Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 003 – março 1958

 

Muitas Missas por uma Intenção?

DOGMÁTICA

OSVALDO (Lorena) pergunta: “Se a Missa tem valor infinito, por que se celebra mais de uma Missa por determinada intenção?”

 

1. Na elucidação desta questão, faz-se mister recordar primeiramente o que é a S. Missa.

 

Em poucas palavras, a Missa é o sacrifício mesmo do Calvário tornado presente sobre os nossos altares para que dele participemos. O que quer dizer:

 

a) não é mero rito simbólico, imagem destituída de conteúdo, cuja função seria unicamente evocar na memória dos assistentes um feito passado;

b) doutro lado, porém, não é novo sacrifício de Cristo, posterior ao do Calvário, como se Jesus continuasse a sofrer e morrer após a sua gloriosa ressurreição.

 

Positivamente, pois, a Missa é a própria imolação de Cristo (outrora oferecida cruentamente na cruz) que a Onipotência Divina torna presente de maneira incruenta sobre os altares, sem que multiplique tal imolação, mas sem que por isto lhe diminua algo de sua plena realidade. A mesma oblação de Cristo, numericamente a mesma, realizada no pretérito deixa de pertencer ao pretérito e se faz presente — «Mistério da fé», diz a fórmula de consagração eucarística.

 

E por que quis Jesus Cristo instituir tal rito?

 

Ele o quis em vista de seus fiéis, ou seja, a fim de associar ao sacrifício da Cruz a sua Igreja. Com efeito, outrora no

Calvário Jesus como Sacerdote se ofereceu ao Pai qual Vítima pelos pecados do mundo. Atualmente na S. Missa Jesus oferece com a Igreja, que participa do Sacerdócio de Cristo; e oferece-se com a Igreja, que participa da qualidade de Cristo Hóstia.

 

Ora lembremo-nos de que a Igreja não é apenas o clero, mas é o Corpo Místico de Cristo, Corpo Místico do qual todo cristão é um membro ou uma célula viva. É, pois, em cada fiel batizado que a Igreja repousa, vive e age.

 

2. Deste fato decorre importante consequência referente aos frutos da S. Missa.

 

Sendo a Missa o próprio sacrifício da Cruz celebrado de maneira incruenta, compreende-se que cada S. Missa tem em si valor infinito; com efeito, qualquer dos atos de Cristo possui tal valor, já que procede de uma Pessoa Divina. Por conseguinte, uma só Missa por si seria suficiente para dar a Deus todo o louvor que as criaturas lhe devem, suficiente também para apagar as culpas de todos os homens, perdoar todas as penas satisfatórias, obter todas as graças, espirituais e temporais, necessárias à salvação, etc.

 

Na realidade, porém, o valor infinito da Missa não é aplicado aos homens em grau infinito; os frutos da S. Missa, para as criaturas, são sempre limitados.

Por que?

 

Porque a Missa não é somente oferecida por Cristo. Enquanto, sim, é oferecida por Cristo, toda Missa indubitavelmente produz frutos para o gênero humano. Na medida, porém, em que os membros do Cristo, os cristãos, são associados ao oferecimento, esses frutos são restritos. Com efeito, o Corpo Místico, com o qual Jesus compartilha o seu ato de oblação, consta de uma multidão de homens portadores das consequências do pecado, por isto coibidos em seu espírito de imolação, de entrega total ao Pai. A parte de devotamento próprio, que cada cristão associa à oblação dc Cristo, está sujeita às restrições que o egoísmo e a covardia ocasionam, estes empecilhos, como se compreende, tornam os fiéis menos aptos a usufruir os benefícios da Redenção e consequentemente limitam a aplicação dos frutos da S. Missa.

 

Em termos positivos, poder-se-ia dizer com as palavras do Cânon da Missa (oração “Te igitur”): é a fé e a devoção (espírito de entrega e de amor) dos cristãos, em uns mais intensa, em outros menos vívida, que os torna capazes de impetrar em seu favor e em favor de outrem, as graças decorrentes do sacrifício eucarístico.

 

3. Enunciados estes princípios gorais, desçamos a pormenores da doutrina.

 

Costumam-se distinguir três tipos de frutos decorrentes de cada celebração da S. Missa:

a) frutos gerais, isto é, graças que redundam em beneficio de toda a S. Igreja e de cada um de seus membros diretamente; indiretamente, beneficiam também todos os homens que não pertencem à Igreja, visto que a santificação dos cristãos implica a santificação do mundo;

b) frutos especiais: são graças que tocam ao celebrante, aos seus ministros e a Iodos os que assistem fisicamente ao sacrifício, nele tomando alguma parte;

c) frutos especialíssimos: são graças cuja aplicação a Misericórdia Divina deixa à livre escolha dos fiéis. Pode-se-lhes, portanto, assinalar um destino particular; é o que os fiéis fazem quando pedem seja a S. Missa celebrada por tal ou tal de suas intenções próprias (por um defunto, em ação de graças, etc.). — A intenção formulada será mais ou menos beneficiada na medida da fé e da devoção dos cristãos considerados na seguinte hierarquia:

1º ) o sacerdote que celebra a S. Missa, pois este será o representante imediato da S. Igreja em tal ato litúrgico;

2º ) os fiéis que tiverem ocasionado a celebração da Missa formulando a respectiva intenção, pois estes serão, logo após o celebrante, os oferentes mais diretos, por conseguinte os mais próximos representantes da Igreja;

3º ) os fiéis que estiverem presentes à celebração do sacrifício, rezando com o celebrante;

4º ) os fiéis da Igreja universal (mesmo ausentes e longínquos), pois todos os cristãos são envolvidos nos atos oficiais da Igreja; são eles que constituem de maneira concreta a face humana da Esposa de Cristo.

 

Disto tudo se depreende a importância que têm as disposições de piedade com que os fiéis assistem à S. Missa. Compreende-se também que mais de uma S. Missa seja aplicada por uma só intenção  já que nunca se podem avaliar com precisão os efeitos produzidos por uma celebração eucarística, é óbvio que se repita a aplicação da S. Missa pela mesma intenção, a fim de finalmente se atingirem todos os benefícios colimados por esta intenção. —- Caso não fosse mais necessária a celebração em vista de tal fim, os frutos respectivos redundariam em proveito das intenções gerais da S. Igreja.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9277392)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.89
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns20.28
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.14
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.47
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.09
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.02
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.74
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.10
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.92
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.18
Pregações  Escatologia  4162 O Anticristo8.55
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.05
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.04
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.92
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.82
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.68
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.65
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.30
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.29
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.96
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.68
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.52
Antigamente, as pessoas eram mais resignadas ao sofrimento e à cruz. Hoje, há a ilusão de conseguir vencer o sofrimento, a dor e a morte por meio da tecnologia... e queremos ser felizes aqui e agora. Mas, Jesus nunca prometeu a felicidade aqui, quem promete isso é o diabo.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online