Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

 

PESSOA: CONCEITO E REALIDADE*

Prof.: Ricardino Lassadier**

 

1

 

Inicio nossa “conversa” agradecendo o convite. Espero poder corresponder  colaborando com algumas reflexões.

 

Refletir sobre “pessoa: conceito e realidade”, nos leva a meditar sobre os conceitos de pessoa e realidade sugere, ao mesmo tempo, o empenho em tentar responder a seguinte questão: Qual é o entendimento sobre a pessoa humana e sobre a realidade que melhor corresponde autenticamente ao bem? Cabe esclarecer o seguinte: Tomamos por “bem” a promoção da vida da pessoa humana em sua plena dignidade. Sendo assim, a primeira questão levantada anteriormente pode ser formulada de outro modo: Qual a concepção filosófica que melhor atende a dignidade da pessoa humana?

 

Para conseguirmos responder a tal questão faz-se necessário esclarece que “pessoa” e “realidade” são conceitos intimamente ligados. Dizendo de outro modo: A concepção que temos de pessoa depende da concepção que temos de realidade e vice e versa. Logo, um conceito de realidade que absolutize uma parte, uma dimensão da realidade, um fragmento como se fosse o todo resulta numa concepção de pessoa em  sentido reducionista e fragmentado.

 

Estamos cientes de que o que até aqui foi dito apresenta-se de modo obscuro, mas vamos daqui em diante tentar simplificar o pensamento apresentado até então. Pois bem, para facilitar apresentamos as duas vertentes filosóficas que representam ou constituem as duas vias de entendimento acerca de realidade e da pessoa humana: Uma vertente filosófica é denominada funcionalista. A outra concepção filosófica é denominada personalismo.  

 

2

 

O pensamento funcionalista é de inspiração materialista, empírico, pragmático e recusa à metafísica.  Para o funcionalismo a realidade é a materialidade.  A corrente funcionalista é, em verdade, influenciada por uma variedade de outras filosofias e se constitui como uma corrente hibrida ou sincrética que funde vertentes múltiplas. Citamos algumas dessas vertentes para melhor entender o seu alicerce.

 

O marxismo (Marx) concebe a realidade como história, entendida como uma evolução da matéria incluído o ser humano.

 

Para o positivismo (Comte), o homem é fruto da evolução progressiva da matéria e esta encerra, portanto, toda a realidade.

 

Noção moral pautada no utilitarismo social (Hume): Bom é tudo aquilo que a sociedade aprova em razão dos benefícios úteis apresentados.

 

 Sob a égide do marxismo, do positivismo e do utilitarismo social temos o pragmatismo. No pragmatismo a validade (verdade) de um conhecimento esta na resposta objetiva e utilitária que ele pode nos fornecer, por isso “o objetivo do conhecimento é resolver problemas, buscar melhorias para vida humana, procurar pragmaticamente o equilíbrio e o consenso entre as partes sem recorrer a teorias especulativas, doutrinas e ideologias” (SAMERARO, 2001, p. 104).

 

Nas correntes filosóficas apresentadas há um ponto em comum: A crescente rejeição da transcendência e a afirmação da imanência, isto é, a realidade é identificada com a contingencialidade.  São detectados contínuos esforços em afastar todas as questões de sentido transcendente. Para João Carlos Petrini (2000, p. 26), tais esforços “levaram a classe intelectual a desvalorizar questões relativas ao significado da vida e da morte, por que e para que existem as coisas, prevalecendo preocupações práticas e técnicas relativas ao funcionamento, à utilidade, ao modo de fazer”. Desse modo a negação da transcendência resulta na desvalorização do sentido integral da vida e em última instancia do próprio homem que é visto como uma mônada, isto é, fechado em si mesmo, em sua dimensão biológica e psicológica.

 

O funcionalismo é herdeiro dessas concepções, por isso, ele estabelece a distinção entre o conceito de ser humano e de pessoa. Nesse sentido, Explica Cipriani (2007, p. 36), haveria seres humanos que não seriam considerados pessoas e existiriam animais que poderiam ser considerados pessoas. O critério para ser considerada pessoa dependeria do desenvolvimento de certas capacidades ou funções. A partir desse princípio geral muitos chegaram a formular as teorias mais estranhas. Citamos apenas algumas:

 

-teoria do efetivo exercício da razão: Alguém só é considerado pessoa a partir do momento em que manifesta a capacidade racional.

-teoria dos indicadores de humanidade: Alguém só seria pessoa se manifestasse a racionalidade, o senso moral, o autocontrole, etc.

-teoria da intenção de procriar : Se um homem e uma mulher se relacionarem e gerarem um filho intencionalmente, esta criança seria considerada pessoa. Se alguém foi concebido sem intenção, não deveria ser considerada pessoa (cf. CIPRIANI, 2007. p.p.40 e 41).

