Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

A Fé e a Autoridade da Igreja

Qua, 30 de Junho de 2010 12:43 Alessandro Lima

 

"Porque nele [no Evangelho] se revela a justiça de Deus, que se obtém pela fé e conduz à fé, como está escrito: O justo viverá pela fé" (Rm 1,17).

 

Introdução

Nós somos dotados de duas faculdades: inteligência e vontade. A primeira orienta-se a todos os raios da Verdade, a segunda orienta-se às atrações do Bem. No casamento entre estas duplas conjugações, o homem encontra a solução para os enigmas e a regra definitiva de sua atividade moral. Este casamento chama-se Fé.

A Fé como instrumento do desenvolvimento humano

A própria família é edificada pelo ato de Fé. Uma mãe diz a seu filho: sou uma mãe; o Pai diz: sou seu pai. No lar o menino cresce recebendo educação dos pais, ora isso mais nada é do que o exercício contínuo da Fé. Na instituição familiar entra em ação de um lado a autoridade dos pais e do outro a confiança dos filhos. Esses dois elementos que a natureza fez instintivos e complementares constituem os polos nos quais gravita a primeira formação do homem.

Depois vem a escola, e o exercício da Fé aí é mais uma vez continuado. Fé na Geografia, na Matemática, na História, na Língua Portuguesa. E mais uma vez somos formados entre a autoridade do Professor e o nosso livre assentimento.

Nas universidades não é diferente. Qual sábio não desenvolveu seu trabalho fundamentado em estudo de outros mestres? Ora, por um processo inevitável de economia intelectual, toma-se o atalho da fé evitando os longos percursos da demonstração. Com efeito, a verificação pessoal é sempre possível, entretanto, o motivo que determina a adesão da inteligência, na maioria dos casos, não é a prova da ciência, mas a aceitação fiduciária da ciência alheia, logo um ato de Fé.

Também é a Fé que dá dinamismo à vida social. Relações de serviços, comércio, trabalho, trânsito e etc. Nisto tudo encontramos o justo exercício entre a afirmação da Autoridade e o assentimento dos cidadãos. Cremos também no Jornal que nos instrui dos acontecimentos recentes, cremos no médico que nos dá o diagnóstico, no farmacêutico que nos receita um remédio, nas Agências que regulamentam os vários serviços, nos institutos que garantem a qualidade de vários produtos. É inegável que “em todos os conhecimentos indispensáveis à orientação de nossa vida, o que adquirimos por observação individual e averiguação própria é uma insignificância em comparação do muito, do quase tudo, que, por via de autoridade, entra no patrimônio dos nossos haveres intelectuais” (1, pg. 25).

É mister reconhecer que a Fé é um ato de assentimento intrínseco ao homem, que condiciona toda sua existência e eleva à perfeição suas manifestações intelectuais e sociais. Logo, verifica-se que a Fé não está restrita ao âmbito religioso, porém em nenhum outro domínio, encontra a Fé sua necessidade mais evidente e sua importância mais inestimável.

A Fé religiosa

O homem é dotado de natureza material (corpo) e espiritual (alma). Esta realidade se demonstra com o uso da razão e se verifica com a Ciência livre do dogmatismo racionalista (como é o caso da Parapsicologia, que identifica a pré-cognição como uma das faculdades da alma).

A correria cotidiana em estudar, trabalhar, cuidar de si e da família, normalmente impede que possamos nos dedicar à investigação pessoal das grandes questões filosóficas e espirituais. Como acontece em relação às realidades naturais, as realidades espirituais também dependem da autoridade e do assentimento de Fé para que o homem tome delas todo benefício.

Por isso, nos explica Pe. Leonel Franca, “E Deus não faltou a mais esta exigência de nossa natureza. Ele, que, fazendo do respeito à verdade um dever de consciência e dando-nos instintos e inclinações sociais, facilitou o exercício da fé exigido para o desenvolvimento e perfeição da nossa vida terrena, instituiu uma sociedade espiritual a quem confiou o patrimônio das verdades indispensáveis à nossa atividade moral e à expansão segura das nossas aspirações religiosas. Fez mais. Nas relações sociais e científicas, um erro não tem consequências irreparáveis; basta neste domínio a fé humana sujeita às tristes contingências da nossa falibilidade. A Vida religiosa, essa tem repercussões eternas. Com ela orientamo-nos para os destinos definitivos de além-túmulo; acertar nesta orientação é assegurar a posse da perfeição e da felicidade; errar culpadamente equivale a uma catástrofe irremediável” (Ibidem, pg. 27).

