Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 003 – março 1958

 

Antroposofia e Cristianismo

M. A. P. M. (Piracicaba): “Que é a Antroposofia e em que se distancia do Catolicismo?

 

A) A Antroposofia constitui uma Escola filosófica fundada por Rudolf Steiner (1861-1925). Este pensador até 1913 era o chefe da seção alemã da Sociedade Teosófica, então recém-fundada. Desentendeu-se, porém, com a Presidente desta, a Sra. Annie Besant, por causa das pretensões que Me. Besant nutria, de apresentar ao mundo o novo Messias na pessoa de um jovem hindu, Krishnamurti, o qual já estaria na sua trigésima encarnação... Steiner, julgando que Mme. Besant abusava da credulidade de seus discípulos, resolveu separar-se da Sociedade Teosófica para ensinar uma Teosofia remodelada, à qual foi dado o nome de Antroposofia. A respeito da Teosofia veja «P. R.» 17/1959, qu. 8.

 

B) Quais as principais doutrinas desta Escola?

 

O termo sofia (sabedoria, em grego) indica tratar-se de conhecimentos sapienciais, isto é, adquiridos não propriamente pela experiência tios sentidos e pelo raciocínio da inteligência (de que se serve, por exemplo, a Teologia), mas, sim, por uma intuição superior mística devida a faculdades especialmente apuradas de certos indivíduos. A fonte dessa sabedoria seriam tradições ocultas, oriundas da Atlântida (famoso continente que teria desaparecido) ou de arquivos e bibliotecas antiquíssimas j pertencentes ao Egito e ao Oriente. Essa sabedoria primordial : haveria deixado de ser patrimônio comum dos povos, que em seu lugar foram criando as diversas formas de religião hoje conhecidas, todas inferiores à explicação do mundo dada pelas concepções antigas... Ora a Teosofia, recorrendo no século passado aos Mestres (Mahatmas) da índia, do Tibete, da Caldéia, do Egito, propunha-se cultivar de novo essa sabedoria primordial, fazendo convergir a sua atenção para Deus (Theós); Steiner, ao separar-se do teosofismo, não abandonou grandes teses doutrinárias deste, mas preferiu explorar o que na ideologia primordial dizia respeito ao homem (donde Antroposofia, de anthropos, homem).

 

Steiner julgava que a Teosofia fazia perder ao homem um pouco de seu equilíbrio e o desviava dos respectivos deveres sociais; a Teosofia incutiria uma atitude passiva, prometendo a intervenção de misterioso poder do alto. Por isto, o fundador do antroposofismo quis despertar nos seus discípulos o amor de um método, de uma disciplina imposta às faculdades superiores do homem, a fim de ampliar o raio de alcance do espírito. As teses, porém, que Steiner ensinava como resultantes dessa disciplina, são em grande parte as mesmas que as da Teosofia, a saber:

 

1) O Panteísmo ou monismo. Deus seria a única realidade existente, da qual o mundo, espiritual e material, se originou por emanação; a substância divina seria impessoal, neutra, sempre em via de evolução no decorrer da história; em cada indivíduo humano ela estaria paulatinamente tomando consciência de si mesma, até chegar à plenitude ou à perfeição: o homem é destarte uma manifestação de Deus, manifestação identificada com a Divindade.

2) A alma humana é um agregado de muitas partes, unidas entre si por relações assaz frouxas. Está claro que não lhe é imposta uma lei moral extrínseca, divina, pois alma e Divindade vem a coincidir entre si; toca a cada indivíduo descobrir dentro de si as normas de sua conduta prática (o que dá margem, sem dúvida, a muita liberdade e arbitrariedade no plano moral).