 

Notemos que tais teorias favorecem: a legalização da do aborto, o experimento com fetos humanos, o infanticídio de recém-nascidos com má formação física ou deficiência mental e etc.

 

Equacionando: Se partirmos de filosofias que considerem a realidade da perspectiva materialista, cientificista e utilitarista chegaremos no funcionalismo  que estranhamente separa o início da vida  do início da pessoa humana.  Ou seja, a vida começa na concepção, porém, essa vida não seria humana. Há aqui uma contradição evidente, a saber, algo passa a existir sem vir a ser o que é, porém a partir de um determinado momento torna-se algo totalmente novo que jamais fora até então.  Tal concepção não corresponde adequadamente à dignidade humana e - permitam-me a brincadeira - poderia ser representado pelo seguinte silogismo: Todo tigre é feroz. O jacaré, nascido do ovo, é feroz. Logo, o jacaré é um tigre.

 

3

 

A outra concepção é o personalismo que se estrutura na compreensão ontológica e transcendente da pessoa e da realidade. Para o personalismo o homem integra a realidade, no entanto, ela (a realidade) vai muito além daquilo que é perceptível pelo homem, ou seja, a consciência humana não tem como abranger a totalidade da realidade, embora possa intuí-la. Aliais muitos foram os pensadores que, de algum modo, falaram da transcendência da realidade: Parmênides, Platão, Plotino, Aristóteles, S. Agostinho, S. Tomás de Aquino, Pico della Mirandola, Pascal, Gabriel Marcel, Emmanuel Mounier,  Jacques Maritain, João Paulo II dentre outros.

 

A transcendência da realidade nos leva à transcendência da pessoa que não é um quinhão de matéria biológica, não é um componente particular do universo, ou como diz Jacques Maritain (1947, p. p. 11, 12): “O homem é um animal, um indivíduo, porém diferente dos outros. O homem é um indivíduo que se sustenta e se conduz pela inteligência e pela vontade; não existe apenas de maneira física, há nele um existência mais rica e mais elevada, que o faz super existir espiritualmente em conhecimento e amor. É assim de algum modo, e não somente uma parte, é em si mesmo um universo, um microcosmo, no qual o grande universo pode ser contido por inteiro graças ao conhecimento, e que são como outras tantas encarnações de si próprio”.

 

No personalismo a pessoa humana é considerada em sua totalidade (pluridimensionalidade) existencial (biológica, psíquica, moral, social, espiritual). A noção de pessoa foi semeada na história do pensamento universal pelo pensamento cristão que, além da pluridimensionalidade humana, entende pessoa “como ser subsistente, consciente, livre e responsável” (SGRECCIA, 2002, p. 123). O homem é pessoa desde o momento de sua concepção, desde o momento em que tem vida de modo que a pessoalidade é algo constituinte da essência humana, não é um aspecto acessório acidental. Existir como pessoa, segundo Emmanuel Mounier: “É a mais alta forma de existência, ou que toda a evolução da natureza anterior ao homem convergem no momento criador em que surge este acabamento do universo. Diremos que a realidade central do universo consiste num movimento de personalização...” (1976, p. 20)

 

A pessoa humana contém, em certo sentido, o universo! Quando a pessoa humana pensa, questiona-se e busca entender todo o mundo criado, é o próprio universo, é a própria criação procurando compreender-se através da pessoa humana, por isso todo o universo criado converge para o homem. Isto é: “Em termos filosóficos, isso quer dizer que na carne e nos ossos humanos há uma alma que é um espírito e que vale mais que o universo todo” (SGRECCIA, 2002, p.129).

 

Identificar o homem como pessoa implica em reconhecer o seu sentido ontológico, implica em afirmar que a identidade humana, que está para além e independe de qualquer categoria ou qualificação social, política, econômica ou qualquer outra. Por ser pessoa, o homem transcende a realidade contingencial, logo, não deve ser submetido a nenhum reducionismo imanentista como propõe o funcionalismo.

 

 

4

 

Como já dissemos, o funcionalismo concebe a realidade de modo imanentista e a pessoa de modo reducionista, por isso nessa perspectiva o Estado, a economia, a política se sobrepõem à pessoa. E desse modo, o homem – dependendo do enfoque relativista – não é concebido como pessoa e, por vezes, nem nasce pessoa, mas torna-se pessoa.

 

No personalismo (que considera a realidade em sentido transcendente e enxerga o valor da pessoa humana no aspecto ontológico), perguntar quando o homem se torna pessoa é algo inteiramente descabido e irracional. Na perspectiva personalista o homem é pessoa e não torna-se pessoa humana. Dizendo de outro modo, a pessoa humana é, surge com a vida, quando do encontro, da comunhão fruto da doação de duas pessoas humanas.

