Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 547 – janeiro 2008

Como se originou:

 

A REVOLUÇÃO SEXUAL

 

Em síntese: Na segunda metade do século XX ocorreu a chamada "Revolução sexual", que teve suas principais causas no pansexualismo de Freud, na filosofia existencialista de J. P. Sartre, no Relatório Kinsey, no marxismo e no polimorfismo de Herbert Marcuse.

 

Fala-se muito de "Revolução Sexual" ocorrida na segunda metade do século XX. Desde a década de 1950 vem-se exprimindo crescente aversão aos princípios da Ética clássica e forte clamor em favor de liberdade total para que cada indivíduo se comporte sexualmente como julgar melhor.

 

Para poder entender tal fenômeno, faz-se oportuno investigar-lhe as causas. Sabe-se que em todos os tempos houve permissividade; tenha-se em vista o caso do rei Salomão, sábio como era, "teve setecentas mulheres princesas e trezentas concubinas, suas mulheres perverteram seu coração" (1 Rs 11, 3). - Mas a permissividade parece ter chegado ao extremo em nossos dias. Por que terá isto acontecido?

Apontam-se, entre outros, os seguintes fatores:

 

1. O pansexualismo de Freud

 

O psicanalista Sigmund Freud afirmava que o sexo define a pessoa humana em todas as suas manifestações; mesmo no cultivo das artes. As práticas religiosas são movidas pelo eros. Não é a pessoa que se manifesta no sexo, mas é o sexo que se manifesta na pessoa, segundo Freud. Tais idéias subverteram a concepção clássica de sexualidade. Em vez de reprimi-la, quando se quisesse manifestar inoportunamente, passaram os pais e educadores a favorecer o uso da sexualidade, a genitalidade, mesmo em idade precoce. A educação sexual veio a ser o ensino do uso do sexo sem o risco de engravidar. Dizer Não a um impulso erótico seria expor-se a contrair uma neurose, e quem sofresse de neurose, mau caráter,... encontraria solução na concessão ao sexo. A educação tradicional é tida como uma grande depressão e a cultura dos deveres como resultado de neurose coletiva.

 

Freud mesmo levou uma vida regrada; não apregoou licenciosidade, mas o fato é que sua doutrina disseminou a tese de que o sexo não deve ser contrariado, pois todo indivíduo é regido por um determinismo pansexualista. - Os meios de comunicação social propagaram rapidamente essa nova visão do ser humano, que muitas escolas abraçaram burlando todos os princípios da ascese e da autodisciplina que a religião incute; seja citado São Paulo:

 

"Todo atleta priva-se de tudo para obter uma coroa perecível; nós, porém, uma imperecível. Portanto eu corro, mas não sem destino... Ao contrário trato duramente o meu corpo e o reduzo à servidão, para não acontecer que, tendo pregado aos outros, eu mesmo seja condenado" (1 Cor 9, 27).

 

2. O existencialismo de Jean-Paul Sartre

 

A escola de Sartre, mediante a literatura e o cinema, difundiu a concepção de que, "se Deus não existe, tudo é permitido"...; ora Deus não existe, dizia S. P. Sartre. Em consequência a experiência sexual foi exaltada como forma privilegiada de educação e comunicação.

 

3. O Relatório Kinsey

 

O zoólogo norte-americano Kinsey (1899-1936) realizou ampla pesquisa na sociedade norte-americana e publicou estatísticas e percentuais sobre as diversas modalidades do comportamento sexual (normais e anômalas...), donde concluiu que os comportamentos sexuais não são mais do que "um mecanismo relativamente simples que se encarrega da reação erótica sempre que os estímulos físicos e psíquicos são suficientes... Por conseguinte, se são reações mecânicas da natureza, não há como falar de bem e mal, lícito e ilícito, o normal e o anormal". À passagem da sociedade agrícola tradicional para a sociedade urbana e industrial deve corresponder uma mudança da conduta dos esposos, na vida da família, na sexualidade pré-conjugal e extraconjugal. Por conseguinte a Sociologia explicaria o avanço sexual.

 

4. A descoberta dos anticonceptivos

 

Em meados do século XX começou a propagar-se a pílula Pinkus ou contraceptiva. A facilitação de relações sexuais isentas do risco de gravidez indesejada favoreceu o clima de hedonismo reinante na segunda metade do século XX; principalmente a juventude foi vítima dessa difusão, a tal ponto que o Governo do Brasil favorece oficialmente o uso da pílula para que haja "sexo seguro" (coisa esta que não existe na medida em que é apregoada). Além do quê, a pílula se tornou uma arma dos planos governamentais de contenção da natalidade em alguns países.

 

5. Marxismo e neomarxismo

 

Karl -Marx afirmava que a família deveria estar vinculada à produtividade. Até os jogos das crianças deveriam, conforme a escola de Marx, ser concebidos como preparação da atividade produtiva e como educação para o trabalho. A produtividade exige que a mulher entre no mercado do trabalho, deixando os filhos entregues às trabalhadoras da pedagogia, da psicologia, do nutricionismo. Caso a mulher não possa preencher a sua função de operária por causa dos filhos, seja submetida ao aborto, que a URSS legalizou em 1920, em primeiro lugar na Europa, logo após instituído.

