Católicos Online - - - - AVISOS -


...

Pergunte!

e responderemos


Veja como divulgar ou embutir artigos, vídeos e áudios em seu site ou blog.




Sua opinião é importante!









Sites Católicos
Dom Estêvão
Propósitos

RSS Artigos
RSS Links



FeedReader



Download







Cursos do Pe Paulo Ricardo


Newsletter
Pergunte!
Fale conosco
Pedido


PESQUISAR palavras
 

57 Testemunho de Fé – 25º Domingo do Tempo Comum (18/09/2001)

 

sáb, 17/09/2011 | Autor: Padre Paulo Ricardo de Azevedo Júnior

 

Também a mim destes esperança!

 

Poderíamos abordar o evangelho deste domingo sob dois ângulos diferentes. Ou se enfatiza a atitude infinitamente generosa de Deus (o proprietário, na parábola) que não mede esforços para que sejamos salvos. Ou analisamos a aplicação moral que nos ensina a modificar o nosso “mau olhar”, a inveja (dos operários da primeira hora).

 

Vamos iniciar com o segundo ponto: a inveja. E, para iluminar o evangelho deste domingo, convido você a se recordar comigo da história de José do Egito, como é relatada no livro do Gênesis.

 

José do Egito e a inveja da graça

 

José era o mais amado dos filhos de Jacó. Seu pai não escondia esta predileção e mandou fazer para ele uma “túnica de mangas compridas” (Gen 37,3). Mas não somente isto, o próprio José de forma imprudente, ou talvez ingênua, partilhava candidamente com seus irmãos os dois sonhos, segundo os quais, sua família inteira, até mesmo seu pai e sua mãe, viriam um dia se inclinar diante dele.

 

Com estas atitudes, a inveja não tardou a envenenar o coração de seus irmãos. Os filhos de Jacó decidem então vender José como escravo e encobrir o seu desaparecimento com uma farsa. Arrancam-lhe a túnica inconfundível, mancham-na de sangue e inventam que o pequeno sonhador fora dilacerado por um animal feroz. Ao receber a notícia da morte de José, “Jacó rasgou as vestes de dor, vestiu-se de luto e chorou a morte do filho por muitos dias” (Gen 37, 34).

 

O episódio é emblemático e nos ajuda a compreender a natureza da inveja descrita em nossa parábola. Não se trata de uma inveja normal, que tem por objeto o irmão, mas de uma inveja muito mais mortífera: “a inveja da graça de Deus”.

 

É interessante notar que os irmãos não invejavam simplesmente a José. O que invejavam na verdade era o amor que o pai lhe concedera. Poderíamos, porém, como os operários de nossa parábola, argumentar que a única coisa que os irmãos desejavam era uma justiça distributiva e receber, também eles, uma túnica de mangas compridas, junto com um equitativo lote de amor. Mas, no caso da história de José, esta interpretação “benévola” se demonstra insustentável. Como é possível alegar que os irmãos maliciosos desejavam apenas o amor de seu pai, quando, com a farsa da morte de José, eles foram os primeiros a ferir o coração amoroso de Jacó?

 

Com seu crime, os filhos de Jacó não somente revelam toda a inveja de José, mas uma inveja que nasce da pura malícia: o desejo de anular o amor do pai (no caso de Deus, diríamos: anular o derramamento da graça de Deus).

 

Seria enganoso pensar que o que levou os irmãos a venderem José como escravo tenha sido o desejo de ser amado por Jacó. Eles infelizmente não queriam nada disso. É triste admiti-lo, mas o que eles desejavam, na verdade, é que Jacó simplesmente parasse de amar!

 

Mas baldados foram os seus esforços, pois quanto mais seus filhos e filhas tentavam consolá-lo, “ele recusava qualquer consolo, dizendo: ‘Em prantos descerei até meu filho no reino dos mortos’. Assim o chorava o pai” (Gen 37, 35).

 

Os filhos de Jacó são expressão emblemática do ódio contra Deus que habita o coração de quem “inveja a graça de Deus”; o coração do homem que deseja, de forma absurda, que Deus pare de amar.