A Autoridade religiosa

A Fé, por ser o instrumento necessário ao desenvolvimento do homem, e a vida religiosa, por ser a prática que nos orienta ao nosso destino eterno, Deus em seu imenso amor por nós deu-nos a garantia de que a Autoridade pela qual recebemos as Verdades Relevadas de Sua Vontade tivesse a garantia da infalibilidade, já que “errar culpadamente [em matéria religiosa] equivale a uma catástrofe irremediável”.

Ora e que autoridade é essa? É o Magistério Divino, que teve início com os Patriarcas do AT, desenvolveu-se sob a autoridade de Moisés, dos Reis e Profetas e que culminou na Igreja. Toda autoridade que as Escrituras possuem, derivam desta autoridade e não o contrário. Por exemplo: a autoridade do Pentateuco para os judeus do AT derivou da autoridade de Moisés, e não o contrário, como se Moisés tivesse autoridade porque escreveu o Pentateuco, ou porque o Pentateuco lhe fazia referência.

Conforme já dissemos o ato de livre assentimento a um ensinamento dado, não por ser evidente a Verdade naquilo que se ensina, mas por causa da Autoridade que o transmite, constitui ato de Fé. Em matéria religiosa constitui no livre assentimento devido às Verdades reveladas pela Igreja.

Magistral é a definição de Fé dada pela Doutrina Católica: “A Fé [...] é uma virtude sobrenatural, pela qual, prevenidos e auxiliados pela graça de Deus, cremos como verdadeiro o conteúdo da revelação, não em virtude de sua verdade intrínseca, vista pela luz natural da razão, mas por causa da autoridade de Deus que não pode enganar-se ou enganar-nos” (2).

Isso também pode ser constatado na Escritura. Jesus disse: “Ide pelo mundo; pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem não crer será condenado” (Mc 16,15-16). É certo que crer é dar assentimento a uma revelação, não por sua veracidade ser evidente, mas pela autoridade de quem a revela (cf. Mt 28,14-20).

Alguns do Sinédrio, vendo como muitos criam no Evangelho, se indagavam ao Senhor: "[...] Com que direito fazes isso? Quem te deu esta autoridade?" (Mt 21,23).

Encontramos aí a utilidade dos milagres do Senhor. Cristo fazia milagres para demonstrar a Sua Autoridade. Quando os fariseus se negavam em crer Nele, o Senhor lhes dizia "[...] Crede-o ao menos por causa destas obras" (Jo 14,11). Ver também Jo 10,25.37-38.

Os milagres do Senhor davam testemunho de Sua Autoridade. Por causa dela muitos creram e não por ser evidente a Verdade no que lhes era revelado. S. João Batista creu no Cristo por causa da Sua Autoridade:

"Tendo João, em sua prisão, ouvido falar das obras de Cristo, mandou-lhe dizer pelos seus discípulos: Sois vós aquele que deve vir, ou devemos esperar por outro? Respondeu-lhes Jesus: Ide e contai a João o que ouvistes e o que vistes: os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, o Evangelho é anunciado aos pobres..." (Mt 11,2-5) (grifos meus).

E não foi diferente com o povo, pois "Com efeito, ele a ensinava como quem tinha autoridade e não como os seus escribas" (Mt 7,29).

Foi o próprio Deus que Se fez presente no meio dos homens, revelando-lhes Sua Vontade, cuja Fé estes Lhe devem mediante o exercício de Sua Autoridade. Porém, sabendo que Cristo deveria pregar somente para os judeus (cf. Mt 15,24) e que deveria voltar para o Pai, quem exerceria Sua Autoridade para a manutenção da Fé dos homens do resto do mundo e dos futuros fiéis?

A Autoridade da Igreja

A resposta à pergunta anterior encontra-se no final do Evangelho de S. Mateus:

"Mas Jesus, aproximando-se [dos apóstolos], lhes disse: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-as a observar tudo o que vos prescrevi. Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo" (Mt 28,18-20) (grifos meus).

Nosso Senhor pede aos apóstolos para que preguem o Evangelho. Ora, isto confirma mais uma vez que a Fé é um assentimento à Verdade Revelada e não uma experiência, um sentimento, como ensinava Lutero. Ora, se Cristo pede aos seus apóstolos que revelem o que Ele prescreveu, era preciso que eles o fizessem com a mesma autoridade Dele, caso contrário, o mundo não iria crer. Da mesma forma como um Vice-Presidente no exercício interino da Presidência (se o Presidente por razões de força maior não puder fazê-lo) tem o mesmo poder e autoridade do Presidente eleito, por razões de necessidade, também os Apóstolos foram investidos pelo Divino Mestre com Sua própria Autoridade.

