em última análise, toda oração cristã pede que seja feita a vontade de Deus tão perfeitamente na terra como no céu. O cristão pode, sem dúvida, especificar os objetos de seus pedidos — pão, casa, vestes, saúde, emprego, tais e tais graças espirituais... Mas, se ela deseja tais bens, deseja-os subordinadamente, deseja-os porque (segundo o limitado modo de pensar humano) lhe parecem oportunos para realizar melhor a vontade do Pai, que é certamente a santificação do orante e a glorificação de Deus. Estas devem ser as intenções dominantes de toda oração cristã; o discípulo de Cristo ora para colaborar na execução destes dois grandes objetivos.


Não se poderia inculcar demais a estrutura da prece cristã: ela deve visar sempre e acima de tudo a posse do Bem Infinito ou Deus; é também o Bem infinito ou a participação da sua própria felicidade que o Altíssimo nos quer dar acima de tudo (peçamos, pois, sempre e antes de mais nada, a graça da união com Deus e da perfeição espiritual). Os demais bens podem-se tornar objetos de nossos pedidos, mas de maneira condicionada. As súplicas concebidas nessa atitude de mente nunca serão inúteis: ser-nos-á lícito desejar pão, saúde, emprego ..; mesmo que o Pai do Céu não haja por bem conceder-nos tais dons (por julgá-los pouco oportunos à nosso santificação), conceder-nos-á sempre o objetivo supremo das nossas preces, isto é, progresso na santificação e na união com Deus.


Confiança, pois, na oração! Embora Deus a pudesse dispensar, Ele, ao contrário, quis dar-lhe papel central em seu plano de distribuição de graças. E isto, a fim de dignificar os homens, tornando-os colaboradores com a sábia Providência
Divina

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9819743)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?87.75
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns27.42
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.99
Vídeos  Testemunhos  4175 Professor de Harvard se converte15.81
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.46
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.06
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.92
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.61
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.44
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.66
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.92
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.95
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.67
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.37
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.20
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.00
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.82
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.59
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.48
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.87
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.65
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.49
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.46
Eu desejaria ser triturado como o trigo para Vos ser oferecido como hóstia pura!
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online