 

A revolução social na URSS deveria ter como sequela imediata a libertação da mulher até época recente confinada a três K (como dizem os alemães): Kinder, Küche und Kirche (filhos, cozinha e igreja). Nessa linha de idéias o homem deveria emancipar-se da dependência erótica afetiva que ocorre no matrimônio, libertando-se assim também da dependência dos princípios da moral familiar.

 

Estas idéias foram assumidas e desenvolvidas pelo filósofo Herbert Marcuse que preconizava a libertação frente à própria heterossexualidade e o polimorfismo ou a livre escolha do sexo.

 

6. O Feminismo

 

A procura de emancipação da mulher, igualada ao homem no trabalho fora de casa, culminou nos movimentos feministas recentes; a maternidade não é desejável para a mulher, pois a subordina ao lar e a deveres caseiros. Uma das representantes mais famosas desse movimento foi Simone de Beauvoir, que proclamou, como direitos da mulher, o recurso ao aborto e a contracepção, a fim de que a mulher possa exercer um papel político-social semelhante ao do homem.

 

7. O malthusianismo

 

A todos esses fatores acrescente-se ainda o malthusianismo. Thomas Robert Malthus e sua escola propuseram bases teóricas para justificar a política antinatalista dos Governos. Com efeito, afirmava que a população do globo terrestre cresce em ritmo geométrico, ao passo que os recursos naturais de alimentação em ritmo aritmético. Por conseguinte deveria haver contenção da natalidade; para tal recomendava o casamento em idade mais avançada, a continência, o coito interrompido. As concepções de Malthus revelaram-se sem fundamento. A Terra pode alimentar 25 bilhões de habitantes caso se faça justa distribuição de recursos.

 

Diante do fracasso dos prognósticos de Malthus, os neomalthusianos apresentaram a carência das fontes de energia e o aumento da poluição como motivações mais recentes para justificar a contenção da natalidade. Na verdade, também esta alegação não se sustenta. Acredita-se que, por detrás da campanha antinatalista, está o receio de que as populações mais carentes possam crescer numericamente e ameaçar o bem-estar das potências econômicas deste mundo. Em suma, pode-se dizer que o desejo de dominar os povos mais fracos por parte de poderosas nações inspira, em grande escala, a propaganda do antinatalismo entre os povos em desenvolvimento.

 

8. Dados complementares

 

A explosão demográfica verificada em povos subdesenvolvidos principalmente levou os respectivos Governos a tomar medidas drásticas, como se verá a seguir.

 

Na China a população ultrapassa os dois bilhões de habitantes. De 1975 a 1980 a taxa de natalidade aumento em 21%. Em consequência o Governo estabeleceu o crescimento zero para o ano de 2000, recorrendo para tanto ao aborto, à esterilização, à pressão social, à retardação da idade do matrimônio, à proibição de cada casal ter mais de um filho, à distribuição gratuita de contraceptivos e à inserção da mulher no mercado de trabalho.

 

Na índia há 700 milhões de habitantes, que se duplicam a cada 30 anos, apesar das medidas drásticas promulgadas pelo Governo, entre as quais estava a esterilização obrigatória após o segundo filho, lei esta que é forte oposição do povo tornou ineficaz. Em lugar de produtos químicos farmacêuticos, tem encontrado boa aceitação naquele país o método natural de limitação.

 

A África é o continente onde se registram as mais altas taxas de natalidade como também as de mortalidade infantil. Globalmente falando, a população da África cresce 3% ao ano paralelamente com a mais alta taxa de miséria.

 

A Europa em geral apresenta forte declínio demográfico; na Itália, por exemplo, este chega quase ao crescimento zero. Algo de semelhante ocorre na Alemanha, na França e nos países nórdicos. Eis, porém, que na Rússia comunista havia um estímulo ao crescimento demográfico. A verificação de amplo declínio demográfico começa a exercer influência sobre certos Governos, que chegam a favorecer a natalidade. Toma-se consciência de que o melhor contraceptivo é o desenvolvimento econômico.

 

Possam estas considerações contribuir para que o mundo perceba que a contenção da natalidade por meios artificiais e leis drásticas não é a solução dos problemas da vida de um povo! Nem ó a libertação licenciosa que faz a felicidade de alguém.

 

Fonte: Elio Sgreccia, Manual de Bioética, vol. I, pp. 294-297.

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 10409716)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?85.14
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns30.85
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.12
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.99
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.43
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.33
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino13.16
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?12.31
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.78
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes11.30
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.30
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.32
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.84
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.77
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra8.30
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.28
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.18
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.76
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?7.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.37
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha7.32
Diversos  Mundo Atual  3795 O que há de vir?6.90
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.82
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.69
Colocar em dúvida a autoridade da Igreja é por em dúvida tudo aquilo que ela afirma, inclusive a autenticidade das Escrituras.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online