 

Não há instituição que possa conceder a identidade de pessoa humana ao que  já não é. O Estado não pode conceder a identidade de pessoa. Cabe ao Estado somente reconhecer a existência da pessoa. Jacques Maritain (1947, p.p.104, 105) acerca dessa questão afirma: “Importa insistir sobre este fato de que, já na própria ordem natural, a pessoa humana transcende o Estado, dado que o homem tem um destino superior ao tempo e põe em jogo o que nele interessa este destino”.

 

Desse modo, o Estado pode conceder cidadania a uma pessoa, porém jamais pessoalidade. A propósito, alguém só pode ser considerado cidadão por, antes, ser pessoa. A cidadania, para existir, requer antes a pessoalidade; assim como o Estado, para existir, requer antes a realidade de modo abrangente e transcendente. Lembremos que o fim do Estado, das leis, da sociedade é o bem comum, que não pode acontecer se vilipendiar, desprezar as pessoas humanas. Em outras palavras, sociedade humana alguma conseguirá realizar o bem comum se suprimir o bem da pessoa humana. Qualquer lei ou princípio social que venha ferir a dignidade de uma pessoa humana que seja, é injusta. Afinal a sociedade humana difere da coletividade animal, como por exemplo, das abelhas e formigas. Nestas as parte é sacrificada pelo todo.

 

 A história prova que quando no Estado, na sociedade reina princípios funcionalistas e não respeita o princípio que reconhece a dignidade da pessoa humana como inalienável, corrompe-se e, como diz João Paulo II (EV,20): “deixa de ser a ‘casa comum’, onde todos podem viver segundo princípios de substancial igualdade, e transforma-se num Estado tirano, que presume de poder dispor da vida dos mais francos e indefesos, desde a criança ainda não nascida até o idoso, em nome de uma utilidade pública que, na realidade, não é senão o interesse de alguns”.

 

 

*Síntese da conferência realizada no IV encontro de Bioética de Belém promovido pelo Centro de Bioética da Amazônia, em 14/09/2011.

**O autor é graduado (Licenciado e Bacharel), em Filosofia (UFPa), Especialista em Filosofia (Epistemologia das Ciências Humanas/ UFPa). Especialista em Teologia (Teologia e Realidade com ênfase em bioética/CESUPA). Professor do IRFP (as disciplinas “História da Filosofia Moderna”, “História da Filosofia Contemporânea” e “Filosofia da Ciência e da Natureza”). Lecionou na Escola Diaconal Santo Efrém da Arquidiocese de Belém (discipinas:“Antropologia Teológica”, “Escatologia”). Lecionou no Curso de Teologia (CCFC), as disciplinas “Teologia Fundamental”, “Mariologia” e “Escatologia”. Nesta mesma instituição ministra o curso “Razões e Fundamentos da Fé: Estudo do Catecismo da Igreja Católica”. É professor da Rede pública estadual (colégios: Ruth Rozita e Barão de Igarapé Miri), onde leciona Filosofia.

 

BIBLIOGRAFIA.

-CIPRIANNI, Giovanni.  O Embrião humano: Na fecundação, o marco da vida. São Paulo: Paulinas,2007.

-JOÃO PAULO II.  Evangelium Vitae. São Paulo: Paulinas, 2004.

-MARITAIN, Jacques. Os Direitos do Homem. São Paulo: Ed. Livraria José Olimpio, 1947.

- MOUNIER, Emmanuel. O Personalismo. Lisboa-Portugal: Martins Fontes, 1976.

- PETRINI, Carlos João. Pós-modernidade e Família: um itinerário de compreensão. Bauru-SP: EDUSC, 2003.

- SGRECCIA, Elio. Manual de Bioética (Vol. I): Fundamentos e Ética Biomética. São Paulo: Loyola, 2002.

-SEMERARO, Giovanni.  Saber fazer filosofia: O Pensamento Moderno. São Paulo: Ed. Ideias e Letras, 2011.

 


Católicos Online - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
6 1
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 10431285)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?85.05
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns30.84
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação16.12
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo14.97
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?14.44
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?13.33
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino13.16
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?12.30
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas11.77
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes11.29
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia10.29
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria9.31
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes8.84
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?8.77
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra8.30
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade8.28
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?8.19
Diversos  Apologética  3960 Deus não divide sua glória com ninguém?7.76
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.76
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?7.37
Diversos  Santos e Místicos  3587 Poesia de Santa Teresinha7.33
Diversos  Mundo Atual  3795 O que há de vir?6.92
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.81
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo6.67
Onde estiver o bispo, ali estarão também as multidões, da mesma forma que onde estiver Jesus Cristo, ali estará a Igreja Católica.
Sto. Inácio de Antioquia (35-110)

Católicos Online