A Escritura dá testemunho de que a Autoridade da Igreja deriva da autoridade do Divino Redentor: "Reunindo Jesus os doze apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar enfermidades" (Lc 9,1) (grifos meus). Percebam que a Autoridade com que Cristo investiu Sua Igreja não deriva da Escritura. Foi o próprio Cristo que a deu. A Igreja é tão anterior à Escritura que a Escritura fala da Igreja.

A infalibilidade da Igreja, cuja necessidade já demonstramos no início deste trabalho, é manifestada nas palavras do Cristo a S. Pedro: "E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt 16,18) (grifos meus).

A que instituição Nosso Senhor se refere de forma tão carinhosa como “minha Igreja?” Jesus se refere à Igreja fundada por Ele e edificada sob a autoridade de S. Pedro (cf. Mt 16,16-19) e dos apóstolos (cf. 1Cor 3,10; Gl 2,6; 1Ts 2,7; Fl 1,8). Essa Igreja possui uma só doutrina (Ef 4,4-5), é apascentada pela autoridade de S. Pedro (cf. Lc 22,31-32), guarda não só a Sagrada Escritura como autoridade de Fé, mas também a Sagrada Tradição (cf. 2Ts 2,15) e o Sagrado Magistério (cf. At 16,4), tem Fé de que a Eucaristia é verdadeiramente o Corpo e Sangue do Senhor (cf. Jo 6,5; 1Cor 11,29), venera a Mãe do Salvador (cf. Lc 1,48), crê que ela é Rainha no Céu (cf. Ap 12,1-5), seus Bispos são sucessores dos Apóstolos (cf. At 1,21-26), seus presbíteros são instituídos pelo Sacramento da Ordem (cf  1Tm 4,14) e observa o Santo Domingo do Senhor (At 20,7; 1Cor 16,2;Cl 2,16).

Todo espírito sincero após verificar o testemunho da Escritura e da Memória Cristã há de reconhecer que esta Igreja é a Igreja Católica com sé em Roma.

Conclusão

Se a Fé nas Autoridades humanas que são suscetíveis a falhas já nos traz grande benefício, o que dizer sobre a Fé na Autoridade da Igreja Infalível?

Por isso S. Paulo ensinou que o “justo viverá pela Fé” (cf. Rm 1,13). Mas que Fé? A Fé no Naturalismo, no Racionalismo, no Marxismo, no Agnosticismo ou nas falsas religiões e igrejas? Esta Fé é inútil ao homem, é impossível salvar-se por ela. O justo, isto é, aquele que se fez amigo de Deus pelo arrependimento de seus pecados e pelo Batismo, este só se salvará se fizer assentimento à Verdade revelada pela Igreja Verdadeira.

É a Igreja fundada por Jesus a Autoridade querida por Deus para nos dar Sua Revelação e nos guiar até que Cristo venha. Por isso S. Paulo ensinou que “A Igreja é a Coluna e o Fundamento da Verdade” (cf. Tm 1Tm 3,15).

Foi a Fé na Revelação dada pela Igreja que possibilitou nações bárbaras se transformarem em verdadeiros Estados civilizados. Também foi ela quem afastou o perigo da heresia durante tantos séculos, possibilitando que a Verdade proclamada ontem chegasse a nós hoje.

Notas

(1) FRANCA, Pe. Leonel. A Psicologia da Fé e o Problema de Deus. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio/Edições Loyola, 2001.

(2) Dezinger, Enchridion symbolorum, Sessão III, c. III, 1789.

 

Fonte: Veritatis Splendor


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
10 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8910819)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.20
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado26.94
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.06
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!13.27
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.87
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.32
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.94
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.75
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.90
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.46
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.39
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.22
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.09
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.06
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
Esforçai-vos por ficar firmes na doutrina do Senhor e dos apóstolos, para que tudo quanto fizerdes tenha bom êxito na carne e no espírito, pela fé e pela caridade, no Filho, no Pai e no Espírito, no princípio e no fim, com vosso digno bispo e a bem entretecida coroa espiritual de vosso presbitério, juntamente com os diáconos agradáveis a Deus. Sede submissos ao bispo e uns aos outros como, em sua humanidade, Jesus Cristo ao Pai, e os apóstolos a Cristo e ao Pai e ao Espírito, para que a união seja corporal e espiritual.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online