Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

Mediação e Corpo de Cristo

 

Pergunta — Já vi duas explicações católicas sobre a mediação de Jesus – tão falada pelos protestantes – e queria saber qual é a correta: 1° Eu assisti ao vídeo de um padre falando que nós somos mediadores (inclusive os santos e Maria), porque todos fazemos parte do Corpo de Cristo, que é a Igreja. Por isso, quando se fala em Jesus como único mediador, fala-se d’Ele “inteiro”, incluindo seu Corpo Místico, que é a Igreja. Já ouvi também (se não me engano de um padre) que a Mediação de Jesus é única, porque Ele é nosso Mediador advogado, e foi apenas por meio d’Ele que fomos reconciliados com Deus Pai. Mas todos podem ser mediadores da graça, rezando uns pelos outros. Qual é a versão correta defendida pela nossa doutrina?

 

Resposta — Os protestantes negam toda outra mediação fora a de Cristo, porque na verdade não entenderam direito nem sequer esta mediação única e necessária.

 

Por que Jesus Cristo é o único Mediador? Porque, como está dito pelo próprio consulente — que ouviu isso, como ele supõe, de um sacerdote — foi somente por meio de Jesus Cristo que fomos reconciliados com Deus. Com efeito, depois do pecado de nossos primeiros pais, Adão e Eva, a humanidade se encontrava rompida com Deus. Seu pecado tinha uma gravidade infinita, pois a gravidade de uma ofensa se mede pela grandeza e dignidade do ofendido. Assim, sendo Deus infinito em sua dignidade, o pecado de Adão, que foi transmitido a todos os seus descendentes, tinha uma gravidade infinita; exigia, portanto, uma reparação também infinita. Ora, nenhum homem podia oferecer tal reparação. A humanidade se encontrava, pois, num impasse. O próprio Deus resolveu divinamente esse impasse: a segunda pessoa da Santíssima Trindade — o Filho — encarnou-se para oferecer a reparação necessária: sendo Deus e Homem, sua reparação teria um valor infinito, e superaria a gravidade da ofensa. Tal foi o mérito do sacrifício redentor de Cristo: Ele comprou a nossa salvação derramando seu Sangue, infinitamente precioso, na Cruz.

 

O sacramento da Penitência ou Confissão reconcilia o pecador com Deus

Precisamente aqui entra a incompreensão dos protestantes: eles julgam que uma vez consumado o sacrifício da Cruz, estava tudo resolvido e encerrado. Entretanto, não é precisamente assim: os méritos alcançados por Cristo — que Ele pôs ao alcance de todos os homens — precisam ser aplicados a cada homem, o que se faz pelo sacramento do Batismo, que apaga o pecado original e nos reconcilia pessoalmente com Deus.

 

Uma comparação ajudará o leitor a compreender este ponto. Quando uma nação rica e generosa envia socorros para outra nação devastada por um cataclismo, esses auxílios precisam depois chegar a cada uma das vítimas. A primeira operação é de obter e enviar o socorro; a segunda, de distribuí-lo. E estamos vendo, por acontecimentos recentes, como, entre a ajuda enviada e a chegada aos que dela necessitam, muitas vezes se interpõem saqueadores ou aproveitadores inescrupulosos... As duas fases são, pois, bem distintas.

 

Assim também, quanto à graça que Jesus Cristo nos alcançou com sua morte na Cruz, é preciso aplicá-la a cada homem individualmente. Em concreto, é preciso que os pais apresentem seus filhos para receber o benefício do Batismo. Ora, quanta negligência ou omissão notamos neste ponto, tanto maior quanto mais a sociedade vai ficando laica e ateia! Daí a necessidade do apostolado católico, que lembre a esses pais omissos a necessidade e urgência de proporcionar aos filhos a recepção do sacramento que os reconcilia com Deus.

