Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Pergunte e Responderemos 016 – abril 1959

 

Virgindade e Matrimônio

DOGMÁTICA S. F. (Campina Grande): “Se o estado conjugal é santificado por um sacramento próprio, ao passo que não há sacramento especial para o estado virginal, como se pode dizer que a virgindade é mais digna do que o matrimônio?

 

1. O fato de que a virgindade representa um dom de Deus ainda mais rico do que o matrimônio, consta claramente das palavras de Cristo (Mt 19,12) e São Paulo (1 Cor 7) já comentadas em «P. R.» 7/1957, qu. 7.


Resta agora ver como se podem conciliar as afirmações da S. Escritura com a dificuldade proposta no enunciado da questão.

 

2. A solução se deriva das seguintes considerações:


a) O sacramento do matrimônio é conferido a certa categoria (numerosa, sem dúvida) de cristãos chamados a se santificar mediante o consórcio conjugal. Santificar-se, porém, quer dizer: chegar à união perfeita com Cristo. Consequentemente a esposa cristã, em todos os atos de sua vida matrimonial, tem que ver no consorte o sinal de Cristo; amando o seu esposo humano, ela tem que procurar merecer o beneplácito do Divino Esposo, de sorte que, no fim da vida presente, esteja unida ao Senhor Jesus na caridade perfeita. — Algo de análogo, é claro, se dá com o marido cristão: este tem que considerar a sua esposa como sinal sobrenatural, ou seja, como a Igreja de Cristo (cf. Ef 5,25-32); dando-se à sua consorte, ele deve-se aproximar cada vez mais do Senhor.


Em uma palavra: o estado matrimonial foi instituído pelo Criador para levar os cônjuges ao que se chama «as núpcias místicas» com Cristo. Esta é, aliás, a meta comum de todo cristão; no matrimônio, porém, tal objetivo é atingido por via indireta, ou seja, mediante a entrega a sinais do Cristo ou às várias criaturas com as quais o esposo e a esposa têm que lidar. E justamente para santificar esta etapa intermediária, a qual não deixa de oferecer perigos (cf. 1 Cor 7, 32-35), Cristo instituiu o sacramento do matrimônio.


b) Voltando agora nossa atenção para a virgindade, verificamos que ela representa a antecipação do estado consumado na medida em que isto é possível na terra; o celibatário e a virgem procuram viver em presença de Cristo, livres das solicitudes da carne e do mundo, à semelhança do que se dá no céu. Assim o celibatário procura por via direta aquilo a que o cônjuge tende por via indireta. O estado virginal carece daquela nota de divisão a que alude o Apóstolo em 1 Cor 7. Por isto também o estado virginal não precisa de ser santificado por um sacramento próprio.

 

3. A fim de aprofundar estas idéias, utilizaremos aqui uma distinção que se tornou clássica entre os teólogos.

Todo sacramento apresenta à nossa consideração três aspectos:

a) um sinal externo, que é mero sinal destinado a causar efeitos invisíveis na alma; por exemplo, a água no batismo, o óleo na crisma, as palavras do consentimento matrimonial no casamento. É o que se chama o sacramentam tantum, na terminologia técnica;

b) um efeito interno na alma, que por sua vez ainda é sinal de ulterior efeito; por exemplo, o caráter (configuração espiritual) imediatamente produzido pela aplicação da água no batismo, ou o vínculo conjugai causado pelas palavras do consentimento no matrimônio. É o que se chama res et sacramentum (efeito e sinal);

c) um efeito que não é mais sinal, mas efeito apenas (res tantum); é a graça santificante, que todo sacramento confere.

 

Como se sabe, os sacramentos podem ser validamente administrados sem produzir necessàriamente a graça santificante. É o que se dá todas as vezes que o cristão participa do rito sagrado sem ter as devidas disposições espirituais; dado, por exemplo, que alguém contraia matrimônio em pecado mortal, se se casa segundo os trâmites canônicos, o sacramento é válido e o vinculo conjugal se estabelece, mas o nubente não recebe graça santificante. Também a crisma pode conferir o caráter à alma sem comunicar a graça santificante, caso a pessoa que se crisma esteja em pecado mortal.


Estas distinções servem para mostrar que todo sacramento é um dom não consumado, mas tendente à consumação; todo sacramento está essencialmente associado ao regime de via, de véus e símbolos provisórios em que nos achamos.


Ao contrário, a virgindade cristã é de tal modo afim ao estado de consumação que nela não tem cabimento a distinção entre mero sinal externo e graça santificante: ou a virgindade cristã é abraçada e sustentada por amor a Deus na graça santificante, ou simplesmente ela não tem razão de ser; a virgem que vivesse habitualmente em pecado mortal, seria um absurdo monstruoso na Santa Igreja. Para se justificar perante o mundo, ela tem que ser cheia de Deus.


Donde se vê que, se ao estado de virgindade não corresponde um sacramento próprio (além do Batismo e da Eucaristia, que são os sacramentos básicos da vida cristã), isto se dá não porque o estado virginal seja menos perfeito do que o matrimônio, mas justamente porque o estado virginal já toca de mais perto as raias da perfeição consumada ou da plenitude, à qual tende de mais longe o matrimônio. A virgindade cristã inclui em seu conceito a res (o efeito derradeiro) de todo sacramento, ou seja, a vida na graça e na caridade, ao passo que a essência dos sacramentos já se salva mesmo quando eles não podem conferir a graça.

 

4. Se não há sacramento especial, há ao menos sacramentais que põem a virgindade cristã em contato particular com a Cruz de Cristo e as graças do Salvador: são a consagração virginal e a profissão religiosa de castidade. A Santa Igreja, reconhecendo nesses dois sacramentais a excelência do estado celibatário, empenha toda a sua «graciosidade» ou a sua força impetratória para pedir de Deus os mais ricos frutos espirituais em favor de tal ou tal virgem cristã. É de crer seja realmente muito agradável ao Pai do Céu a prece da Esposa de Cristo então proferida. — É, de resto, nesses dois sacramentais que se vão encontrar as mais eloquentes afirmações de que a virgindade cristã representa o ideal de todo e qualquer matrimônio ou... de que a virgindade realiza diretamente, e de modo tão perfeito quanto possível, aquilo que o matrimônio (santificado pelo sacramento) tende a atingir indiretamente.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
8 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9825577)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?87.74
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns27.51
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.00
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.49
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.06
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.93
Vídeos  Testemunhos  4175 Professor de Harvard se converte11.86
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?11.63
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.45
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.66
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes9.94
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.96
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.67
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.38
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.20
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.01
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.82
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.60
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.48
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.87
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?6.66
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.50
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.46
No silêncio e no ocultamento das almas fervorosas é que se decidem as grandes batalhas do Reino de Deus.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online