Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

A Comunhão Eucarística
A Voz do Pastor, de DOM Eugênio de Araújo Sales
26/11/1999

 

Em recente reunião social, uma distinta senhora manifestava-me sua surpresa pelo fácil acesso à Comunhão eucarística, ao lado da escassa frequência ao confessionário. Integrante de nossa sociedade, bem conhecia a situação familiar de pessoas impedidas de uma frutuosa participação nesse Sacramento. E, dizia-me como católica, tinha consciência de seu estado: evitava o sacrilégio, apesar de certa pressão para seguir o exemplo de alguns que engrossavam a fila dos comungantes. Eu a elogiei, por estar agindo corretamente. Lembrei-me do que São Paulo já constatava entre os primeiros cristãos de Corinto: "O que fazeis não é comer a ceia do Senhor". (1 Cor 11,20) e advertia: Essa vossa maneira de agir "longe de vos levar ao melhor, vos prejudica" (11,17). E finalmente, ele clama: "Que cada um examine a si mesmo, antes de comer deste pão e beber deste cálice, pois aquele que come sem discernir o Corpo do Senhor, come e bebe a própria condenação" (11,28ss).

Esse é o ensinamento da Igreja. Quem comunga em pecado grave "come e bebe a própria condenação" e quem vive numa união "de fato", sem o Sacramento do Matrimônio, mesmo impossibilitado de regularizá-lo, deve praticar sua Fé, mas somente no que não implique o prévio estado de graça. Não tem valor a apreciação subjetiva ou autorização indébita de algum eclesiástico que ensine à margem da doutrina da Igreja. A consciência é farol seguro, quando formada objetivamente, segundo as orientações emanadas do Magistério legítimo. Faz-se mister estar em condições exigidas, para que produza vida e não morte.

O homem é condicionado ou, pelo menos, influenciado em seus comportamentos por costumes, imposição da opinião pública, controle social. Na atualidade, também em nome do subjetivismo e individualismo exacerbados. Segue um modo de pensar pessoal, impelido por seus interesses e conveniências e não pelos princípios que se radicam em Deus.

Vivendo em desordem ética e moral, o homem tende a tornar-se norma de seus atos. E destarte não só se expõe ao erro, mas se degrada em seu íntimo pois, como ensina o Concílio Vaticano II, "no fundo da própria consciência o homem descobre uma lei que não se impôs a si mesmo" ("Gaudium et Spes", nº 16). Ela lhe é dada como dom e expressão de ser imagem de Deus. Duas conclusões imediatas são claras: a) nenhuma maioria de votos, nem o volume dos aplausos da opinião pública pode ser última instância moral; b) em quem não cultiva sua consciência, reorientando-a sempre de novo para a verdade, "a consciência vai-se progressivamente cegando com o hábito do pecado" ("Gaudium et Spes", nº 16).

Em se tratando dos males decorrentes de uma consciência mal formada, tornam-se mais graves quando atingem os valores sagrados. Esse desvio pode ser motivado por ignorância culposa da Lei do Senhor ou por influência de um subjetivismo prepotente. O mesmo se pode dizer quando essa consciência se relaciona com a dignidade de outrem, como na amizade, no matrimônio ou ainda na educação dos filhos, pois isso leva a prejuízos que já não são de nosso alcance sanar.

Da Comunhão Eucarística, quem pode participar e em que condições? Qualquer tomada de posição subjetiva e individualista - "eu sou cristão adulto", ou "eu mesmo sei decidir" - torna-se não só uma irreverência leve, mas algo grave diante da verdade intrínseca desse Sacramento.

Não é um exercício qualquer de piedade. O Concílio Vaticano II chama-o de "fonte e ápice de toda a vida cristã" ("Lumen Gentium", nº 11a). Nele, Deus se entrega a nós e o faz sob o signo da kénosis, isto é, do total aniquilamento do seu Filho amado. Ele se entrega, na hora da morte, às mãos do Pai para nos arrancar do pecado, do ódio, de toda perdição e poder do inferno.

A Santa Comunhão supõe sempre esse profundo ato de Fé, esse desejo de se assemelhar a Jesus em seu abandono confiante ao Pai, em sua vitória sobre o pecado. Praticamente, isso significa converter-se, aceitar a verdade proposta pelo Magistério eclesiástico, os mandamentos e, com o radicalismo da entrega de Jesus, procurar viver a vontade de Deus. E ainda dar sua vida para edificar a Igreja como comunidade santa, em um mundo marcado pela desobediência a Deus. Contra todas as tentações, Jesus implora o derradeiro dom: "Eles não são do mundo, como eu não sou do mundo. Santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade" (cf Jo 17, 16s). Não são critérios subjetivos que permitem a participação em tão santa Ceia, mas a obediência com amor a este Deus que se nos revela sob os sinais da morte redentora, neste Sacramento.

Em nossos dias, faz-se mister bradar fortemente para evitar o sacrilégio, Isto ocorre em particular nas celebrações matrimoniais, exéquias, em reuniões, quando se celebra o Santo Sacrifício da Missa. Nesta oportunidade e em outras, não é raro pessoas sem as condições requeridas se aproximarem do altar para comungar. Esse mal estar, também é difundido em várias nações. No relatório do II Sínodo dos Bispos da Europa, o Cardeal Godfried Danneels, Arcebispo de Malines-Bruxelas, relator, assim expressa o pensamento do grupo de língua francesa B: "A Comunhão eucarística está desvirtuada do seu significado: Assiste-se a um fenômeno de "dinâmica de grupo" (todos participam nela), separada do discernimento do Corpo de Deus, de que São Paulo fala"

Às vésperas do Grande Jubileu, muito oportuno um exame de consciência sobre essa matéria.



© Copyright Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro

____________
Para citar:
Fonte: Sociedade Católica
CARDEAL SALES, Dom Eugênio. Apostolado Sociedade Católica: A Comunhão Eucarística. Disponível desde 04/05/08.


Católicos Online - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8489475)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?31.17
Diversos  Mundo Atual  4134 Karl Marx, de cristão a satanista16.61
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.65
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.22
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.66
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.19
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.06
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino10.95
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.54
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns10.34
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?8.55
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo8.47
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.20
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.88
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.49
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.47
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.42
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos7.10
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.03
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes6.83
PeR  Ciência e Fé  0558 Coma Reversível e Coma Irreversível6.63
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.43
Diversos  Protestantismo  3970 A prostituição da alma6.40
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.36
Aguarda Aquele que paira acima dos eventos mesquinhos, o Atemporal, o Invisível, que por nossa causa se fez visível, o Impalpável, o Impassível, que por nós se fez passível. (A S. Policarpo 3, 2).
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online