Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 007 – julho 1958

Moral Sem Pecado?

MORAL

I. E. (Kio de Janeiro) pergunta:  “Pode haver uma Moral leiga, isto é, sem Deus e sem pecado?

 

1) Hoje em dia tendem muitos autores, principalmente em nome da psicanálise, a explicar o que se chama “pecado independentemente de Deus e Religião”; o pecado seria mero efeito do metabolismo patológico; o paciente, porém, lhe atribuiria sentido religioso. A noção de pecado é tida por esses autores como resíduo, na consciência moderna, de antigas concepções supersticiosas ou infantis. Consequentemente, dizem, o senso e o temor do pecado devem ser combatidos em nome da higiene mental; deveriam ser tratados no setor da psicanálise, não no da Religião; doravante dever-se-ia ensinar uma Moral sem pecado, isto é, sem obrigação que envolva o senso de responsabilidade do homem, Moral leiga, porque confinada ao plano meramente biológico.

 

2) Diante dessas teses, que dizer?

 

Não se pode .negar que o senso do pecado tenha repercussões no psíquico humano; será preciso, porém, reconhecer que suas raízes vão alem do plano meramente psicológico c fisiológico.

Que é então o pecado no seu sentido autêntico ou cristão?

 

À guisa de observação preliminar, podem-se citar as palavras muito verídicas dc Kierkegaard:

 

“O conceito que estabelece diferença radical entre a índole do Cristianismo e a do paganismo, é o pecado, a doutrina do pecado; por isto, com muita  lógica, o Cristianismo julga que nem o pagão nem o homem natural sabem o que é o pecado, e que é necessária a Revelação para o ilustrar” (Tratado do desespero)

 

Com efeito, o pecado, para o cristão, pressupõe uma verdade aparentemente desconcertante aos olhos da natureza: existe um Deus que é Amor, e o Amor que se comunicou em primeiro lugar (cf. 1 Jo 4,8). Esse Deus-Amor fez o homem essencialmente destinado a aderir ao Criador. E a voz de Deus que chama o homem a Si, está identificada com a natureza humana, falando no mais intimo de cada indivíduo mediante o que se chama «a lei natural» ou «a consciência»; esta faz ouvir um ditame geral a ser desdobrado e aplicado paulatinamente : «Faze o bem; evita o mal».

 

Tal ditame e suas consequências (não matar, não roubar, não maltratar o próximo, cumprir os deveres de estado, aliviar os misérias alheias, etc.) não são produtos contingentes de uma civilização ou de uma época, mas são normas constantes e universais. Em última análise, constituem o reflexo da infinita santidade de Deus manifestada pela natureza humana, santidade que é imutável. Por conseguinte, as categorias do bem e do mal, tais como a consciência de todos os povos as discrimina, não dependem nem da moda nem dos homens nem de um decreto arbitrário do Criador, mas do Ser eterno e imutável de Deus; são a participação dada ao homem, na retidão imutável de Deus.

 

É por isto que a Morai cristã afirma haver atos humanos que põem o homem em oposição direta a Deus; a perturbação e a melancolia que eles acarretam para quem os comete (e que primariamente chamam a atenção do psicanalista), não são senão consequências da ruptura da harmonia que deveria sempre existir entre o homem e seu Criador. É a esses atos que na linguagem cristã se dá o nome de “pecados”.

 

Entende-se que o pecado, violando a tendência inata do homem a Deus, possa afetar a alma, e, mediante esta, o corpo, causando perturbações psicológicas e somáticas. A medicina e, em particular, a psicoterapia poderão concorrer para sanar o mal, mas não terão senão papel complementar; aplicadas exclusivamente, ou seja, sem recurso à Religião, jamais produzirão a cura autêntica. Quem resiste à Lei de Deus não encontrará restauração da sua paz interior sem que se volte diretamente para o Senhor, repudiando a infração cometida contra a Lei do Criador.

 

É preciso, porém, frisar que essa Lei do Criador não é simplesmente um imperativo frio e anônimo; é, antes, um chamado do Amor (de Deus) ao amor (do homem). O Cristianismo significa encontro de Pessoa com pessoa, de filho com o Pai que atrai e sorri, mais do que encontro de servo ou súdito com o Legislador que amedronta. A Lei, para o cristão, é a necessidade de responder ao Amor que se deu ao homem. E o pecado consiste justamente em recusar essa resposta. Isto explica que o santo, mais do que o pecador, tenha o senso da iniquidade; estando mais próximo de Deus, compreende melhor que o pecado, em última análise, não é senão a rejeição do Amor, rejeição que se pode dar segundo matizes variadíssimos, imperceptíveis aos olhos de quem não tem amor apurado.

 

Do que acaba de ser dito, depreende-se que não há Moral sem pecado ou meramente leiga. Na verdade, o liame que prende o homem a Deus, não é adventício, mas constitutivo da natureza humana; o homem só pode existir como criatura intimamente relacionada com o Criador; consequentemente, em qualquer de seus atos ou ele se conforma à sua natureza e, mediante esta, a Deus, ou ele se afasta de sua natureza e, mediante esta, se afasta de Deus; é-lhe, em suma, impossível escapar a Deus.

 

Afirmando tais concepções, a Moral católica não desconhece haver casos patológicos, em que a vontade e o amor não se podem exercer com plena liberdade em virtude de deficiências fisiológicas (o psíquico e o sobrenatural estão enxertados no corpóreo, e deste dependem no seu modo de agir). Tais casos, na medida em que são doentios, não podem ser julgados segundo os critérios comuns; ficam por vezes abaixo do nível da moralidade.

 

Sobre o sentido do «pecado ofensa a Deus», veja-se Pergunte e Responderemos 6/1957 qu, 2, e a respeito dos casos patológicos, cf, «P, e R». 5/1958 qu. 6 e 7.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 10277566)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?85.85
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns30.88
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.15
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo15.07
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.44
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.38
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino13.18
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?12.36
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.82
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes11.33
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.36
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.38
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.82
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.80
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra8.33
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.28
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.20
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.77
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.43
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha7.27
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.85
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.78
Diversos  Mundo Atual  3795 O que há de vir?6.72
Na Eucaristia, nós partimos o único pão que é remédio de imortalidade, antídodo para não morrer, mas para viver em Jesus Cristo para sempre.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online