Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 548- fevereiro 2008

Questão delicada:

 

DIZER A VERDADE AO PACIENTE?

 

Em síntese: Não se deve enganar um enfermo, principalmente se está no fim da sua peregrinação terrestre. Diga-se-lhe a verdade gradativamente, na medida em que a possa suportar, e seja-lhe ministrada a afeição de familiares e amigos assim como a solicitude do médico, que não se deve limitar a prescrever tratamentos.

 

Debate-se a questão de revelar, sim ou não, ao paciente a gravidade de seu estado de saúde.

 

Muitos julgam que tal revelação poderia prejudicar o enfermo, diminuindo sua capacidade de resistir ao curso da moléstia. Há mesmo quem queira levantar o ânimo do paciente, predizendo-lhe a cura e uma provável "excursão à Europa", enquanto todos os circunstantes sabem que a doença no caso não tem cura. Só o paciente - aquele a quem mais importa conhecer a verdade - ignora-a e se apoia na mentira. A seguir, serão propostas quatro normas que parece oportuno observar no trato com o paciente:

 

1. Não à falsidade

 

A falsidade ou a mentira não é terreno sobre o qual se possam construir autênticas relações humanas, principalmente quando se trata de terreno tão importante quanto a vida humana. Todo ser humano tem o direito-dever à verdade, particularmente quando se trata de preparar o fim da vida. Nos casos em que o paciente chega a descobrir que lhe foi ridiculamente subtraída a verdade, pode experimentar decepção e desconfiança em relação a quem o cerca. Por conseguinte, é para desejar que a pessoa conheça, como possa, a sua situação e não morra como um animal destituído de um ideal e das responsabilidades anexas.

 

2. Seja a verdade comunicada não só com palavras, mas também com afeição

 

Isto quer dizer que a verdade deve ser transmitida não somente pelo enunciado de diagnósticos e prognósticos, mas também com solicitude e solidariedade com o paciente. É necessário deixar, primeiramente, o doente falar, para, em seguida, expor-lhe a gravidade de sua moléstia. Um dos anseios mais vivos que o paciente terminal experimenta, é o de não estar só, não ser abandonado, poder perceber a partilha de seus sofrimentos por parte dos familiares e amigos.

 

3. Comunicação da verdade proporcionada à capacidade do paciente

 

Para evitar desagradáveis surpresas, é oportuno graduar a transmissão da verdade de acordo com as possibilidades de ser recebida construtivamente. É preciso evitar uma possível depressão do indivíduo; é necessário saber parar no momento certo. Jamais se exclua a esperança de melhoras, pois na medicina não há previsões absolutas; muitas surpresas alvissareiras se têm registrado. Quando mais não seja possível, sejam deixadas sobre a mesa de cabeceira do enfermo as bulas dos remédios aplicados, para que eventualmente as leia e vá tomando consciência do que ocorre. Gradativamente será informado de tudo. Essa plena informação é especialmente necessária quando se trata de alguém que, antes de falecer, deve tomar decisões importantes e necessita de se preparar para uma morte digna. Esta, para o cristão não é senão o encontro com o Maior Amigo ou com Aquele que trilhou o mesmo caminho para santificá-lo.

 

4. Destas ponderações resulta a importância de encarar a morte quando ela ainda parece estar longe, ou quando o indivíduo goza de lúcido raciocínio e plena consciência de si mesmo; não é na última hora que se vai improvisar a preparação para esse encontro final; ele deve pairar diariamente ante os olhos do ser humano, particularmente daqueles que têm fé.

 

Pode-se comparar a vida a um livro, do qual cada um de nossos dias é uma página; pode acontecer que numa ou noutra dessas páginas tenha havido um erro de ortografia ou de concordância gramatical, tenha havido falta de uma palavra, uma sílaba, uma vírgula... Daí a necessidade de que o paciente terminal possa rever o livro de sua vida e corrigir, acrescentar ou tirar qualquer particularidade destoante; dê o remate certo a esse livro.

 

A propósito cabe ainda uma palavra sobre os analgésicos.

 

É lícito o uso dos mesmos, ainda que daí resulte certa antecipação da morte, desde que não haja outro meio para aliviar as dores do paciente. É preciso, porém, que tal uso não impeça o paciente de cumprir os seus deveres religiosos e morais, deveres para consigo mesmo, para com a família e a sociedade. Não é lícito privar o paciente terminal da consciência de si mesmo sem grave motivo.

 

É lícito também a todo ser humano fazer o seu testamento de fim de vida; excluirá, se quiser, qualquer tratamento por meios extraordinários ou desproporcionais. É o que os norte-americanos chamam o living will.

 

Estas ponderações foram, em grande parte, colhidas na obra de Elio Sgreccia "Manual de Bioética", vol. 1, pp. 624-626.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)


Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
5 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8909823)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.20
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado20.71
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.04
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.48
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!13.31
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.86
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.32
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.94
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.74
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.89
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.46
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.39
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.22
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.09
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.06
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
A caridade sem a verdade cai no sentimentalismo.
Papa Bento XVI

Católicos Online