Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE e RESPONDEREMOS 017 – maio 1959

 

Se Deus é Imutável, Adianta Rezar?

DOGMÁTICA

BARRETO (São Paulo) pergunta:

“Se a vontade de Deus é imutável, adianta rezar? Oremos ou não, acontecerá aquilo que Deus já determinou”.


1) A dificuldade procede de imperfeito conceito de oração: fàcilmente se julga que esta é uma força da qual dispomos para persuadir a Deus..., para tentar mesmo incutir-Lhe violência e inclinar a sua .vontade a fazer a nossa vontade... Está claro que tal noção não resiste a um exame ponderado: quem não rejeitaria a ideia de que a vontade de Deus se possa mudar? Toda mudança supõe imperfeição.


A S. Escritura mesma afirma:

«Deus não é como os filhos dos homens; Ele não muda» (Núm 23,19).

«Eu sou o Senhor, e não mudo» (Mal 3,6).


Explorando a imutabilidade da vontade de Deus, os deístas do séc. XVIII rejeitavam a oração e apregoavam um tipo de religião em que as relações do homem com Deus tinham que ser naturalmente muito pálidas e frias. Fatalismo e desespero apoderam-se então das almas, com facilidade.


2) Será, porém, que o conceito de súplica acima proposto corresponde realmente à mentalidade cristã? Ter-se-á Cristo enganado ou haverá falado linguagem vã, quando dizia: «Pedi, e recebereis; procurai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á» (Mt 7,7) ?


Na verdade, o cristão professa outra noção de súplica: sabe muito bem que a vontade de Deus é imutável e que, por conseguinte, o Senhor dará ou deixará de dar aos homens aquilo que desde toda a eternidade Ele escolheu; o cristão, porém, sabe outrossim que Deus determinou não somente os objetos que Ele quer dar, mas também os instrumentos e as circunstâncias mediante os quais Ele quer dar; em outros termos: o modo como Deus concede suas graças, as causas segundas que Ele utiliza para dispensá-las, foram também desde toda a eternidade intencionadas pelo Altíssimo. Ora entre os meios que o Criador houve por bem associar à distribuição de seus dons, está a oração das criaturas. Donde se vê que esta em absoluto não é vã, mas, ao contrário, tem lugar imprescindível no plano de Deus.


3) Aprofundemos estas idéias, perguntando-nos porque terá o Onipotente determinado dar mediante a prece dos mortais.

O motivo é grandioso.


Todas as criaturas subsistem exclusivamente por dom de Deus. Os irracionais, porém, recebem sem ter consciência disto; desconhecem a munificência do Criador. — O mesmo não se dá com o homem. Este, dotado de inteligência, é capaz de reconhecer o contínuo influxo de Deus sobre a sua vida; por conseguinte, o Criador determinou que o homem receba as dádivas do Céu não à semelhança de um autômato, mas na qualidade de ser racional, consciente e sequioso do que recebe; ora a súplica é justamente a expressão da consciência e do desejo que o homem tem, de ser agraciado. A criatura que é capaz de reconhecer que ela só vive das esmolas de Deus, tem de pedir esmolas; a própria harmonia das coisas já por si nos sugere isto. Ademais sabemos que, desejando e, na medida do seu desejo, recebendo, o homem não pode deixar de valorizar mais o dom do Pai celeste; excitando e nutrindo santas aspirações, evita a rotina e a tepidez do espírito.


S. Tomaz expõe semelhantes ideias nos seguintes termos:

«Deus em sua liberdade nos concede muitas dádivas, sem mesmo que as peçamos. Em certos casos, porém, Ele quer dar mediante a nossa oração, porque isto nos é útil. Destarte, sim, adquirimos a confiança de recorrer a Ele e reconhecemos Deus como autor de nossos bens. Por isto diz S. João Crisóstomo: 'Considera quão grande ventura te é concedida, quanta glória outorgada: eis que podes conversar com Deus pela prece, entrar em colóquio com Cristo, exprimir os teus desejes e aspirações’» (Suma Teol. II/II 83, a. 2, ad 3).


4) À luz destas idéias, vê-se que a oração cristã não pretende, em absoluto, dobrar ou violentar a vontade de Deus (por vezes ouvem-se estas expressões mesmo entre cristãos piedosos; elas só se justificam, se tomadas em sentido impróprio ou metafórico). Na verdade, a oração, em vez de fazer que Deus desça às categorias por vezes mesquinhas dos planos do homem, faz que este se eleve aos desígnios de Deus, colaborando e identificando-se com eles. Mais brevemente: a oração tende a elevar nossa vontade à altura da vontade de Deus, a fim de que queiramos no tempo o que o Pai desde toda a eternidade decretou conceder-nos.


Por isto também, em última análise, toda oração cristã pede que seja feita a vontade de Deus tão perfeitamente na terra como no céu. O cristão pode, sem dúvida, especificar os objetos de seus pedidos — pão, casa, vestes, saúde, emprego, tais e tais graças espirituais... Mas, se ela deseja tais bens, deseja-os subordinadamente, deseja-os porque (segundo o limitado modo de pensar humano) lhe parecem oportunos para realizar melhor a vontade do Pai, que é certamente a santificação do orante e a glorificação de Deus. Estas devem ser as intenções dominantes de toda oração cristã; o discípulo de Cristo ora para colaborar na execução destes dois grandes objetivos.


Não se poderia inculcar demais a estrutura da prece cristã: ela deve visar sempre e acima de tudo a posse do Bem Infinito ou Deus; é também o Bem infinito ou a participação da sua própria felicidade que o Altíssimo nos quer dar acima de tudo (peçamos, pois, sempre e antes de mais nada, a graça da união com Deus e da perfeição espiritual). Os demais bens podem-se tornar objetos de nossos pedidos, mas de maneira condicionada. As súplicas concebidas nessa atitude de mente nunca serão inúteis: ser-nos-á lícito desejar pão, saúde, emprego ..; mesmo que o Pai do Céu não haja por bem conceder-nos tais dons (por julgá-los pouco oportunos à nosso santificação), conceder-nos-á sempre o objetivo supremo das nossas preces, isto é, progresso na santificação e na união com Deus.


Confiança, pois, na oração! Embora Deus a pudesse dispensar, Ele, ao contrário, quis dar-lhe papel central em seu plano de distribuição de graças. E isto, a fim de dignificar os homens, tornando-os colaboradores com a sábia Providência
Divina

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
7 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9277440)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.89
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns20.28
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.14
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.47
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.09
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.02
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.74
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.10
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.92
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.18
Pregações  Escatologia  4162 O Anticristo8.55
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.05
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.04
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.92
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.82
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.68
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.65
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.30
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.29
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.96
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.68
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.52
Onde não há virtudes naturais a graça não pode operar.
Carlos Ramalhete

Católicos Online