 

A inveja segundo Santo Tomás de Aquino

 

Mas vamos analisar mais de perto a natureza da inveja.

 

Santo Tomás de Aquino, seguindo a esteira dos Santos Padres, descreve a inveja como sendo uma espécie de tristeza. Quando a pessoa se entristece por constatar o bem do outro, ela sofre de inveja.

 

No evangelho, o patrão diz aos empregados de primeira hora: “Acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja porque estou sendo bom?” (Mt 20, 15). A expressão “estás com inveja” é uma adaptação portuguesa, pois o original grego reza assim: “ou o teu olhar é malvado porque eu sou bom?”.

 

Olho mau (ὁ ὀφθαλμός πονηρός – ho ofthalmós ponerós) é uma expressão semítica. Trata-se daquele mesmo olhar que os irmãos de José pousaram sobre ele quando “tendo-o o visto de longe, antes que se aproximasse, tramaram a sua morte. Disseram uns aos outros: ‘Aí vem o sonhador!’” (Gen 37, 19-20).

Jesus nos recorda que um olhar assim só pode brotar do coração (cf. Mc 7, 21.22: “Pois é de dentro do coração humano que sai… o mau olhar”). Mas trata-se de um coração deformado por ser incapaz de se alegrar com a felicidade do outro.

 

Mas, como já dissemos, o que nos chama a atenção nesta parábola não é a simples inveja do irmão (invidia fratris), mas a inveja muito mais grave que, segundo Santo Tomás, constitui um dos tipos de pecado contra o Espírito Santo: a inveja da graça de Deus (invidia fraternæ gratiæ, cf. Super Sent., 2, 43). Do que se trata?

 

Que pecado é este que leva Jesus a dizer que “todo pecado e toda blasfêmia serão perdoados; mas a blasfêmia contra o Espírito Santo não será perdoada” (Mt 12, 31)? Se olharmos de perto o contexto em que Jesus pronuncia esta dura sentença, podemos notar que Nosso Senhor acabara de libertar um possesso que era surdo e mudo, com o dedo de Deus, com o poder do Espírito Santo. Graças iguais a esta eram uma demonstração clara da presença de Deus e, por isto, o povo começava a crer em Jesus.

 

Os fariseus, tomados pela “inveja da graça de Deus”, pela tristeza de verem a graça de Deus derramada sobre o povo, queriam impedir que as pessoas cressem em Jesus e então começaram a blasfemar dizendo que a ação do Espírito era do próprio Satanás.

 

Esta é uma atitude semelhante à dos irmãos de José que desejavam aniquilar o amor do pai: o fariseu, como os filhos de Jacó e como o empregado da parábola, se entristece com a graça distribuída generosamente por Deus. É este “mau olhar” condenado pelo proprietário da vinha, no evangelho, que constitui um pecado contra o Espírito Santo.

 

O que poderia impedir o próprio Deus de nos salvar e de perdoar os nossos pecados? Nós mesmos! Quando, por pura malícia, preferimos em nosso coração nos fechar à graça de Deus e aniquilá-la. Quem, ao contrário, não peca contra o Espírito Santo é aquele que se alegra por vê-la distribuída generosamente a seus irmãos.

 

Uma lição para os bons cristãos

 

Gostaria, finalmente, de alargar o nosso horizonte hermenêutico, recordando o contexto da perícope que nos foi proposta para a reflexão deste domingo.

 

Neste evangelho, estamos em pleno discurso “eclesiástico” de Jesus. Trata-se, portanto de um ensinamento dirigido primordialmente aos discípulos e não aos judeus.

 

No capítulo anterior, 19, Nosso Senhor acaba de responder a São Pedro que lhe declarara: “Nós deixamos tudo e te seguimos. Que haveremos de receber?”. Jesus responde prometendo a recompensa de vida eterna e conclui assim: “muitos que são primeiros serão últimos, e muitos que são últimos serão primeiros” (Mt 19,30).

 

É neste contexto imediato que nos é apresentada a parábola deste domingo, a qual Jesus irá concluir com uma frase quase idêntica: “os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos” (Mt 20,16).