 

Ademais, quando um homem comete um pecado mortal, ele volta a romper com Deus. Não perde o caráter de cristão, que o Batismo imprimiu em sua fronte de maneira indelével, mas perde a graça santificante que o tornava amigo de Deus e herdeiro do Céu. Aí entra o sacramento da Penitência ou Confissão, que reconcilia o pecador novamente com Deus. Jesus Cristo deu aos sacerdotes o poder de perdoarem os pecados em seu nome, aplicando ao pecador os méritos infinitos do sacrifício redentor da Cruz.

 

Tal é o sentido da Mediação única de Cristo, que só a Ele compete e a nenhum outro membro do Corpo Místico de Cristo, a nenhum Santo.

 

Como fica então a mediação universal de Nossa Senhora? Todos os méritos pessoais da Mãe de Deus têm valor enquanto unidos aos méritos infinitos de seu Divino Filho. Sobre o papel único de Nossa Senhora, como Medianeira de todas as graças e Co-Redentora (tese que, esperamos, seja declarada dogma pela Igreja), muito haveria a dizer, com o que se encheriam páginas e páginas de nossa revista, a qual, aliás, não tem se omitido de tratar abundantemente da matéria.

 

O Corpo Místico de Cristo

 

Resta explicar ao consulente a pergunta que ele faz sobre o Corpo Místico de Cristo. Este foi o tema de uma carta encíclica do papa Pio XII (datada de 29 de junho de 1943), precisamente com esse título. O Papa mostra como a doutrina do Corpo Místico de Cristo — que é a Santa Igreja — se presta às mais altas e sublimes considerações. Mas, como todos os temas muito alcandorados, tal doutrina recebeu também interpretações gravemente errôneas, claramente denunciadas e severamente reprovadas na encíclica.

 

No que se refere à consulta do missivista, sem dúvida se pode afirmar que, tendo Nosso Senhor Jesus Cristo entregue à Igreja os tesouros infinitos dos seus méritos, para que os distribua a todos os homens através do seu ministério sagrado, ela participa da condição de Mediador único de seu Divino Fundador. O mesmo vale para Maria Santíssima. Vale também para todos os Santos, e inclusive para os fiéis comuns, em estado de graça, unindo seus méritos finitos aos méritos infinitos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Como observação complementar, lembremos que o pecado mortal não exclui o pecador do Corpo Místico — como Pio XII lembra em sua encíclica — mas tornam-se membros mortos que, se não se arrependerem em tempo, são galhos secos destinados ao fogo eterno.

 

Não sei se o vídeo sobre o Corpo Místico de Cristo a que o missivista assistiu faz todas as matizações necessárias. Em todo caso, ficam aqui estas poucas indicações para ele se situar no delicado assunto. E melhor fará se procurar o texto completo da referida encíclica, disponível no site da Santa Sé (vatican.va) (*), que apresenta a correspondente tradução portuguesa do original em latim. Será uma leitura muito enriquecedora e de grande atualidade.

(*) Artigo #1068

 

 

Monsenhor José Luiz Villac

Fonte: Revista Catolicismo


Católicos Online - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 9446144)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?82.34
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns23.09
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.28
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.77
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo13.71
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.22
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino12.09
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.23
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.84
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?10.70
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes8.77
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria8.42
Pregações  Protestantismo  4167 Onde está na Bíblia ...8.29
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.87
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.84
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.72
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.70
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?7.56
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.42
Diversos  Apologética  4169 Comer sua carne literalmente?7.29
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.94
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.64
Diversos  Testemunhos  3465 Ex-pastor conta como fazia para converter católicos6.62
Eu te dou graças, Senhor, por tão grandes benefícios. Jamais chegaria eu por mim mesmo a descobrir a tua benevolência. Em conseqüência, ouso pedir-te mais uma dádiva: não permitas que eu seja indiferente ao teu santo desígnio, numa vida rotineira ou superficial. Seja eu ardoroso na tarefa de me configurar ao teu Filho e assim chegar a contemplar as Vossas maravilhas, a luz da Verdade e o brilho da tua Face, razão suprema da minha existência!
Dom Estêvão Bettencourt

Católicos Online