Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 504 – junho 2004

Existiu

 

O CATÁLOGO (INDEX) DOS LIVROS PROIBIDOS

 

Em síntese: Desde remotas épocas existiram na Igreja Papas e Bispos que chamaram a atenção dos fiéis para a leitura de certas obras como sendo nocivas à Fé e à Moral dos cristãos. A invenção da imprensa (séc. XV) e o surto do Protestantismo (século XVI) fizeram que a vigilância se tornasse mais assídua. O século XIX, com suas correntes filosóficas materialistas, provocou a intervenção freqüente dos Papas. Todavia em 1965 Paulo VI, tendo em vista a orientação emanada do Concílio do Vaticano II, houve por bem extinguir o Index, transferindo para o foro da consciência a obrigação que incumbe a todo fiel católico, de não expor sua fé à agressividade de más leituras.

 

A temática do Santo Ofício tem afinidade com o Index Librorum Prohibitorum (Catálogo dos Livros Proibidos), pelo que passamos a abordar este assunto nas páginas subseqüentes.

 

1. Até o Século XVI

 

O livro, assim como pode ser um amigo valioso, pode também tornar-se um inimigo dissimulado e penetrante. Com efeito, quem lê uma obra que contraria o seu modo de pensar ou agir, pode aborrecer-se, mas não discute com o livro (como discutiria com um conferencista ou mestre estranho). Se, embora contrariado, continua a ler (só para ver como termina a obra pode estar sendo influenciado pela leitura a ponto de acabar acolhendo parcial ou totalmente o conteúdo da leitura. Tal é o poder latente de muitos livros de toda e qualquer época.

 

Conscientes disto, as autoridades da Igreja desde cedo trataram de desaconselhar (ou mesmo proibir) aos fiéis certas obras tidas como nocivas à fé e aos bons costumes. - Eis alguns casos em que isto ocorreu:

 

Já por volta de 196 o Fragmento de Muratori ([1]), abordando o catálogo dos livros bíblicos, falava de livros de origem herética "que não podem ser recebidos na Igreja".

 

(1) O cânon (catálogo) de Muratori é fragmento de um catálogo das Escrituras redigido em latim e descoberto em Milão pelo erudito italiano Luís Antonio Muratori no ano de 1740. Propõe o catálogo bíblico tal como era professado em Roma no fim do século II e refere-se a livros contrastantes por sua origem herética.

 

 

A primeira condenação proferida pelo magistério da Igreja versa sobre a obra Thalia, de Ário censurado pelo Concílio de Nicéia I (325) como herege (ensinava que o Filho é criatura do Pai).

 

O Papa Anastácio em 400 condenou as obras de Orígenes (+250) como sendo mais nocivas aos ignorantes do que úteis aos sábios.

 

São Leão Magno (+461) reprovou os escritos dos maniqueus e ordenou aos Bispos fizessem o mesmo no tocante aos livros dos priscilianistas, que se expandiam na península ibérica.

 

Também era levada em conta a literatura clássica pagã. O Papa Gelásio I condenou algumas dessas obras no famoso Decreto Geslasiano.

 

Acontece que, enquanto não se descobria a imprensa no século XV, os maus livros não podiam fazer grande mal, pois cada obra só existia em poucos exemplares copiados à mão.

 

2. Do século XVI a 1965

 

A descoberta da imprensa e a ação dos reformadores protestantes deram ocasião a que a Igreja mais se pronunciasse sobre livros nocivos à fé.

 

Os Papas Alexandre VI (1492-1503) e Leão X (1513-1521) estipularam que nada fosse impresso sem a autorização do bispo local ou do seu Vigário Geral - o que deu origem à prática do Imprimatur. Os próprios reis católicos pressionaram o Papa para que promulgasse um catálogo (índex em latim) de livros proibidos; assim procederam Henrique VIII na Inglaterra e Carlos V nos Países Baixos.

 

O Papa Paulo IV resolveu atender a tal demanda e em 1557 ordenou que fosse confeccionado o Index, o qual saiu do prelo em 1559, foram considerados especialmente suspeitos os livros de autores anônimos ou de autores dissimulados sob pseudônimo. Em Apêndice esse catálogo citava as traduções proibidas das Sagradas Escrituras assim como uma lista de 63 tipografias cuja produção era suspeita de heresia. - O rigor desse Index levou a própria Santa Sé a publicar uma Moderatio Indicis Librorum Prohibitorum (Moderação do índice dos Livros Proibidos).

 

Considerando tal experiência, o Concílio de Trento pediu ao Papa Pio IV que mandasse rever e atualizar o Index; a tal solicitação o Pontífice atendeu em 1564. Esta nova edição do Index já não traz o Apêndice da anterior.

 

Os Papas seguintes até fins do século XIX poucas modificações fizeram no Index.

 

O Papa Leão XIII (1878-1903) mandou reeditar o Index em 1900; já não mencionava os 800 livros condenados antes de 1600; ficavam ainda proscritas cerca de 4.000 obras; nesse lote em 88 casos a condenação versava sobre opera omnia (todas as obras) do autor respectivo.

 

Aos 7/12/1965 a Congregação para a Doutrina da Fé declarou extinto o Index; já não haveria excomunhão para quem lesse um livro outrora proibido. Ficava, porém, ao fiel católico a obrigação moral (em consciência) de não expor à tentação sua fé e seus bons costumes, a menos que para tanto haja poderosas razões (como ocorrem, por exemplo, no caso de um professor de Literatura obrigado a dar aula sobre um livro pornográfico). Este imperativo da consciência é grave, pois ninguém, por mais douto que seja, tem o direito de se julgar invulnerável e invencível pela tentação. A Igreja confia a seus filhos o exercício da virtude da prudência, indispensável em tal caso.

 

À guisa de complemento, registramos que o Index foi constantemente atualizado, aparecendo após revisão nos anos de 1590, 1593, 1596, 1632, 1665, 1681, 1701, 1711, 1716, 1744, 1758, 1786, 1940,1946, 1948... Em 1948 contava-se a condenação de 109 opera omnia (todas as obras) assim como a de 4.191 livros individualmente tomados.

 

Deve-se ainda observar que o Catálogo dos Livros Proibidos esteve sob os cuidados de uma Congregação própria - a do Index - desde 1571 até 1917, quando Bento XV a extinguiu, transferindo suas atribuições para o Santo Ofício.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)



[1] O Cânon (catálogo) de Muratori é fragmento de um catálogo das Escrituras redigido em latim e descoberto em Milão pelo erudito italiano Luís Antonio Muratori no ano de 1740. Propõe o catálogo bíblico tal como era professado em Roma no fim do século


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8834379)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.18
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.96
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns14.87
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.46
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.86
Pregações  Doutrina  4153 O Purgatório e a salvação12.50
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.80
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.16
Pregações  Santos e Místicos  4157 O Número dos Eleitos11.06
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.04
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.85
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.51
Pregações  Ética e Moral  4155 A Dança9.37
Pregações  Prática Cristã  4156 Eles pertencem ao mundo8.65
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.98
Diversos  Espiritualidade  4151 Fortalecer a Fé7.93
Pregações  Homilias  4154 Sobre as Tentações7.93
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.82
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.61
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.59
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.58
Diversos  Espiritualidade  4150 Vida Mística7.45
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.27
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.03
A falta de unidade (entre as igrejas cristãs) mina a credibilidade da mensagem cristã divulgada à sociedade.
Papa Bento XVI

Católicos Online