Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

PERGUNTE E RESPONDEREMOS 504 - junho 2004

Em sala de aula:

 

CONHECEMOS REALMENTE A VERDADE?

 

Em síntese: O ceticismo alega que não conhecemos a verdade. Cai, porém, em contradição, pois afirma ser verdade que não conhecemos a verdade. A rigor, o cético não pode afirmar nem mesmo o seu ceticismo. - O intelecto humano só tem razão de ser se é capaz de apreender a verdade; corrigindo seus erros, chega progressivamente ao conhecimento da verdade.

 

Via internet PR recebeu a seguinte mensagem, que transcrevemos e brevemente comentaremos:

 

PROFESSOR X ALUNO ATENTO

 

Em uma das inúmeras salas de aula do CEUB, entrou, apressadamente e com ar de quem traz uma grande novidade, o professor (chamemo-lo de) Silvério.

 

Sentou-se em sua prestigiosa cadeira (não muito diferente das nossas) e começou sua aula. No meio das leis e normas, dos princípios e lacunas (que permeiam a carreira jurídica), lançou a criativa e inovadora frase que durante muito tempo ele esperava a ocasião propícia de expor: "A verdade não existe, ela é relativa".

 

Seus olhos refletiam aquela sabedoria própria aos grandes mestres. Nem Aristóteles, no auge de seus conhecimentos filosóficos, teria pronunciado sentença mais justa e erudita! Era verdadeiramente um homem que se fazia respeitar por sua capacidade intelectual...

 

Entretanto, um de seus alunos se levanta e toma a palavra:

 

- Permita-me discordar, professor! Seu pensamento é contraditório!

 

O professor, surpreso de que alguém duvidasse de seus talentos filosóficos, retrucou:

 

- Errado? Ora, você não percebe que tudo é relativo? O que é verdadeiro para mim não precisa de ser verdadeiro para você. Cada um tem a sua verdade! Por exemplo: houve épocas em que se pensava que o Sol girava em torno da Terra. Para aqueles homens, a verdade era essa! Se a verdade não mudasse, até hoje nós estaríamos com o mesmo pensamento. O que prova que não existe uma verdade absoluta, imutável, fixa e estagnada. Ela varia de acordo com a História e a Geografia!

 

Enquanto falava, seus modos demonstravam o gosto da discussão que imaginava vencida. Afinal, os argumentos pareciam bem difíceis de ser respondidos.

 

- Mas, professor, o Sol girava em torno da Terra naquela época? O fato de alguém pensar diferente da realidade não altera a realidade! A verdade não mudou, apenas foi descoberta posteriormente. E, depois, sua frase é contraditória em si mesma!

 

O aluno, então, foi até o quadro e escreveu: "A Verdade é Relativa" e perguntou com tranqüilidade:

 

- Professor, essa frase: "A Verdade é Relativa" é verdadeira ou falsa?

 

O professor não teve saída. Se respondesse que era verdadeira, reconheceria ele que a verdade existe. Se respondesse que era falsa, reconheceria que é falso seu argumento e que, portanto, a verdade existe.

 

Não se deixando dobrar, retomou a sua aula e continuou falando das lacunas do Direito. Ao que parece, esse tema, ele não o achava relativo...

 

COMENTANDO...

 

1. O Ceticismo

 

O ceticismo é contraditório e praticamente impossível. Com efeito, ao afirmar que nada podemos conhecer, o cético conhece e afirma a sua posição; ele sabe com certeza que ela é verídica. Ao dizer que nada conhecemos, ele admite o princípio de contradição (distingue entre conhecer e não conhecer, entre certo e incerto) e cai em contradição consigo mesmo ([1]).

 

Toca ao cético provar a sua tese: nada podemos conhecer; se ele a afirma gratuitamente, podemos também negá-la gratuitamente. Mas, para provar a tese, o cético deve partir de princípios seguros - o que não lhe é possível, pois implicaria contradição.

 

Praticamente falando, o cético não deveria falar, pois falar supõe sempre a distinção nítida e certa entre o Sim e o Não. Aristóteles diz acertadamente que o ceticismo reduz o homem à categoria de vegetal (hómolos phytool).

 

É de notar ainda que com um cético não se pode discutir, nem mesmo para evidenciar-lhe o seu erro, pois todo debate parte de algum princípio aceito pelos dois contendentes. O que se pode fazer, é mostrar ao "cético" que de fato ele não é cético e que se engana, ao dizer que de nada tem certeza.

 

Na verdade, parece que o número de céticos (no sentido pleno da palavra) é assaz reduzido em nossos dias. A existência e o êxito da ciência e da tecnologia contemporânea parecem constituir a mais eloqüente refutação do ceticismo.

 

2. O Intelecto Humano

 

Podemos afirmar que a inteligência é capaz de conhecer a verdade. Isto não se pode propriamente demonstrar, porque seria petição de princípio. Com efeito; demonstrar é partir de conhecimentos tidos como certos para chegar a novo conhecimento ainda ignorado; ora o possuir conhecimentos certos supõe que a inteligência seja apta a isso; por conseguinte, uma demonstração da aptidão da inteligência já suporia esta aptidão - o que é petição de princípio.

 

Mas nem é necessário demonstrar a aptidão da nossa inteligência, porque ela é imediatamente conhecida com certeza legítima, embora só implicitamente, como condição necessária para qualquer conhecimento.

 

Portanto, basta tornar explícito o conhecimento de tal aptidão, já contido em qualquer certeza legítima.

 

 

Dom Estêvão Bettencourt (OSB)



[1] Santo Agostinho acrescenta: negar a veracidade do intelecto é, ao mesmo tempo, afirmar a existência do sujeito que nega:

"Que aconteceria, se eu me enganasse? Se eu me engano, existo. Pois quem não existe, é claro que nem se pode enganar; donde, se me engano, por isto mesmo existo. Porque existo se me engano, como é possível enganar-me acerca da minha existência, uma vez que é certo que existo, mesmo se me engano? Logo, uma vez que eu existiria mesmo se me enganasse, sem dúvida nenhuma, no afirmar a minha existência, não me engano" (Da Cidade de Deus XI26).


Pergunte e Responderemos - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8743605)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.09
Orações  Santos e Místicos  4148 A Sagrada Face18.50
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação14.91
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns13.41
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.40
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.81
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.75
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.08
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.07
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.74
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.35
Diversos  Doutrina  4147 Senhor, quantos serão salvos?8.60
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.97
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.82
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.78
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.54
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.41
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.14
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista7.08
Vídeos  Testemunhos  4146 A Eucaristia na Igreja7.05
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová7.02
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.87
Vídeos  Liturgia  4145 Missas de Cura e Libertação6.83
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?6.65
Milagres são SINAIS da ação de Deus com uma intenção muito além do próprio milagre.
Padre Paulo Ricardo

Católicos Online