3) O currículo de vida do homem nesta terra é condicionado pelas obras que o indivíduo tenha realizado em uma vida ou encarnarão anterior. É esta a inexorável lei do carma; tudo que ocorre ao homem neste mundo é efeito e, ao mesmo tempo, causa: efeito em relação à encarnação passada, causa em relação à futura. Mediante sucessivas descidas ao corpo, ou seja, através de longo período de tempo, a alma humana se purifica, passando aos poucos da sua animalidade inicial à plena consciência da sua identidade com a substância única, divina, do universo. Tendo atingido esta consciência, o homem perde naturalmente a sua personalidade, que o singulariza, e mergulha-se no único grande Todo (estado do nirvana, que os conceitos comuns da nossa experiência não poderiam em absoluto descrever) ,


 

Em suma, o panteísmo ou monismo e a lei da reencarnação, eis as duas pilastras sobre as quais repousam tanto a ideologia teosofista com a antroposofista. Esta verificação é suficiente para incutir as diferenças radicais que intercedem entre Cristianismo e Antroposofia. Sobre o Panteísmo, veja-se «Pergunte e Responderemos» fasc. 7 de 1957, qu. 1; a respeito da reencarnação, fasc. 3 de 1957, qu. 8. No tocante à Antroposofia em particular, as potências ocultas de intuição mediante as quais o homem poderia transcender o conhecimento racional, são antes produto da fantasia de Steiner do que objeto de conclusões cientificamente firmadas (não se negam os fenômenos metapsíquicos, de que fala este fascículo; não era, porém, a eles que Steiner se referia).

 

Verdade o que o pensador alemão, visando o público europeu, ao qual se dirigia, quis apoiar suas concepções em fontes e tradições ocidentais, cristãs, distanciando se um pouco das fontes orientais para as quais apela a Teosofia. Não foi feliz, porém, porque, para ficar dentro dos quadros de pensamento do ocultismo, teve que negar a Divindade de Cristo; desejando não abater ídolo algum, apresentou Jesus como reencarnação e síntese de Mitra (divindade persa) e Dionísio (divindade grega)!

 

C. A Antroposofia logrou sucesso logo nos seus primeiros anos (como, aliás, também a Teosofia). Esta boa aceitação se explica por fatores diversos:

 

a) o materialismo e o racionalismo que imperaram no século passado, parecem ter cansado as mentes e despertado de novo em muitos pensadores sinceros a sede do mistério, do conhecimento místico, ou seja. do conhecimento adquirido não por via meramente humana, mas por uma pretensa iluminação divina;

b) as grandes ruínas, materiais e morais, que o mundo ocidental sofreu nos primeiros decênios do séc. XX concorreram para que não poucos filósofos voltassem sua atenção para o Oriente; este sempre impressionou os ocidentais por parecer muito mais voltado para o transcendente e o eterno; pelo seu caráter conservador, tradicionalista, toma o aspecto de uma arca de paz. É o que explica que Teosofistas e Antroposofistas tenham ido pedir inspiração aos pensadores orientais e hajam encontrado eco satisfatório no Ocidente;

c) é imponente e sedutor o título de «manancial donde todas as religiões tiraram uma parcela da verdade», titulo que a Teosofia e Antroposofia reivindicam para sua ideologia. Este título é gratuito; nenhum estudioso o pôde jamais comprovar (aliás, por definição, nem seria possível apresentar provas em favor do mesmo, pois se pressupõem tradições e arquivos ocultos ao público — o que realmente constitui bela evasiva!). Não obstante, a fórmula com que a Antroposofia se apresenta ao mundo, é muito apta a bajular o orgulho do homem; aderindo à Teosofia ou à Antroposofia, este poderá dar-se por mais esclarecido e inteligente do que seus semelhantes que fiquem presos às formas tradicionais de religião... O teosofista e o antroposofista não negam a existência de Deus, mas conseguiram fazer do Soberano Senhor uma entidade impessoal e neutra que na prática não «incomoda» o homem. Embora Rudolf Steiner não se quisesse diretamente incompatibilizar com o Cristianismo nem com alguma forma de religião, ele propõe um conceito de Deus e das relações do homem com Deus que cedo ou tarde tende a remover nos seus adeptos qualquer dos credos religiosos tradicionais.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9342934)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.62
Diversos  Igreja  4166 Papa Leão XIII e a visão de Satanás25.74
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns21.64
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.17
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.67
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.16
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo12.89
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.15
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.89
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.39
Diversos  Testemunhos  4164 Testemunho de minha travessia10.12
Diversos  Mundo Atual  4163 A Armadilha da Misericórdia9.55
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.28
Aulas  Doutrina  4165 Indulgências Plenárias, como obter?8.21
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.20
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.90
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.76
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.72
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.69
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.43
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.32
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Sabedoria é saber ver o presente que passa em função do futuro que não passa.
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online