 

Isto nos permite então interpretar esta parábola à luz do drama existencial daqueles que, como São Pedro, deixaram tudo para seguir Jesus e que, como os fariseus, se sentem tentados pela inveja da graça. De fato, para alguns cristãos, é bastante duro ver as portas do paraíso se abrirem de par em par aos que não tiveram que suportar “o peso do dia e o calor ardente”.

 

Podemos concluir, assim, que a mensagem central do evangelho deste domingo é a generosa misericórdia de Deus. Esta misericórdia, porém, não nos é apresentada como uma pequena recompensa egoística. Ela é um compromisso dramático. Ou aprendemos, com o proprietário da vinha, a ter um “olhar luminoso”, que sabe celebrar a salvação de Deus e a sua largueza. Ou seremos escravizados por aquele olhar infernal que se entristece por ver a graça derramada com prodigalidade.

 

Em extrema síntese poderíamos dizer que devemos ser “misericordiosos como o nosso Pai celeste é misericordioso” (Lc 6, 36). De fato, é difícil imaginar que no Reino dos céus possa entrar alguém que não se alegre com a conversão “da última hora” de um bom ladrão ou de uma Maria Madalena.

 

Qui Mariam absolvisti

Vós que absolvestes Maria Madalena

Et latronem exaudisti,

E ouvistes a prece do bom ladrão,

Mihi quoque spem dedisti.

Também a mim destes esperança!

 


Católicos Online - Bíblia Católica - Catecismo
Como você se sente ao ler este artigo?
Feliz Informado Inspirado Triste Mal-humorado Bizarro Ri muito Resultado
4 0
PUBLICAR - COMENTAR - EMAIL

Ver N artigos +procurados:
TÓPICO  ASSUNTO  ARTIGO (leituras: 8924238)/DIA
PeR  Escrituras  1355 Jesus jamais condenou o homossexualismo?32.23
Diversos  Prática Cristã  3780 Os pecados mortais mais comuns17.22
Orações  Comuns  2773 Oração de Libertação15.01
Aulas  Doutrina  1497 Ser comunista é motivo de excomunhão?13.49
PeR  O Que É?  0516 O Que é a ADHONEP?12.94
Vídeos  Milagres  4159 Imagens intactas em catástrofes!12.14
PeR  História  0515 O Recenseamento sob César Augusto e Quirino11.89
Diversos  História  4042 R.R. Soares e Edir Macedo11.38
PeR  O Que É?  2142 Quiromancia e Quirologia11.03
Diversos  Protestantismo  1652 Desafio aos Evangélicos: 32 Perguntas10.95
Diversos  Prática Cristã  3185 Anticonceptivos são Abortivos?9.77
Vídeos  Doutrina  4160 Tudo está consumado9.19
PeR  História  2571 Via Sacra, qual a origem e o significado?8.02
PeR  Prática Cristã  1122 As 14 estações da Via Sacra7.94
Diversos  Ética e Moral  2832 Consequências médicas da homossexualidade7.83
PeR  O Que É?  0565 Lei Natural, o que é? Existe mesmo?7.61
Diversos  Testemunhos  3922 Como o estudo da fé católica levou-me ao catolicismo7.44
PeR  Escrituras  2389 O Pai Nosso dos Católicos e dos Protestantes7.41
Diversos  Apologética  3729 Desmascarando Hernandes Dias Lopes7.26
Vídeos  Testemunhos  3708 Terra de Maria7.12
PeR  Filosofia  0085 De Onde Viemos? Onde Estamos? Para Onde Vamos?7.08
PeR  Testemunhos  0450 Eu Fui Testemunha de Jeová6.99
Diversos  Anjos  3911 Confissões do demônio a um exorcista6.97
PeR  O Que É?  1372 Eubiose, que é?6.86
A Bíblia sem Igreja é apenas um livro, letra morta, que precisa de um testemunho vivo para ser explicado e lhe dar credibilidade e autoridade. Esse é o testemunho que a Igreja de Cristo oferece à humanidade há 2000 anos a partir dos apóstolos e seus sucessores fiéis a Pedro (e papas) em obediência às determinações e promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo.
Claudio Maria

Católicos Online